A 3º placa do Ciririca - AltaMontanha.com - Portal de Montanhismo, Escalada e Aventuras
A escondida

A 3º placa do Ciririca


Aventura de:

Em 2003, quando descia as encostas vertiginosas do Ibitirati, inaugurando a Face Leste do Pico Paraná, algo me chamou a atenção. Uma pequena figura geométrica, retangular, brilhante, ao longe. Lembrava algo familiar, e observando mais cuidadosamente, notei com espanto ser parecida com as insólitas placas do Ciririca - Mas que diabos é isso? - Me perguntei.

A visão se fez presente durante a caminhada nos campos, sempre lá, solitária, misteriosa, e intrigante. Depois adentramos a mata, e apareceram as paredes. Nos entretemos com rapéis, e outras roubadas interessantes, mas a imagem não me saiu da cabeça. Exatamente na mesma época, um ano depois, voltamos a repetir a Face Leste, e de novo o objeto atrai o olhar. Mostro para os amigos Julio e Paulo, que também não acreditam no que vêem. Desta vez já estava com uma câmera digital, e usei o zoom para confirmar as suspeitas. Agora não havia dúvidas. As irmãs do Ciririca na verdade são trigêmeas, e não gêmeas como acreditávamos. Próximo passo é descobrir a localização exata, e planejar uma investida de reconhecimento a ovelha desgarrada. A travessia terminou, o tempo passou, e o plano caiu no esquecimento.

Oito anos se passaram, e um sonho ainda mais antigo volta a tona: A Alpha Crucis. Durante o planejamento da travessia, comento com Jurandir Constantino sobre a existência da placa, que de inicio achou que eu estava de brincadeira. Naqueles dias, por mera curiosidade, me debrucei sobre cartas e Google Earth para tentar descobrir sua localização aproximada. Por infortúnio, exatamente na região devia estar, o software não dispunha de imagens com Alta definição, impossibilitando qualquer identificação visual, como ocorre com as placas do Ciririca, que são definíveis. A solução foi tentar de outra forma.

Conhecendo um pouco de radio freqüência e antenas, e sabendo que as placas são deflexão para abrir comportas, notei que da usina Parigot de Souza não há contato visual pro Ciririca. Então o sinal enviado teria que rebater em outra placa mais alta, para só então seguir viagem até as outras. Sabia onde estava a usina, e a placa do Ciririca. Então só restava encontrar uma colina onde o ângulo de incidência fosse o mesmo de reflexão, e provavelmente a 3ª placa estaria hospedada lá. Encontrei uma, e para comprovar a teoria, fui até seu cume (pelo Google Earth, claro), e inclinei o plano para ver se dava contato visual pros dois lugares ao mesmo tempo. O resultado foi positivo.

Semanas depois, em 28 de junho de 2012, partimos pra Alpha Crucis. Dois dias depois, estávamos descendo as pirambeiras medonhas do Pico Paraná pro Tupipiá. Novamente avistamos o fantasma brilhante da placa que parecia nos chamar. Jurandir chegou a dizer: “Não é que ela existe mesmo!”. Desta vez foi amplamente fotografada, e o pacto de chegar lá após um descanço da travessia, foi firmado. Finalizamos a Alpha Crucis uma semana depois no Morro do Canal. O final de semana seguinte foi destinado ao merecido descanso, mas no inicio da semana seguinte, uma frente fria entrou trazendo dias úmidos e gelados. Atrás destes, quase sempre vem dias secos e estáveis, que cairiam no final de semana.

Para evitar que o pacto novamente virasse lenda, e que mais uma década se passasse até a próxima visão, decidi agir. Disparei email pra galera convocando para a investida, mas fiz mistério, até porque pra mim mesmo não deixava de ser. Não sabia onde era a entrada, nem tão pouco se nos deixariam passar na usina, ou propriedade particular. No fim das contas, ninguém se interessou além do Jurandir, que já devia imaginar o que era, e também porque depois da Alpha Crucis, não temia mais encrenca alguma. Até o dia de ir, tive tempo pra olhar as imagens atentamente. Observei rios, linhas de alta tensão, e outros pontos de referências. Misturei tudo e joguei em cima das cartas no trackmaker. Surpreendentemente, a conclusão foi a mesma que já havia chego usando o outro método, totalmente diferente. Agora era jogar pro GPS, e ver no que ia dar essa sopa na prática.

Como um tributo a vagabundagem, a conveniência, e avesso ao que foi a Alpha Crucis, a hora escolhida para partir foi 10h da manhã. Mas este abuso pode ser justificado. O cata-osso pra Bairro Alto era às 7h, e o seguinte, 12h. Já o primeiro bonde de Curitiba pra Antonina, também às 7h, mas não adiantava ir nele e ficar das 8:30h até meio dia esperando o outro. Então sincronizei para chegar lá 11:45h. Jurandir já me aguardava, juntamente com o latão. Partimos logo depois, e seguimos enfeitiçados pela visão das montanhas a oeste. No vilarejo antes da usina, saltamos. Na mercearia perguntamos sobre a tal placa metálica, mas era desconhecida pelas três pessoas que estavam lá. Então falei sobre a estrada que vi na carta, e que devia estar 50 metros para trás. O balconista disse que certamente nos levaria a uma propriedade particular, do Seu Dego, e completou dizendo meio ressabiado que não sabia se nos deixaria passar. Isso preocupou um pouco, e mais ainda quando recomendou cuidado com os cachorros que deviam estar soltos.

No caminho, perguntei pro Jurandir se estava pronto pra procurar uma entrada alternativa, o que significava levar mato no peito - Estamos aqui pra isso! - Respondeu seguro e sem preguiça alguma. Chegando na porteira, que estava com meia folha aberta, tudo estava muito calmo. Ao bater palmas, a cachorrada surgiu ensandecida. Na turma, tinha um pastor alemão. Comentei: Fodeu! A impressão que dava, era que vinham pra morder, mas não demonstramos medo. Quando chegaram mais perto, insinuei um agrado, que foram bem aceitos. Bicho sem vergonha. Na mesma hora avançou direto com as patas cheias de lama direto na minha camiseta amarela, deixando sua marca.

Mas antes marcas de patas do que de dentes, e a primeira negociação estava feita com sucesso. Da varanda da casa, um senhor acena pedindo que entrássemos. Era o Seu Dego. Facão na cinta, jeitão de bravo. Cumprimentei e fui logo explicando a razão da visita inusitada. Mas porque querem chegar nessa placa? Demos uma resposta satisfatória, e depois mais meia dúzia delas pras perguntas seguintes. Tempos atrás, disse ele, esteve um pessoal aqui. Entraram pro mato e foram até a cachoeira. Vou mostrar pra vocês!

Estão foi pra dentro e voltou com uma foto de 30x40, duma bela cascata. Continuou dizendo que estava a procura da pessoa que fez a foto, pois queria o negativo pra fazer uma ampliação para um quadro. Me comprometi com Seu Dego, em tentar descobrir o autor da foto. Num momento ele disse: Estão vendo este caminho? Sigam por ele até o final que vão chegar onde querem! Ahh... Os cachorros vão atrás, completou rindo. Sem problemas, disse, precisamos de guias mesmo! E lá se fomos felizes da vida com os três novos amigos bagunceiros.

O caminho segue plano nos primeiros 20 minutos, enlameado, e margeando o Rio Santa Rosa, que num momento apresenta uma pequena cascata e uma bela piscina de águas cristalinas. Mais a frente, começa quebrar para esquerda e subir levemente, de inicio. Quando a inclinação aumenta, faz zig-zags. Os cachorros conheciam tão bem isso, que o cortavam direto pela encosta, e nos esperavam nas curvas de nível acima. Caminho belíssimo, que lembra a estrada da Conceição quando era fechada. Assim foi desde a cota 100 até a 350m. Em menos de uma hora, uma janela clara na mata e o chão aplainando, é um aviso que estamos chegando.

De súbito se abre o visual, e num estado já comemorativo, nos deparamos com aquilo que há anos nos parecia apenas uma miragem. Ali estava ela, no estado mais sólido possível, diante dos olhos, ao alcance das mãos, e com todo o colosso intimidador do Ibitiraquire ao fundo. Focamos o olhar em suas distantes irmãs, que nasceram juntas, mas que sempre se virão apenas de longe. Nossos guias sabiam que ali era o ponto final, e se esparramaram a sombra retangular da estrutura. Nós sem perda de tempo, demos trabalho pras câmeras como se o mundo fosse acabar dali a pouco. Procuramos todos os ângulos até a exaustão, e não economizamos cliques. Em pouco tempo, não sobrou mais opção a não ser escalar metal para completar o serviço.

Confortavelmente sentados na borda superior, muita contemplação, e pouca pressa. Depois um desce pra fotografar as acrobacias do outro. Jurandir brinca com o perigo. Tudo vale por uma boa foto. Descemos pro lanche. Mimosa, chocolate, salgadinho. Tudo generosamente dividido com os três amigos vorazes. Ainda havia uma coca-cola e bolacha recheada, que guardamos pra blindar o fim da caminhada. Era 15h e já estava na hora de partir, mas ainda faltava um vídeo. Em dois minutos e meio registramos em 1080p o raro momento.

O retorno foi igualmente tranqüilo e sem novidades. Na fazenda fomos novamente muito bem recebidos, e pudemos conhecer a Dna. Odete, esposa do seu Dego, que nos serviu um delicioso suco de acerola 110% natural. Conversamos muito sobre onças que mataram cães, pássaros, e principalmente palmitos. Contaram orgulhosos que há anos plantaram por toda a propriedade, a perder de vista, e que agora, entram num acordo com o IAPAR pra um plano de manejo a fim de cultivá-los, pois há muito. Também nos contaram sobre o projeto sustentável de produzir o suco da fruta da palmeira Jussara (palmito), que é semelhante ao açaí, com vantagem de ser até mesmo mais saboroso e nutritivo.

Talvez uma ótima alternativa para a salvação da espécie. Conversamos por uma hora ou mais, e as 16:30 partimos com a promessa de retornar em breve a tão hospitaleira residência. Agradecemos ao Seu Dego e Dna. Odete, que nos permitiram adentrar sua casa, sua propriedade, e realizar mais um projeto nessa serra cheia de surpresas fascinantes.

 De volta à estrada, contamos ao comerciante do sucesso na investida, e como ainda faltava quase uma hora pro ônibus, decidimos caminhar rumo à usina como passatempo. No ponto de ônibus, hora do brinde a coca e bolachas. Antes mesmo que terminasse, apareceu nossa condução. As 18h estávamos de volta em Antonina com a missão cumprida. Jurandir entrou no ônibus das 18:30 pra Paranaguá. O meu era 19:50h, e sobrou tempo pra caminhar pela bela e agradável cidade, até a hora regressar pra casa com mais uma historia pra contar.




Publicidade