TRAVESSIA PELO TETO DO CARAÇA - AltaMontanha.com - Portal de Montanhismo, Escalada e Aventuras
Entre vales e montanhas

TRAVESSIA PELO TETO DO CARAÇA


Aventura de:

Jorge Soto retornando a ativa em grande estilo, depois do acidente no Vale da Ilusão, transpõe os picos CANJERANA 1890m e INFICIONADO 2094m no Parque Natural do Caraça – MG – acompanhado pelos amigos Ângelo, Guga, Chiossi, Cleusa e Emilia nos quatro dias do feriadão de Corpus Christi. Texto de Jorge Soto com fotos de Emilia Takahashy

CANJERANA E INFICIONADO: TRAVESSIA PELO TETO DO CARAÇA - Como nossa 1ª bem-sucedida incursão ao Pq Natural do Caraça havia deixado ótimas recordações e aquele gostinho "quero mais", ceder às varias possibilidades c/ q suas cristas e picos nos tentavam, ao sul, era pura questão de tempo.

Rico patrimônio histórico-natural, o Santuário possui construções históricas - um seminário e igreja neogótica - abraçadas por um imponente maciço de quartzito, a Serra do Caraça, um dos poucos lugares do país onde a Mata Atlântica encontra o cerrado à sombra de picos c/ mais de 2 mil metros. Assim, encaramos uma pernada percorrendo td essa crista de serra sentido sul/nordeste, passando pelos cumes do Canjerana e Pico do Inficionado em 4 árduos dias. Isto é, exploramos parte deste Santuário por outro ângulo, menos visitado pelo turismo convencional, mas tão belo, selvagem e imponente qto. por cima.

CHEGANDO NA FAZENDA CAPIVARI - Após valiosa coleta inicial de infos do Ângelo e Guga, à condução providenciada pelo Chiossi, as cartas q eu conseguira, e da Cleusa e Emilia contribuírem c/ promessas de seus dotes culinários, é q veio o planejamento final da nossa audaciosa empreitada, q demorou a ser definido numa extensa troca de e-mails. Disto resultaria outro relato a parte, mas vamos ao q interessa, a travessia. Pois bem, mal chegamos em BH as 5hrs, numa linda manha de quinta, onde a van do Josué já nos aguardava do lado de fora da rodô.

Deixamos a capital mineira ate alcançar a pacata Rio Acima, as 6:40hrs. A partir dali nossas infos eram imprecisas, e após muitas paradas p/ consulta tomamos uma estradinha de terra empoeirada, seguindo o emplacamento "Fazenda Folha Larga" (sentido Itabirito), q lenta e sinuosamente subia a serra, deixando a neblina matinal la embaixo, de onde emergiam apenas os altos cumes recortados naquela massa branca.

Após percorrer um trecho no alto da serra, veio a demorada descida ao verdejante vale sgte, o do Rio Conceição, aos pés da bela Cachu Capivari, q despenca perpendicularmente na serra oposta. Acompanhamos o rio (acima) por poucos kms ate cruza-lo numa velha ponte, pra dali subir td serra novamente. Este trecho, bem acidentado e repleto de cascalho, foi dureza pro veiculo vencer, mas entre sacolejo e mta poeira alcançamos outra vez o alto da serra. Dali em diante era só avançar através de um enorme platozão q descortinou incrível visu de montanhas à leste, o nosso destino. Ate aqui já pescávamos de quase rodar 3hrs no meio de nada e lugar nenhum, por estradas precárias s/ sinalização decente.

Foi ai q, após um punhado de casinhas de sapé - q julgamos ser a tal Fazenda Capivari - resolvemos seguir pela estrada o máximo q desse, de forma a nos deixar o + próximo do imponente maciço da Serra João Pinto, nossa "entrada" pro Caraça pelo sul. Dessa forma, as 10hrs finalmente estacionamos numa humilde fazendinha num local chamado "Casa Nova", perto de Capanema, pelas infos do humilde proprietário. Após beliscar algo, arrumamos as mochilas e colocamos, enfim, pé na trilha, enqto nos despedimos do Josué, q retornava daqueles cafundós sabe-se la como, em meio à morraria maculada por mineradoras, ao sul.

PELOS CAMPOS DE FORA E COMEÇO DE SERRA - Da fazendinha tomamos uma picada ao pé do morro, q bordejamos pro norte em meio ao capinzal ate dar num capão de mata maior, onde corria um pequeno córrego. Daqui em diante começamos a subir o morro varando mato por onde fosse menos inclinado, através do capinzal e das rochas. Na verdade, a serra tinha uma enorme e larga fenda no meio, e por ela q se tinha acesso ao topo e ao planalto sgte, e era pra la q nos dirigíamos. A ralação no mato terminou qdo encontramos uma bem-vinda picada no meio do caminho, q bastou seguir galgando cocorutos rochosos, vencendo assim rapidamente um desnível de 250m.

Ao meio dia alcançamos o topo, onde tivemos um breve pit-stop nos lajedos p/ repor o fôlego e um lanche. Aqui a paisagem já mudara totalmente, os campos rupestres tomavam conta de tudo, ornados de belos jardins de sempre-vivas e canelas-de-ema em meio ao capinzal. Daqui bastou caminhar desimpedidamente pelo pasto na larga crista da Serra da Casa, fazendo uma curva pra Serra do Coqueiro, à leste. À nossa esquerda (abaixo) tínhamos o incrível visu dos Campos de Fora, do Caraça, enormes descampados cortados por vários cursos d’água e muitos poços q cobiçávamos avidamente, dado o calor sufocante daquele horário.

No entanto, nossa intenção era continuar por aquela crista ate onde desse, e alcançar as cristas propriamente dito da Serra do Caraça, bem + adiante. Contudo, nossa caminhada foi logo barrada por um imponente maciço vertical q julgávamos fácil de ser contornado. Estávamos errados, eu e o Ângelo buscamos meio de bordejar seu íngreme paredão pela direita, enqto Guga e Chiossi fizeram o mesmo pela direita, s/ sucesso. Assim, não nos restou opção senão descer aos Campos de Fora e la de baixo retomar a crista q palmilhávamos novamente, logo adiante. Assim, bordejamos a íngreme encosta esquerda do rochoso da Serra do Coqueiro, perdendo altitude lentamente, na diagonal, ate chegar nos Campos de Fora, 200m abaixo.

Dali bastou seguir s/ dificuldade pro sul, através de um descampado de suave desnível, repleto de jardins floridos balançando ao sabor da brisa suave, em meio a charcos e córregos cristalinos, q abasteceram nossos cantis. Não tardou p/ retomarmos nossa inevitável subida de serra onde, aos ziguezagues, fomos dominando seguidos ombros de pasto q nos distanciaram uns dos outros conforme o ritmo de cada um. Particularmente, a subida tb me afetava, visto q estava totalmente parado desde meu acidente no Petar, e agora me arrastava capim acima. Alias, nem deveria estar ali, mas dane-se, se meus ferimentos (em fase final de cicatrização) reabrissem bastava emendá-los novamente.

Ao alcançar a crista bastou serpenteá-la ate a próxima elevação, e assim sucessivamente. Após um estreito selado de ligação veio uma subida forte e extensa, q nos tomou um tempo considerável e muitas paradas pra retomada de fôlego. Mas as 17hrs, enfim chegamos ao alto dos 1730m do primeiro gde pico da Serra do Caraça, onde havia um platozinho arenoso decente em meio a campos rupestres, e q comportava comodamente 4 barracas. E foi la q estacionamos de vez, pra alegria do Guga e Emilia.

O final de tarde c/ seus tons peculiares apenas agraciava o visu panorâmico a nosso redor: a sudoeste, vistas da horizontalidade dos Campos de Fora aos pés da Serra do Coqueiro, a oeste, os recortes silhuetados da Serra do João Pinto, à leste, os tons escarlates de uma enorme zona de mineração maculando o pé da serra, ao norte, a continuidade da crista de serra se elevando em + dois gdes picos - tal qual o dorso de um enorme dinossauro - antes de atingir o Canjerana, e à nordeste, o maciço do Inficionado, ao longe.

O cansaço não me deixou apreciar o belo crepúsculo q se seguiu, clicado pelo resto da galera. E muito menos degustar o delicioso macarrão-pizza q as meninas prepararam p/ janta. Sei apenas q belisquei minha marmita e me encasulei no saco-de-dormir pra não sair + dele, já q estava exausto do dia e cansado pela noite mal dormida no bus. Assim, a noite transcorreu fria e s/ intercedencias, iluminada por uma lua cheia q destacou em tons prateado td paisagem ao redor. E o silencio noturno só era rompido pelo apito do trem da mineradora acima mencionada, ou pelo eventual "ronco de onça" na barraca do Ângelo e Chiossi, ao lado.

VARA-MATO E PERRENGUE NA CRISTA DO CANJERANA - Acordei c/ o burburinho da Clê e Ângelo indo clicar a alvorada, antes das 6hrs, mas meu aconchegante casulo me segurou ate bem depois, perdendo este belo espetáculo. Saí da minha toca apenas qdo os primeiros raios do Astro-Rei alcançaram as laterais da minha barraca, totalmente ensopada pelo orvalho! Alias, tds as barracas estavam nas mesmas condições, razão pela qual perdemos boa parte do tempo estendendo p/ secar td nas rochas do entorno. Ao mesmo tempo beliscávamos alguma coisa, de preferência a seco, nosso precioso liquido já escasseava e estávamos incertos qto encontra-lo na crista q palmilhávamos, e obte-lo tornou-se nossa prioridade matinal.

Começamos a andar as 8:30, descendo pro selado sgte onde felizmente encontramos água cristalina empoçada nas valas onde havia focos maiores de mata. Por sorte não houve necessidade de descer aos Campos de Fora e pudemos nos manter na crista da serra, s/ perda alguma de desnível. Devidamente abastecidos, continuamos serpenteando o alto da serra, ora pelo topo, ora bordejando a mesma, ora espremidos entre enormes blocos rochosos, emergindo no pasto limpo logo adiante, s/ maiores dificuldades.

Vencido o primeiro morro, as 9:35hrs, alcançamos o selado q dá acesso ao imponente Canjerana, de onde sai trilha obvia (perto de um totem) q começa a subi-lo em intermináveis ziguezagues morro acima. E tome piramba íngreme, cujos cocorutos fomos vencendo sob muito esforço ate dar numa precária "estrada" de pedregulhos, quase no alto. A partir dali não deu nem 5min p/ acompanha-la e já estávamos nos 1890m do cume, as 10hrs. O topo é dominado por restos de uma antena e as ruínas de um abrigo abandonado, q dão ao local um aspecto desolador, acentuado pelo chão molhado no seu interior. E foi a beira de uns lajedos q descansamos um pouco enqto avaliamos qual melhor maneira de seguir em frente.

Do topo do Canjerana não há acesso direto à continuação da crista, há q descer pela estrada ate onde a mesma intercepta a dita cuja, 100m abaixo. Mas p/ não ter de retornar td pela estrada, descemos pela encosta menos íngreme ate alcançar a bendita, + abaixo, e dali acompanhá-la ate onde se aproximava da crista outra vez. Aqui deixamos a estrada e varamos vegetação arbustiva ate começar a galgar encostas da crista q almejávamos, na base da escalaminhada, ou melhor, do "escala-mato". Chegando no topo da serra, + uma breve pausa p/ retomada de fôlego e algumas surpresas: a Emilia constatou, indignada, q td água q dispunha havia vazado, eu remediava um extenso ralado (fundo) q levara ao meter a canela numa rocha afiada, e a Clê colocava esparadrapo no calcanhar p/ amenizar o atrito da bota no pé.

E o Guga? Bem, ele buscava motivos pra parar e sentar onde quer q fosse, enqto o Ângelo disparava na frente, tendo como mórbida compania um urubu planando sobre ele. Tentei acalmar a Emilia, dizendo q teríamos água no próximo local de pernoite, mas pouco adiantou porque o ar continuava quente e seco fazendo-nos crer que de fato teríamos problemas com falta do precioso liquido. A partir dali bastou continuar pela crista, descendo suavemente pelos lajedos um tempão ate um largo selado de capim, e seguir adiante pela estreita crista, ora por um lado da encosta ora pelo outro, evitando penhascos, rochedos e, principalmente, mato, cada vez + abundante, num incessante sobe-desce de pouco desnível.

A paisagem agora nos brindava à esquerda c/ o Colégio do Caraça, diminuto pto claro destoando da verdejante natureza q o abraça e salpicado de cachus brilhando ao sol, ao sopé do imponente Pico do Carapuça, e a nossa direita, um visu totalmente oposto, c/ uma gde mineradora detonando td entorno ao pé-de-serra em aterros de areia vermelha.

As 14hrs o sol forte nos obrigou a nova parada p/ descanso e lanche, desta vez a meio-caminho entre Canjerana e maciço do Inficionado, cada vez + próximo. O desgaste, o calor e o nível puxado da pernada tb gerou alguns desentendimentos, mas q depois foram devidamente sanados de cuca fresca.

Continuando a pernada, seguimos pelo alto da serra ate dar num trecho um pouco confuso, o Ângelo queria seguir reto, subir e contornar um enorme morro p/ continuar na crista principal, mas isso não foi necessário pq o Chiossi e Emilia haviam notado um rabicho de trilha se enfiando no mato bem antes do tal morro, e q seguia por um estreito (e longo) selado q era de fato a continuidade da crista principal. E foi por ali mesmo q fomos, varando um pouco de mato ressequido e retorcido pelo vento, ou beirando penhascos, mas tendo sempre rastros da picada sob nossos pés.

Após o selado, tivemos q vencer um ultimo e íngreme cocoruto antes de adentrar de fato na base do maciço do Inficionado. A trilha q subia este cocoruto, porém, estava bem fechada pelo mato, q teimava em se agarrar em nossas mochilas na forma de voçorocas de caratuvas e bambuzinhos, nos obrigando a uma nova sessão de árduo "escala-mato", q deixaram a Emilia e Clê injuriadas! Vencido este trecho perrengoso, vieram dois suaves declives ate alcançar um vasto pré-platô forrado de capim fofo, aos pés do Verruguinha, as 17hrs. E o melhor, perto de um córrego cristalino descendo do maciço, escondido numa língua de mato!!! Claro, foi ali mesmo q desabamos, felizes da vida, e armamos nosso 2º acampamento, pra alivio de nossos combalidos semblantes.

O dia findava rapidamente e logo td estaria imerso em total escuridão, o q apressou o povo no córrego tanto na busca de água como na higiene pessoal, algo q eu ao menos desconhecia ate ali. C/ a noite veio o frio, as estrelas e a fome, vestimos aconchegantes agasalhos p/ espantar a brusca queda de temperatura, o manto negro do firmamento nos cobriu com zilhões de estrelas, p/ deleite do Chiossi, q explicava didaticamente a posição das constelações, e as meninas haviam caprichado c/ esmero no strogonoff c/ arroz e calabreza c/ q fomos brindados, do qual não sobrou nada! Na seqüência tds se entocaram, lógico, desgastados por aquele dia extenuante. A noite, por sua vez, transcorreu tranqüila, embora fria e bastante úmida.

PELAS GRUTAS E ABISMOS DO INFICIONADO - Acordamos as 6 da matina, arrumamos rapidamente as coisas e zarpamos 2hrs após. Não deu nem tempo de secar nada pois o horizonte era obstruído pelo escuro maciço do Inficionado. Ainda assim, saímos atrasados adivinhem por causa de quem? Ganha um doce quem adivinhar... Bem, continuando a pernada, subimos os pequenos cocorutos q se seguiram ate alcançar outro platô, do qual descia um riozinho cor-de-coca-cola em meio aos lajedos encachoeirados, onde o povo quis parar pra tomar um breve café, o q gerou um stresse básico por causa do atraso anterior.

Na seqüência, descemos um pouco pelo rio ate cruzar à outra margem s/ varar muito mato, onde ganhamos novo platô rochoso. Ali avaliamos se valia a pena subir td a montanha q sucedia o Verruguinha (à nossa esquerda) e dali continuar pela ultimo selado ao Inficionado, ou se cortávamos bordejando a montanha à nossa frente e caiamos nesse mesmo selado. Optamos pela 2ª opção, claro q não s/ sua pequena cota de "escala-mato" já logo de cara, após cruzar outra vez o mesmo rio anterior num trecho seguro. Aí bordejamos a encosta da montanha em meio a jardins de flores lilases, orquídeas, pequenas bromélias e canelas-de-emas pipocando nas lacas, nos aproximando o máximo do ultimo selado. Cruzamos pela ultima vez o rio anterior, q agora brilhava em vários tons acobreados favorecidos pela iluminação matinal, e dali galgamos a ultima íngreme encosta à nossa frente, na base do "escala-mato", claro!

No alto deste morrão, enfim, interceptamos a trilha oficial do Inficionado. Alcançar o cume agora era pura questão de tempo. Respiramos aliviados, pois havíamos passado o pior trecho, assim como nos encantamos c/ o visual q se abria a nosso redor, totalmente diferente dos dias anteriores! Era um mundo de pura rocha, gretas, penhascos e abismos q se abria ao nosso olhar! No caminho, vislumbramos o riozinho q cruzáramos umas três vezes la embaixo, cada vez menor sendo encaixotado por enormes muralhas de pedra!

Pois bem, na trilha do Inficionado bastou subir o "escadão" através da aderência dos lajedos, degraus rochosos e alguns trechos q exigiram o auxilio das mãos p/ serem vencidos. Assim, ganhamos rapidamente os 100m de desnível por sucessivos ombros rochosos q nos conduzem finalmente ao amplo e largo cume, no qual andamos ate dar numa obvia área de acampamento, próxima dos 2094m de altitude q anuncia o topo oficial, quase ao meio-dia.

Donos absolutos do cume, largamos as mochilas no chão plano de areia clara de quartzito, retiramos as botas e colocamos todo o equipamento para secar ao sol, alem de comemorar nossa conquista c/ um bem-vindo lanche! Aqui tivemos q tomar uma decisão: como nossa idéia original era alcançar Catas Altas, ela já foi logo pro espaço pq isso demandaria mais 2/3 dias de pernada, tempo q não dispúnhamos. Portanto, ficaríamos ali mesmo e no dia sgte arriscaríamos descer ate o Colégio, na cara-de-pau, como "rota de fuga". Assim, tomamos o resto daquela bela e ensolarada tarde apenas pra explorações, descanso ou simplesmente ficar ali à toa, curtindo o local.

De cara visitamos a "Garganta do Diabo", um precipício de gdes proporções localizado na parte central do maciço, cujo fundo e parede são recortados pelas mesmas fendas, igualmente descomunais! O topo do Inficionado é assim mesmo, repleto de fendas, grutas e abismos, a comparação com um queijo minas td furado e picado é bem oportuna. Na sua beirada norte, o cume é recortado por varias cristas sucessivas, tds c/ formações rochosas bastante peculiares, por exemplo, uma delas tem um furo q lembra perfeitamente a Pedra Furada (de Jeri ou Urubici).

E no meio de uma dessas cristas q se encontra a entrada da "Gruta do Centenário", a maior gruta de quartzito do mundo, à qual só vimos de longe por questões de segurança, já q a mesma tem uma profundidade de 400m! Ali perto tb, numa pequena fenda à beira do paredão esta o "velho abrigo", q é uma toca/grutinha onde cabem comodamente 3 pessoas em caso de mau tempo. Próximo do nosso acampamento havia um mirante, de onde se tem uma panorâmica de td região, desde o topo recortado e rochoso do Inficionado, da imensidão azul do horizonte e dos picos mais próximos dali, como o do Sol (2062m e do Baiano (2018m).

Nisso, eis q surge no cume uma dupla de turistas sendo guiados por um monitor credenciado do parque, o Ramon, com quem tivemos uma animada prosa além de ótimas dicas da região. O Ângelo, por sua vez, foi explorar o extremo norte acidentado do cume e voltou com ótimas noticias: é possível atravessar a enorme Garganta da Bocaina, indo do topo do Inficionado ao Pico do Sol, porem o selado de ligação é bem recortado e acidentado, e pelos nossos cálculos demandaria um dia inteiro p/ ser transposto. Alem, é claro, de encontrar água empoçada numa das passagens entre as fendas e gretas, razoavelmente perto de onde estávamos. No entanto, após as devidas explorações e muitos cliques, ficamos contemplando a paisagem ou apenas jogando conversa fora, enqto éramos tostados pelo Sol da tarde.

Com td essa nossa variada programação, a tarde passou num piscar de olhos, e assim apreciamos o sol se pôr no horizonte, um grande disco vermelho mergulhando nas brumas do ocidente por detrás do Pico Trindade. Logo o céu escarlate nos mais diversos tons daria lugar a um breu noturno coalhado de estrelas. A janta, por sua vez, foi uma mistureba das sobras das mochilas q incluíram strogonoff e macarrão, temperado c/ girinos q vieram de brinde na água q dispúnhamos! Na seqüência, um sopão e um naco de chocolate p/ rebater o frio, e logo depois cama!!! Nossa ultima noite transcorreu s/ maiores incidentes, embora tenha sido bem fria e ventasse um pouco, chacoalhando a armação das barracas. Ao longe, as luzes faiscavam nas cidades próximas, provavelmente Catas Altas, Conceição do Rio Acima e Sta Bárbara.

A DESCIDA E O BANHO NA BOCAINA - Acordei as 5:30 com o burburinho do povo indo clicar a alvorada, por sinal fantástica! Entretanto, o frio falou mais alto e só deixei meu saco-de-dormir qdo cálidos raios solares já tocavam as paredes úmidas da minha barraca, hora depois. Na seqüência tomamos nosso café e começamos a arrumar nossas coisas, enqto nosso equipo secava ao sol. Desta vez não tivemos muita pressa em sair, mas ainda assim nosso "atrasildo" fez c/ q começássemos a pernar apenas as 10hrs!!!

Descemos rapidamente tds aqueles degraus rochosos até o ultimo selado, em menos tempo q o dia anterior. De onde havíamos interceptado a picada do Inficionado, bastou apenas acompanha-la através de um solo de cristal q foi contornando o morro sgte pela esquerda, em meio aos onipresentes matacões de caratuvas. Uma ultima olhada p/ trás e nos despedimos do Inficionado, p/ este sumir do nosso campo visual, agora sendo dominado por penhascos e precipícios verticais a nossa esquerda, onde vislumbramos td a crista percorrida nos dias anteriores vista de outro ângulo, caindo vertiginosamente serra abaixo, em magníficas paredes de pedra nua e eriçadas, verticais nascendo da floresta e arranhando o céu com suas pontas afiadas brilhando ao sol.

A descida no aberto, q ate então era relativamente tranqüila e pouco íngreme, torna-se bem acidentada e c/ aclive bem acentuado ao adentrar na mata, demandando mãos e pés p/ ser vencida na "desescalaminhada" através de valas erodidas e muitas, muitas pedras! Haja joelho pra tanto impacto! No entanto, só dessa forma vencemos quase 900m de desnível de uma só vez! Qdo o terreno arrefece e pareceu nivelar na base de um enorme paredão, q passamos a bordejar (e descer) suavemente. Outra vez na mata fechada, atravessamos um trecho repleto de samambaias e capim navalha q nos deixou tds ralados, até emergir novamente no aberto, num capinzal quase ao sopé do maciço, as 12:30hrs, onde paramos um pouco as margens de um bem-vindo riachinho onde o pessoal deu uma rápida refrescada, a exceção minha, pq sabia q logo mais cachus e poços maiores nos aguardavam.

Descemos o resto até q finalmente dar nos descampados de capim q nos levariam, em 8km, ao Colégio. No entanto, ao interceptar a trilha pra Cachu da Bocaina não pensamos duas vezes: escondemos as mochilas nos arbustos e la fomos nos, subindo suavemente a morraria ate adentrar no Vale formado pela gigantesca fenda localizada entre o Inficionado e o Pico do Sol. Em poucos minutos chegamos na Cachu da Bocaina, p/ alegria geral! A parte de cima esta repleta de lajedos e caldeirões onde a água avermelhada (devido ao ferro oriundo das rochas de quartzito) fica depositada formando Jacuzzis geladérrimas! Mas a gente optou mesmo em curtir a base da enorme cachu, q em dois níveis somando quase 30m, despencava num enorme piscinão de água acobreada.

Mesmo tinindo de fria, não titubeamos em cair nela p/ nos refrescar. C/ roupa ou sem. Q o diga o Ângelo e o Chiossi, q nadaram pelados s/ pudor algum de serem surpreendidos pelos severos padres do Santuário, e ainda estranharam pq a Clê e a Emilia tb não haviam aderido à nova "moda naturista". Particularmente, eu tb teria me banhado como vim ao mundo, mas não sei ao certo qual foi minha desculpa, se foi o enorme remendo de gaze q ostentava na buzanfa ou o receio de exibir minha modesta "castanha", já totalmente retraída pelo frio, q não sairia de sua "toca" nem por ordem expressa do alto comando...

Após esse revigorante banho e muitos cliques, voltamos onde deixamos as mochilas e retomamos a trilha rumo ao Colégio, cientes do dever cumprido. E cientes tb da desculpa q daríamos ao chegar na monitoria do parque, uma vez q ali é propriedade particular e, portanto, nossa presença c/ enormes cargueiras não seria muito bem-vinda! Assim, fomos retornando em meio aos descampados de capinzal e cerrado, alternados por alguns focos de mata maior, desviando das suaves colinas do trajeto. Cada vez + próximos da igreja do Colégio, visível de onde estávamos, alem do fuzuê da muvuca habitual, igualmente audível. No caminho, passamos próximo da Cascatinha, a cachu + visitada do parque, cujas quedas brilhavam ao sol daquele quase final de tarde.

A "INVASAO DE PROPRIEDADE" E A VOLTA - Chegamos, as 16:20hrs, ao Santuário e fomos direto à monitoria do parque notificar nossa presença, antes q fossemos abordados por monitores de forma constrangedora. Na verdade quem foi falar com o pessoal foi o Ângelo, Quiossi e Guga, já q eu e a Clê éramos "velhos conhecidos" da monitora-chefe, q já não tinha ido c/ a nossa cara a vez anterior, assim evitaríamos q o quiprocuó fosse maior e de cunho pessoal. Enqto eles buscavam contornar esse babado, nós fomos já agilizando condução num dos vários ônibus de excursão escolar q ali haviam, onde por sorte conseguimos vagas separadamente dos meninos, q conseguiram noutro.

No final das contas, tivemos q assinar um termo de responsabilidade de "invasão de propriedade", q só não assinamos formalmente pq a tinta da impressora havia terminado e não podíamos perder a condução q havíamos conseguido. Portanto, fica dada a dica: evitem entrar ou sair no Caraça ilegalmente! O parque é rigoroso com as normas leoninas q o regem, principalmente c/ gente mochilada! Tivemos sorte desta vez, mas seguramente numa próxima ocasião eles já terão um documento pronto a infratores semelhantes, q pode acarretar em problemas legais futuros. Portanto, melhor evitar novas "invasões de propriedade".

Bem, assim eu, a Clê e a Emilia embarcamos num busão repleto de crentes-mirins, saindo enfim do parque, e q um tempo depois nos deixou no trevo de Sta Bárbara, onde imediatamente tomamos um bus p/ Barão de Cocais, onde pelas infos obtidas havia + chances de arrumar conduça p/ BH. Coincidentemente, os meninos tomaram o mesmo ônibus nosso no trevo sgte, em Catas Altas, e assim chegamos em Barão de Cocais as 18:30, onde garantimos já passagens p/ capital mineira as 20hrs. Foi ai q o Guga percebeu q deixara sua maquina fotográfica no pto de ônibus, p/ desespero do rapaz! Ele bem q la retornou de moto-taxi, na vã esperança de reencontra-la, s/ sucesso!!! Enqto isso as meninas foram tomar banho e os demais comiam algo, sob o olhar de um bebum chato na mirrada rodoviária, ate q finalmente deu nosso horario de embarque. Chegamos em BH quase 22:15hrs, a tempo de pegar o bus das 22:30 p/ sampa, onde finalmente chegamos as 6 da manha de segunda-feira, prontos pra mais uma semana de batente!

E assim transcorreu nossa bem-sucedida 2ª incursão ao Pq Nacional do Caraça neste feriado de Corpus Christi. E tal qual a vez anterior, tb deixou um gostinho de "quero mais" diante das possibilidades descobertas nesta ocasião, principalmente a da Travessia da Garganta da Bocaina. Entretanto, as rigorosas restrições do parque e a impossibilidade de fuga pela portaria oficial aparentemente devem prejudicar montanhistas ansiosos em conhecer este patrimônio natural, mas pensando bem esta medida tb seu lado positivo: restringindo o acesso de qq um aos seus cumes, o parque limita estas possibilidades apenas a montanhistas sérios, determinados e decididos a longas travessias selvagens de 1 semana, ao mesmo tempo q preserva esta preciosidade natural de invasões evitando q se torne + um caminho popular de empresas e ecoturistas, tal qual Serra Fina. Pensando assim, a Grande Travessia do Caraça ainda há de ser feita, mas as sementes desta derradeira empreitada já foram jogadas. Quem sabe o ano q vem...

Texto de Jorge Soto com fotos de Emilia Takahashy
http://www.brasilvertical.com.br/l_trek.html



Publicidade:


Publicidade

Publicidade