Tecnologia nos tecidos - AltaMontanha.com - Portal de Montanhismo, Escalada e Aventuras
Tecidos

Tecnologia nos tecidos


Categoria: Tecnologia

Coragem nunca faltou aos primeiros escaladores de alta montanha, no entanto, os equipamentos totalmente inadequados do começo do século XX foram uma grande barreira para a conquista de lugares inacessíveis.

 ,Roupas de lã e algodão foram por muito tempo as únicas proteções utilizadas pelos primeiros alpinistas. Estas roupas também foram a causa da morte de vários deles, por hipotermia e congelamentos.

Tecidos impermeáveis como nylon se apresentaram como solução para os problemas que os montanhistas tinham com o acúmulo de neve no corpo, porém foi muito depois do nylon que se concluiu que a saída não é isolar o corpo humano do ambiente, mas deixá-lo interagir.

As pesquisas começaram na década de 30, mas foi somente em 1978 que uma empresa chamada Gore lançou uma membrana à prova de umidade externa, mas que também permite ao corpo respirar. O recém nascido Goretex foi um grande passo na evolução dos tecidos para climas extremos. Seu biocomponente consiste em dois materiais únicos: um repelente aquático e outro repelente à óleos. O primeiro é puramente Poli Tetra Fluoro Etileno (PTFE) expandido. PTFE tem várias propriedades interessantes que são perfeitas para o montanhismo: tem resistência química, não é alterado por fricção, é um isolante térmico, além da repelência à água. No entanto, as primeiras roupas feitas com PTFE expandido acabaram perdendo suas propriedades ao entrar em contato com óleos presentes na pele humana. Para evitar o problema, poliuretano foi adicionado na superfície da membrana que fica em contato com o corpo.

Com resistência a óleos, a membrana deixa vapor d´água passar, mas passa a ser uma barreira física a óleos, cosméticos, etc, que podem alterar a performance da membrana como um todo. Cada centímetro quadrado de Goretex contém 3,6 milhões de microporos. Cada um é 20 mil vezes menor que uma gotícula de água e 700 vezes maior que uma molécula de vapor. Isso permite que a membrana tenha incrível capacidade de repelência à água, mas permita o vapor de transpiração escapar.

Mas como é na prática?

As jaquetas e calças de hoje em dia são na verdade um conjunto de sistemas complexos que funcionam cooperativamente na difícil tarefa de manter o corpo humano seco sob condições adversas.

O Goretex é aquela camada de tecido branco que pode ser vista entre as demais camada de tecido de sua jaqueta, calça, luva, etc. As costuras devem ser fortalecidas para que a membrana não perca força e também para que água ou vapor não escapem de seu controle. Para que esta funcione com eficiência, é necessário que ela seja protegida por uma camada exterior, cuja função é manter as camadas interiores longe da ação de chuva, vento, neve, ou qualquer outra coisa que a mãe natureza decidir inventar. Além disso, a camada exterior é a que sofre os maiores abusos em relação a desgastes. Nós escaladores sabemos bem disso. Nylon com Rip-stop (feito com costuras quadriculadas) evita com que rasgos no tecido exterior tome proporções maiores.

Escolhendo o seu tecido

Na maioria das vezes, a maioria dos consumidores são inocentemente induzidos à comprar tecidos famosos como o Goretex. Porém, primeiramente devemos analisar qual é a nossa atividade e não a marca da roupa. Por exemplo, não é viável você comprar uma jaqueta Arc´teryx de Goretex, que custa 700 dólares, se você vai escalar rochas no Brasil e precisa se proteger da chuva.

Enquanto Goretex e produtos similares tem a incrível capacidade de manter água e chuva fora do corpo e ainda permitir que a pele respire e transpire, esqueça da idéia de que você está dentro de uma cúpula à prova d´água. Há 3 fatores importantes que devemos ter em mente ao escolher um tecido: resistência ao vento, resistência à água e respiração no tecido. Quanto maior a resistência à água e ao vento, menor será a capacidade de respiração do tecido e vice-versa. Nós montanhistas, procuramos a harmonia entre os 3 fatores. Nossas roupas devem poder se adaptar à grande variedade de climas que enfrentaremos no caminho ao cume: aproximações poeirentas, com vento, caminhadas longas onde transpiramos, mas sentimos frio nas paradas de descanso, ataques noturnos sob dezenas de graus abaixo de zero, tempestades de neve, escaladas verticais em rocha abrasiva... e isso usando a mesma roupa em todas essas situações.

Dependendo da atividade, podemos escolher entre tecidos:

Que tem grande resistência ao vento, ótima respirabilidade, mas pouca resistência à água: Tecidos como Super Microft, Activent e outros têm a vantagem de ser muito leves. Por isso, são indicados para corrida ou outras atividades altamente energéticas em montanha, que fazem com que o corpo transpire muito.

Que são absolutamente à prova d´água, 100% à prova de vento, mas não respiram
: São roupas especializadas para as atividades que tem constante contato com água. Vários tipos de nylon de grande durabilidade geralmente são utilizados neste tipo de roupas. Bolsos, colar e braços são totalmente protegidos por partes feitas de látex ou neoprene. Se você é pescador de caranguejos no Alaska, ou se gosta de escalar na Inglaterra durante o inverno, esta é a sua melhor opção!

Que são o meio termo entre resistência ao vento, à água e respirabilidade: É neste tipo que nós escaladores estamos interessados! Goretex, Ultrex, H2No e outros se caracterizam nesta categoria que tem grande aceitação em qualquer tipo de terreno. Dois diferentes ramos de roupas se subdividem desta categorias:

De 2 camadas: Na verdade, são 3 camadas de tecido, mas 1 delas (a membrana) está aderida à camada externa. Roupas de "2 camadas" foram as primeiras a aparecer. A idéia é que a camada interna fique isolada às demais para que os óleos corporais não atrapalhem com o funcionamento da membrana e também para que o ar existente entre as camadas cumpra a função de isolante térmico. Estas roupas geralmente são mais maleáveis que as de "3 camadas", porém são mais pesadas, menos resistentes e respiram menos.

De 3 camadas: Estas sim são 3 camadas juntas que têm uma performance excepcional. Em teoria, a inexistência de espaços de ar entre as camadas faz com que o vapor se condense na parte de fora da roupa. Além de economizar peso e espaço, esta é a melhor forma de aproveitamento para membranas como Goretex.

Além do tipo de tecido, deveríamos ter em mente que tipos de acessórios precisamos para nossas roupas. Por exemplo, para escaladores é uma mão na roda ter bolsos altos nas jaquetas já que a cadeirinha acaba tampando o acesso à bolsos baixos. Calças com zípers laterais são vantajosas para que usa botas plásticas, pois além do acesso mais rápido às botas, podemos abrir a lateral da calça no caso de descidas (ou subidas) quentes demais.

O Polartec

Este interessante isolante térmico, é altamente transpirável (até 30% a mais que o Goretex). É um dos poucos tecidos transpiráveis que são confortáveis em contato com a pele. Por capilaridade, o Polartec consegue transportar qualquer líquido (não somente vapor) à superfície externa do tecido e evaporá-lo. Líquidos evaporam 2 vezes mais rápido na superfície deste tecido do que na superfície de um tecido comum. Além de tudo isso, o Polartec tem grande resistência ao vento. A grande desvantagem dele, é em relação à prova d´água, que é quase ausente.

O Sistema de vestimenta ideal

A camada base - é a que fica em contato com o corpo. Até a camiseta que você usa deveria fazer parte do sistema. Não adianta nada você estar usando uma jaqueta com membrana de Goretex e vestir uma camiseta de algodão por baixo. Primeiramente, esta deve transportar a transpiração e o vapor presente na pele, para fora de contato de corpo. Uma boa vestimenta técnica que fica em contato com o corpo, vai – além da primeira função – adicionar isolamento térmico ao seu corpo, especialmente as de mangas e pescoço longo. Para esta primeira camada esqueça do algodão e tecidos que retenham água.

A camada externa - por cima da camada base, você pode usar um isolante que não retenha transpiração, como o Polartec, ou uma jaqueta com membrana transpirável como as mencionadas acima. Mas não pode usar as duas juntas. Se a parte externa do material isolante não estiver em contato com o frio externo, acabará fazendo com que a transpiração se condense antes de atingir a membrana transpirável da jaqueta externa, e em conseqüência, vai acumular água.

O que podemos concluir?

Depois de toda a informação lida aqui, concluímos que as vestimentas técnicas são essenciais na montanha e se você não ter uma, corre sério risco de vida. Porém, a vida real não é bem assim.

Não podemos esquecer dos pioneiros que escalavam montanhas com algo que nem podemos chamar de roupas hoje em dia. Algodão e lã, eram a base de tudo. Assim como na foto do lado, numa escalada ao Matterhorn pela arista Lion em 1910, podemos observar que ambos escaladores usam sapatos de couro, chapéu e paletó. Uma grossa corda com um visível nó cego é usada na escalada.

Tenha em mente que para que você esteja quentinho e sequinho na montanha, não deveria se refugiar somente na sua roupa, mas no seu conhecimento. Nunca é demais saber como se virar usando as velhas técnicas que os rapazes da foto estão usando, pois nunca se sabe o que pode acontecer durante os imprevistos.

Texto: Maximo Kausch



Publicidade:


Serviços Especializados


Refúgio Serra Fina

Publicidade

Publicidade