Urubici - AltaMontanha.com - Portal de Montanhismo, Escalada e Aventuras
Wilson Rulka

Urubici


Aventura de:

Mês de setembro prometia. Sete de setembro, menos de um mês e meio antes do feriado eu me encontrava no Caratuva em uma das noites mais frias que já tinha passado dentro de uma barraca. Jerry estava com a gente, e jogou a idéia de irmos pra Urubici no feriado de sete de setembro, e o Bold já teve a idéia de irmos de Kombi até lá. Sete cabeças rodando mais de 1.100 km no feriado, seria muito loko, e fomos concretizando a idéia até setembro.

A idéia era de alugar a Kombi, mas aonde? Dias de ligações pra tudo quanto é lado, achamos, fechamos o preço pra cada, e já começou a desistência rsrs, como sempre. Ainda iríamos em seis, mas já faltava três dias pro feriado, e fomos alugar a Kombi... adivinha: mais ninguém tinha pra alugar pro feriado, legal e agora? Contornando mais um problema, tínhamos um carro e duas motos, vamos então, e agora mais uma desistência, agora só um carro e uma moto, beleza vamos revezando na moto e quatro no carro.

Vésperas do feriado, já com mochila pronta, só faltando comprar o rango, e o feriado foi justo na semana que nevou em Urubici, saiu na TV, e em tudo quanto é lugar, o que gerou motivo de mais duas desistências faltando apenas de 8 horas pra saída, agora fudeu! Katiele, que era umas das pessoas que mais queria ir e dona do carro, fez umas das frentes mais legais que eu já vi “eu não vou, mas vocês vão. Podem ir com o carro.” “Huhuhu!!!”.

Agora éramos apenas Eu, Bold e Small. Ficamos meio assim de ir com o carro da Kati, mas já estávamos todos prontos, só faltava o mercado, e resolvemos ir. Acordamos cedo: quatro horas da manha já estávamos na BR-101 sentido sul de Santana Catarina. Agora eu estava no quente dentro do carro imaginando o frio que estaria em cima da minha Titanzinha na madrugada fria. Tomamos café da manha no Siluelo (muito bom o café da manha de lá, recomendo). 07h30minh da manhã já estávamos em Florianópolis. Uma parada e seguir em frente mais 170 km, agora já em direção ao interior de santa Catarina. Às 10h30minh da manhã estávamos chegando em Urubici e seguimos as indicativas das placas de trânsito.

Nosso destino do primeiro dia era o Cânion do Espraiado. Paramos na cidade pra comprar o que tínhamos esquecido em Curitiba. A previsão que era de chuva pra todos os dias, já no primeiro estava errado, céu mais azul impossível! Na cidade encontramos conhecidos, minha irmã e meu cunhado, Dumdum e um pessoal que estava com eles, alguns meus conhecidos também, que cruzaríamos também já lá no Espraiado. Agora sim, saindo da cidade sem luxo durante as 72 horas seguintes, fomos até aonde o carro poderia chegar, cruzamos a pedra da águia, uma bonita formação rochosa, e arrumamos as mochilas nada leve pra ninguém. Muita coisa não coube dentro das mochilas, principalmente as blusas, porque viríamos em busca do frio, neve, também junto com as belezas naturais, já que na noite anterior à nossa chegada tinha nevado. A caminhada no começo era leve junto ao rio canoas que e uns dos principais afluentes da bacia do rio Uruguai, Altas fotos, começamos a subir (e que subida), paramos poucas vezes pra descansar e tirar fotos.

As 16h nos encontrávamos no Cânion. Agora tínhamos que achar um lugar pra armar as barracas, pois o terreno de lá é muito úmido e muito exposto ao vento. Suamos em uma hora pra achar um lugar, e conseguimos um cinco estrelas, até com cozinha abrigada do vento e lugar pra duas barracas. Foi só parar de fazer alguma coisa que já tivemos que colocar as blusas soft e nossas parcas, ja comessava a esfriar e muito.

Caminhamos até uma extremidade do Cânion, e na volta fomos contemplados com a lua linda e cheia nascendo atrás dos morros. Famintos e sem uma refeição quente desde o café, fomos pra “cozinha”. Agora era o nosso maior medo fazer a comida no álcool naquele frio... seria uma tarefa um pouco difícil, mas demos um “jeito brasileiro”, e o sopão ficou fumegante, espantando qualquer frio. Curtimos o relento só com os olhos desprotegidos do frio, e fomos dormir.

Acordamos na esperança de ver neve, mas sem chance, o dia no nasceu nublado. No segundo dia planejávamos caminhar por onde desse em torno do Espraiado. Esse dia foi muito legal. Muitas fotos, o vento era muito intenso, deu pra zoar um monte, e também vi um pinheiro que foi “vítima” do vento: seus galhos nasceram todos retorcidos só para um lado uma visão bem engraçada, e curiosa.

À tarde, de volta ao acampamento, paramos em cima da cachoeira do Espraiado (em breve, quem sabe um rapel) e aquela vontade de entrar na água gelada, mas ninguém se arriscou. Fomos dar mais uma volta, agora do outro lado. Na volta encontramos o pessoal de Curitiba, minha irmã, cunhado... tiramos uma foto juntos.

O visual da noite foi inesquecível! Depois de comer uma macarronada, fomos ate a borda do Cânion. A noite era nublada. Vimos uma parada que contando quase ninguém acredita: as nuvens que vinham carregadas e relampeando do planalto chegavam à borda do Cânion e se dissipavam, virando bruma e tornando o céu límpido com muitas estrelas, e a lua voltou a nos clarear com sua magnitude.

Como a previsão era de chuva e frio, já tinha passado dois dias somente de frio, mas na manhã do terceiro dia veio a chuva, lá pelas quatro da manhã até as 09h30minh. Arrumamos as coisas e partimos. Hoje queríamos conhecer a Estrada do Corvo Branco, que fica cravada na rocha. A caminhada de volta até o carro foi assim: coloca blusa, tira blusa, escorrega, levanta, e vamos embora.

Chegamos à Estrada do Corvo Branco (é quase impossível acreditar que o homem construiu aquela estrada: fica literalmente cravada na rocha e à beira do abismo), tiramos mais fotos, e saímos em direção à cidade. Antes da cidade, decidimos ira até o morro da igreja, lugar mais alto habitado do sul do Brasil, mas não deu pra ver muita coisa porque o tempo já tinha fechado.

Esta última noite ficamos perto da cidade, no recanto “Arroio do Engenho”. Arrumamos as barracas, e à noite fomos jantar na cidade. Fomos a um rodízio de pizza. Depois da janta, fomos ate um mirante que dá pra ver a cidade inteira, e altas fotos, e a lua voltou a nos prestigiar.

No quarto e ultimo dia, tomamos café na cidade, e fomos até a cachoeira do Avencal, curtimos um pouco e fomos embora. No recanto almoçamos e fomos às duas cachoeiras, de mais de 70m, que fica no próprio recanto. De novo altas fotos.

Mas agora fica só na lembrança. Era hora de pegar o carro e partir 470 km rumo à nossa casa. Nessa viagem só faltou a neve, mas fica para a próxima.




Publicidade:


Publicidade

Publicidade