Caminho dos Ambrósios: Do Garuva ao Monte Crista - 1a Parte - AltaMontanha.com - Portal de Montanhismo, Escalada e Aventuras
Trekking

Caminho dos Ambrósios: Do Garuva ao Monte Crista - 1a Parte


Aventura de:

Muitos foram os caminhos coloniais utilizados pelos primeiros colonizadores europeus pra vencer a distancia entre o litoral e o planalto curitibano. Dentre eles, o “Caminho dos Ambrósios“ (ou “Caminho das Três Barras“) foi um dos mais utilizados e, coincidentemente, um dos menos conhecidos. Iniciando na Baia de Babitonga (SC), corria por entre a sinuosidade escarpada da abrupta Serra do Mar catarinense através de ardiloso calçamento de pedras ate alcançar o alto do místico Monte Crista, pra dali prosseguir pelos campos altos em direção noroeste. E foi esta a vereda histórica q resolvemos palmilhar no sentido inverso, emendando também a subida ao Pico Garuva. O resultado é uma travessia de 3 dias árduos q une a beleza cênica natural nos planaltos e Campos do Quiriri, a verdejante Mata Atlântica de encostas e riachos encachoeirados com o encanto de vestígios de um caminho histórico ainda preservado, nesta região isolada e selvagem na divisa dos estados de SC e PR.

Desta vez o péssimo humor de São Pedro em td região sudeste foi o responsável de nossa debandada pro sul neste final de ano. Não q lá estivesse melhor e sim "menos pior". Q fosse, pois era a deixa pra retornar e dar vazão à novas explorações de uma serra q havia deixado aquele gostinho de "quero mais" na nossa ultima incursão em outubro, a Serra do Quiriri. Com td meio q planejado às pressas, num piscar de olhos eu, Laure, Mamute e Roberta nos vimos rasgando a madrugada de Sampa por uma Regis Bittencourt (BR-116) incrivelmente deserta, o q era bom sinal. E logo começarmos a descer a serra rumo litoral e alcançarmos a divisa estadual de PR-SC, onde já devíamos atentar ao nosso destino final. Até ali o tempo mostrava-se generoso demais, siluetando os contornos escarpados da verdejante e grandiosa Serra do Mar catarinense.

SUBINDO O GARUVA
Após trocar a BR-376 pela BR-101, não demorou mto a chegar à pacata Garuva, por volta das 9hrs, já tomando a curta estradinha de terra na "Casa de Pedra", à direita do asfalto. Simplórios casebres perfilados com arquitetura típica sulista denotam q aqui estamos na "perifa" da cidade, mas independente disso foi aqui mesmo q largamos o veiculo. Difícil foi dar os últimos retoques e ajustes em nossas respectivas cargueiras, principalmente pelas insistentes "boas-vindas" de um pulguento local como tb dos inconvenientes borrachudos, q proliferam aos montes nesta época do ano.

Iniciamos oficialmente a pernada logo em seguida, as 9:15, com o GPS do Mamute marcando exatos 70m de altitude. Da estradinha bastou cruzar por cima das pedras o manso Rio da Onça, e dali simplesmente tocar pra cima, em suave aclive. O tempo não poderia estar melhor: a nebulosidade parcial no firmamento permitia enormes frestas de céu azul, q por sua vez lançavam vigorosos raios solares realçando o tom verde-escuro das montanhas a nossa frente. O Garuva nos desafiava com seu almejado cume, acenando ainda a mais de mil metros sobre nossas cacholas.
 ,
Após um trecho sem gde desnível e passando por baixo de torres de alta tensão, deixamos o aberto pra mergulhar finalmente na mata fechada. A estradinha há mto tempo já havia dado lugar para uma picada, q agora se alternava numa pequena vala e um rabicho de trilha, entremeada de charco e brejo. Entrar na mata fechada sempre foi sinônimo de "frescor agradável", desde q não seja verão, claro! O forte calor abafado era quase palpável, nosso passo era lento e não tardou para tds ficarem ensopados de suor! Além do mais, já de cara esbarramos com 2 (sim, duas) jararaquinhas na trilha, o q nos fez redobrar a atenção onde pisávamos! Contudo, a subida prosseguiu suavemente, apenas atentando a duas bifurcações no caminho (esquerda e direita, respectivamente), sempre tendo audível o som do Rio da Onça ao nosso lado, escondido no fundo do vale.

As 10hrs encontramos um tronco caído q sinaliza a bifurcação pra Cachu da Onça, à direita, à qual se chega após descer uma curta, porem íngreme e escorregadia piramba. Claro q isto não foi empecilho pra nos tirar o luxo de molhar nossa goela, encher os cantis e refrescar nossa cachola com água pura e cristalina! Eu ainda tive o "privilegio" de dar um tchibum "forçado" nos poços do Rio da Onça, escorregando numa pedra e ganhando um machucado no cotovelo q me incomodou o restante da trip.

Revigorados, prosseguimos a pernada justamente no trecho onde a subida de fato aperta, sempre avançando através de uma crista obvia e com mato caindo para ambos os lados! Com a declividade aumentando consideravelmente, as pirambas seguintes foram sucessivamente vencidas com ajuda constante das mãos, q buscavam se agarrar a qq galho, tronco ou agarra disponível, enqto os pés fincavam-se firmemente no emaranhado de raízes q brotava do chão! Cuidados mais q redobrados, pois alem da altura vencida, o trajeto estava repleto tanto de buracos e gretas escondidos como de lances de chão-falso, onde uma cobertura densa de folhas apoiava-se traicoeiramente sobre raízes próximas. As paradas pra retomada de fôlego são constantes, porem breves, pois nuvens de pernilongos não nos dão trégua de descanso. Ainda assim, as meninas agüentaram o perrengue firmes e fortes!

As 13hrs fizemos um breve pit-stop com direito a lanche numa "grutinha" formada por enormes pedras desmoronadas no meio da trilha. O local foi mais q bem-vindo, pois o frescor em seu interior deu breve trégua ao calor abafado da mata, q lentamente nos ia consumindo. Enxotados do local por nuvens de mosquitos q mais pareciam praga bíblica, demos prosseguimento à nossa escalaminhada em meio de enormes pedras, exatamente no momento em q as nuvens cobriram o céu e começou a chover fino sobre a mata.

Emergimos da mata as 14hrs, desembocando numa enorme clareira com restos de fogueira e alguma sujeira. A partir daqui, na cota dos 986m, a picada percorre uma campina pra novamente mergulhar na mata, sempre galgando cristas sucessivas. O calor abrandou consideravelmente, pois enqto avançávamos íamos enxugando a mata no caminho, e algumas frestas na mesma possibilitavam apreciar no alto o nosso destino cada vez mais próximo!

Dessa forma, após nos espremer por emaranhados de raízes, troncos e bambuzais, serpentear enormes blocos desmoronados, escalaminhar novas pirambas e bordejar este último trecho de encosta, deixamos a mata pra ganhar finalmente o campo aberto do selado q une o Pico Garuva ao Pico Jurema (1229m), montanhas irmãs formadas pelo contraforte da Serra do Quiriri! Daqui bastou tomar à direita e acompanhar a trilha subindo na campina. Olhando por sobre o ombro observávamos a estreita e recortada crista unindo as duas montanhas, pra logo densas brumas cobrirem em definitivo a paisagem! E logo atingimos o alto dos 1292m q representam o cume do Garuva as 16hrs e desabamos no chão, exaustos! Visu q é bom, nada, uma vez q a essa altura estava bastante encoberto, porem a chuva já havia cessado fazia tempo! Mal víamos uns aos outros, tão fechadas as nuvens, formando um tapume cobrindo os demais picos elevados do Quiriri. Afinal, a região é um dos anteparos das nuvens que deixam o litoral, e raras são as possibilidades de se chegar o topo com visual total e desimpedido.

O som de estrondosos ribombos no céu nos lembrou q ainda não era hora de parar. Poderíamos ter acampado ali, mas o local era demasiado exposto e fortes ventos fustigavam a montanha! Imagine aquilo lá com uma chuva torrencial? Por isso, retomamos a pernada, descendo campinas sucessivas em busca do vale mais próximo e protegido, de preferência com água pro pernoite. Perdendo altitude gradativamente em meio ao nevoeiro e cruzando pequenos trechos de arbustos e jardins de bromélias, estacionamos em definitivo numa encosta não mto íngreme do lado de um vale, as 18hrs. Na cota dos 1145m, o local era perfeito: coberto de capim ralo, não mto inclinado e próximo de água!

Montamos as barracas no exato momento em q o tempo começou a abrir, pra dar seqüência ao ritual de preparo da janta no aberto! Mas como o tempo no Quiriri é imprevisível, uma breve chuva de verão voltou com força nos obrigando a preparar o rango no interior das barracas, deixando as mesmas parecendo autenticas saunas secas somando-se o calor abafado local! Mas assim q a chuva passou pudemos respirar aliviados e degustar nossos suculentos miojos e nhoques ao ar livre, já sentindo a brisa típica q prometia o dia sgte ser de bom tempo! Mergulhamos no mundo dos sonhos bem antes do manto negro noturno se debruçar sobre o Quiriri, o q ocorreu após as 20hrs. Choveu consideravelmente e esteve frio durante a noite, mas nada q prejudicasse nosso merecido e aconchegante descanso após um dia extenuante como aquele.

ACOMPANHANDO O RIO TRÊS BARRAS
Dito e feito, o dia amanheceu radiante e sem vestígio algum de qq nuvem no céu! Animados, prontamente arrumamos nossas coisas enqto garfávamos nacos de nosso desjejum! Assim, pusemos pé-na-trilha as 8:15, já descendo ate o fundo do vale onde abastecemos os cantis, embora água não fosse problema durante o resto do dia.
Subimos o morrote seguinte sem pressa sempre acompanhando rastros de picada q fossem no sentido desejado, isto é, pro oeste. No alto, parada pra fotos diante do belo panorama q se apresentou: campos e mais campos ondulados à oeste, montanhas enormes, ao norte, o espelho d´água da Baia de Babitonga ao sul, e as cumieiras do Garuva e Jurema dominando a paisagem à leste! Depois prosseguimos em direção à oeste, subindo e descendo suavemente, acompanhando a crista abaulada dos campos sgtes, cuja beleza era realçada pela incipiente iluminação matinal! Passamos por córregos cristalinos, bordejamos pequenos morrotes e desviamos de blocos enormes de rochas solitárias no campo, cujos pastos floridos dançavam ao sabor do vento!

Alcançamos então um ponto onde a picada começou a desviar pro norte, e pudemos divisar ao longe o Morro da Antena, pequenino, espremido pelas montanhas e campinas q o antecediam! Entretanto, nosso destino não era naquele sentido e sim pro oeste, onde nosso avanço era "obstruído" pelas pirambas íngremes de uma nova montanha. Bem q tentamos acompanhar picadas q a contornavam tanto pelo sul como pelo norte, mas vendo q logo depois as mesmas sumiam aliado à incerteza diante do terreno q depois se apresentaria cobriu de razão nossa decisão a seguir: subiríamos a montanha ate o alto e lá estudaríamos o trajeto sgte com mais precisão!

A subida da montanha foi lenta e vagarosa, ora em linha reta ora em ziguezague, sempre no aberto e sem trilha! Mamute ia na frente observando atentamente os ptos do GPS enqto as meninas iam atrás, ofegantes, a passo de "lesma paraplégica"! E eu ia no meio, apenas apreciando as vistas e horizontes q se abriam a medida q ganhávamos mais a mais altitude, com destaque pro rastro percorrido ate então deixado na vastidão das campinas, cercado pelas imponentes montanhas ao redor! O ultimo trecho antes do cume era dominado por imensos blocos de pedras q bastou desviar pela direita.

Atingimos o alto dos 1335m da montanha as 10:30, onde desabamos no pasto e nos presenteamos com um breve momento de descanso e lanche! Estávamos no pto mais alto da travessia, provavelmente a Pedra do Urubu (ou do Lagarto, sei lá), e mesmo com nuvens marotas ameaçando cobrir a paisagem pudemos tanto nos encantar com a paisagem q se descortinou como estudar o rumo a seguir! À sudoeste pudemos ver perfeitamente os campos ondulados formarem uma quase crista no rumo desejado e era pra lá q devíamos ir. E foi o q fizemos, subimos e descemos suavemente através da campina sem gde perda de altitude ate q reencontramos vestígios da vereda q vinha do norte, provavelmente da Fazenda Quiriri, aquela próxima do Morro da Antena! Ou seja, estávamos no rumo certo!

A pernada prosseguiu sem gdes problemas principalmente à gde habilidade do Mamute com seu aparelhinho, q complementava nossa navegação visual qdo as nuvens cobriam a paisagem! Dessa forma atravessamos vastas campinas, topamos com as nascentes do Rio Três Barras e cruzamos poucos capões de arbustos, sempre nos mantendo em nível e eventualmente bordejando morros maiores pela encosta direta. Assim caímos numa larga crista de pasto q bastou acompanhar na direção sul, tendo fundos vale de ambos os lados, onde o ruidoso Rio Três Barras ganhava cada vez mais e mais volume!

Continua...

Texto e fotos: Jorge Soto
 ,



Publicidade:


Publicidade

Publicidade