Dez dias de férias? Vá pro Mercedario, em solitário!!! - AltaMontanha.com - Portal de Montanhismo, Escalada e Aventuras
Férias em solitário!

Dez dias de férias? Vá pro Mercedario, em solitário!!!


Aventura de:

Apenas 10 dias de férias, juntamente ao Carnaval. Proposta: Viajar para a Argentina para subir o Cerro Mercedário, uma montanha ao norte do Aconcagua e que possui 6770 m, sendo a quarta mais alta dos Andes. Teria somente duas semanas para viajar, subir a montanha e regressar, um cronograma bem apertado, considerando-se que esta montanha é do nível do Aconcagua ou do Ojos Del Salado.

Chegar à montanha já era meio complicado, pois requeria, no mínimo, 2 dias: é necessário ir para Mendoza, depois para San Juan e, de lá, para uma vila chamada Barreal, que só tem dois ônibus diários, um pela manha e outro pela noite. Depois, mais 2 horas em um 4x4 para chegar até o refúgio, localizado a 3000 m.

A idéia era tentar subir bem rápido, em 8 ou 9 dias no máximo, reservando uns dias para a volta ao Brasil. A principal coisa que poderia atrapalhar seria o clima, caso estivesse ruim, pois não poderia ficar muito tempo esperando. Eu cheguei ao refúgio em um domingo ensolarado, céu azul e sem ventos. O tempo permaneceu assim por 2 dias, até eu montar meu acampamento base a 3900 m. Como estava fazendo uma ascensão solo, todo deslocamento montanha acima necessitava de dois porteios, para carregar todo o peso.

Já estava meio preocupado até quando o tempo bom iria durar, pois haviam me dito que o clima ali é mais instável que no Aconcagua. Pois bem, no terceiro dia, quando fui fazer o primeiro porteio para estabelecer o acampamento avançado, o tempo mudou e começou a nevar. No quarto dia, quando me mudei do acampamento base para o avançado, a 5200 m, tive que montar minha barraca debaixo de nevasca. Mas ainda tinha 4 dias pela frente para o tempo melhorar...

Foram 4 dias preso na barraca, nevando quase sem parar. De vez em quando precisava sair para afastar a neve com o piolet, pois ela já estava comprimindo a barraca. Eu tive que "racionar" o único livro que eu tinha em mãos, estabelecendo o número de páginas que poderia ler por dia, para não ficar sem nada para fazer (além disso, eu ouvia música e derretia neve para fazer água).

No terceiro dia de minha "prisão domiciliar" o tempo começou a esquentar, apesar de não parar de nevar. Eu interpretei isso como uma possibilidade de mudança de tempo e resolvi me preparar para um ataque ao cume na madrugada.

Acordei às duas e meia da manhã e estava nevando. Cochilei mais uma hora e olhei para fora novamente: havia algumas estrelas no céu! Então, resolvi partir para cima. Quatro e pouco da madrugada saí. A neve acumulada chegava até o joelho e, com muito esforço, subi pelo glaciar, até que percebi que havia alguma coisa estranha. Era a visibilidade que estava cada vez pior. Ao apagar a lanterna para enxergar a silhueta de umas rochas no alto do glaciar percebi que não dava para ver mais nada: uma nova tempestade estava se formando!

Desci rapidamente e, quando cheguei à parte baixa, o vento e a neve que caía já haviam apagado minhas pegadas e não era possível enxergar mais do que 3 ou 4 metros. Lembrei-me do episódio do livro "No ar rarefeito", onde as pessoas passaram a noite ao relento no colo sul do Everest, a poucos metros das barracas, debaixo de uma tempestade. Mas eu havia me prevenido e ligado meu GPS antes de sair, o que me permitiu localizá-la sem problemas.

Eu tinha somente mais um dia para o tempo melhorar, já que no dia seguinte teria que descer. Meu quarto dia no acampamento avançado começou ainda mais quente que o anterior. Parecia que a camada de nuvens estava cada vez mais fina, refletindo o calor do sol em cima do glaciar.

Aconteceu, então, um fenômeno de inversão térmica que eu nunca havia visto. A temperatura começou a aumentar após meio-dia: estava 32 graus dentro da barraca, de repente passou para 36, 38, 40 graus! E nevando lá fora. Não dava para sair, o jeito era tirar a camisa e curtir o calor. Aproveitei para tomar um sorvete liofilizado que eu havia levado (é sério, não é brincadeira). Mas, apesar disso, não parava de nevar...

O tempo só abriu às 18h, desta vez para valer. O problema é que não haveria tempo para a neve acumulada derreter. Eu sabia que teria neve pelo joelho dali até o cume. Mas iria tentar assim mesmo. Outra preocupação era com o vento. Por analogia com minha experiência no Aconcagua, depois de vários dias de tempo ruim o céu azul traz ventos fortes. Só depois de uns 3 ou 4 dias é que chega a janela de tempo bom para o ataque ao cume.

Acordei às 3 da madrugada e estava bastante frio, por isso resolvi ficar mais um tempo na barraca e sair um pouco mais tarde, para ficar menos tempo exposto às baixas temperaturas. Mas às 03h30min não resisti: coloquei a cabeça para fora da barraca e vi um tapete de estrelas no céu. Aparentemente, não estava ventando muito. Vesti-me rapidamente, tomei meu café da manha padrão, sucrilhos com leite quente, biscoitos e frutas secas, e, pouco depois das 4 horas, parti para minha última oportunidade de ataque ao cume.

Mais uma vez subi o glaciar com neve até os joelhos. Não havia mais rota definida para subir a montanha, o jeito era fazer um ziguezague e procurar alguns lugares onde havia um pouco de cascalho misturado à neve, que congelava e formava uma camada de gelo menos fofa. Consegui subir uns 600 m em três horas, dentro da média de 200 m por hora que eu havia estabelecido. Seria um ataque longo, de 1600 m de desnível, e o objetivo era fazer o cume em 8 horas.

Apesar do tempo aberto, a noite estava escura. Como estava sozinho na montanha e a neve cobriu tudo, tinha que descobrir a rota por conta própria. Alcancei a crista no alto do glaciar e comecei a subir mais um lance de neve extremamente fofa, até os joelhos. Percebi que o vento estava cada vez mais forte, já estava parecido com aquele que pegamos no Cerro Plata no ano passado. Mas estava suportável, pois eu estava muito bem abrigado e não estava me incomodando muito.

Ao amanhecer alcancei outra aresta, próximo de um local conhecido como La Hoyada. Já estava a mais de 5800 m e ainda teria uns 900 m para o cume. Foi quando eu peguei o pior vento de minha vida, nunca vi nada parecido. Era uma crista bem exposta e o vento soprava para fora da montanha. A neve fofa converteu-se em uma vantagem, pois me permitia ficar imóvel para suportar as rajadas. Percebi que, se soltasse os bastões, eles seriam carregados. O barulho do vento era realmente assustador, parecia um grito.

De repente, algo inconcebível aconteceu: o vento arrancou meu gorro junto com minha headlamp. Eu havia comprado os dois na Bolívia e viajei para o Mercedario sem experimentá-los. Estavam bastante apertados na cabeça e eu estava reclamando por isso, por não tê-los experimentado antes. Mesmo assim o vento os arrancou, debaixo do capuz de minha jaqueta. Por sorte, a lanterna caiu na neve e consegui recuperá-la. O gorro se foi...

Ainda tentei subir mais alguns metros, mas vi que seria impossível enfrentar aquele vento. Como o vento soprava para fora da montanha, até para descer estava difícil. Eu jogava meu corpo para frente e ficava parado, era como se tivesse alguém me sustentando no ar. O pior é que eu não podia largar os bastões ou tirar as luvas para pegar meus óculos de neve, sob o risco de saírem voando. Já havia amanhecido e a claridade estava me incomodando muito. Com muito custo comecei a descer e só depois de bastante tempo é que consegui, já na parte baixa do glaciar, sentar e colocar os óculos.

Cheguei à barraca e tentei cochilar um pouco, mas o vento não me deixava dormir. Eu olhava para a crista da montanha e via o "viento blanco" em ação, levantando neve e gelo a muitos metros de altura. Quando vi que seria impossível dormir e abri os olhos, percebi que havia uma névoa dentro da barraca. Na verdade, era minha vista que havia sido afetada pelo vento e pela claridade, durante o período que fiquei sem os óculos. Fiquei usando óculos dentro da barraca e meus olhos só foram melhorar umas duas horas depois. Resolvi descer a montanha neste mesmo dia e, às seis horas da tarde, cheguei ao refúgio.

Mesmo sem ter feito cume foi uma experiência fantástica. Fiquei 8 dias em uma montanha imensa, absolutamente sozinho, tendo que descobrir tudo e tomar as decisões me baseando somente em minha experiência. Voltei fascinado com a região.

O Mercedario fica em uma cordilheira chamada Ramada, que possui outros três picos com mais de 6000 m. Ao lado desta cordilheira está outra, chamada Ansilta, com vários picos acima de 5000 m. É uma região muito pouco explorada com inúmeras possibilidades de ascensões, inclusiva para a abertura de novas rotas. Barreal, por sua vez, é uma vila bastante agradável, situada a 1700 m de altitude.

Lá é bastante quente no verão e é possível intercalar as escaladas com um descanso em alguma pousada, curtindo o calor em uma piscina. Os preços são bem mais baratos do que em Mendoza e lá não precisa pagar permissão de escalada. Tem tudo para ser tornar um "point" de alta montanha. Eu recomendo muito!

Marcelo Delvaux

:: Para ver mais fotos




Publicidade:


Publicidade

Publicidade