Familia de escaladores pela América do Sul - parte 2 - AltaMontanha.com - Portal de Montanhismo, Escalada e Aventuras
A aventura ainda está começando...

Familia de escaladores pela América do Sul - parte 2


Aventura de:

No dia 13/12 acordamos em Foz do Iguaçu e de manhã fomos às compras... acessórios obrigatórios para o carro na Argentina. A travessia da fronteira foi bastante tranquila e na primeira descida ficou claro que não estávamos mais no Brasil. A estrada era uma rota muuuito boa, de mão dupla, pista simples, mas o que mais me chamou a atenção foi a mata ao lado da estrada... linda, com muitos tipos de vegetação de todos os tamanhos e verdes de todas as tonalidades, o acostamento é gramado e tudo parece muito bem cuidado.

Leia a primeira parte desta aventura

PARTE 2: FOZ – CORRIENTES (625K) – SALTA (830K)

 
A primeira coisa de que achei graça foi uma placa triangular branca com bordas vermelhas que dizia: “ceda el paso” (ou no bom e velho português brasileiro: “dê a preferência”), não sei porque mas achei esta frase muito engraçada e fiquei repetindo ela sempre que via a placa. 
 
Paramos para almoçar em uma “Churrasqueria” de beira de estrada, como é a primeira vez que saio do meu País  achei muito engraçada a situação. Eu estava cercada de pessoas e não conseguia entender praticamente NADA do que era dito, inclusive o garçom. Uma coisa é você conhecer algumas palavras em uma outra língua, outra coisa é usá-las. Depois de algum tempo e alguns maus entendidos eu consegui pedir um frango e aprendi a utilizar algumas pouquíssimas palavras como pojo, permesso, gracias y la coenta. 
 
Infelizmente logo nas primeiras horas de viagem pudemos constatar a fama de corruptos dos policiais Argentinos, não estávamos com o farol do carro ligado (obrigatoriedade nas estradas Argentinas) e esta foi a brecha para o policial contar algumas histórias de veracidade duvidosa e depois de muita negociação, ficamos 200 pesos mais pobres. 
 
Seguindo viagem, logo após uma cidade chamada Posadas (capital da província Missiones), a paisagem muda e entramos nos pampas. Em uma cidadezinha chamada Ita Ibaté paramos para esticar um pouco as pernas e conhecer um pedacinho do Rio Paraná, nunca tínhamos ouvido nada sobre o lugar, mas paramos assim mesmo e arriscamos tentar encontrar alguma parte acessível do rio. 
 
Para nossa surpresa encontramos um pequeno balneário com peixes saltitantes, um atracadouro da marinha, alguns barquinhos, a margem do Paraguai visível do outro lado do rio e cobrindo tudo isso um pôr do sol maravilhoso. Pernas esticadas, tocamos nossa viagem até Corrientes, encontramos um hotelzinho bacana e saímos para jantar umas empanadas típicas argentinas DELICIOSAS.
 
Esta seria apenas uma cidade dormitório para na nossa trip.Apesar do contratempo com o policial eu já estava ADORANDO a viagem, o povo Argentino é muito simpático e agradável, as cidades e paisagens são no mínimo bonitas e a comida é boa, apesar da água ter um gosto diferente, acho que é porque é mineralizada artificialmente, sei lá.
Dia 14 fomos as compras na cidade de  Corrientes, compramos um guia argentino (nada parecido com o 4 rodas, nada de estradas e nem hotéis, mas tem algumas informações turísticas) e compramos também um lanche para o próximo trecho de viagem. Tivemos que passar em um Cassino para trocar "moedas", fazer xixi em um clube de pesca e pé na estrada. 
 
Cruzamos uma ponte que passa por cima do rio Paraná rumo a Saens Peña, onde paramos para almoçar. Encontramos um restaurante interessante na cidade, tinha um ambiente retrô, com um gato muuuito grande e gordo passeando pelas pernas dos clientes e dormindo em alguma cadeira vazia. Enquanto esperávamos a comida chegar fomos fazer as contas dos pedágios, CARACA como pedágio no Brasil é caro, porque então as estradas são tão piores? De volta a estrada vi pela primeira vez campos de girassóis, dava até dó de ver tanto girassol queimado de sol. 
 
Passamos por um lugar chamado Pampa del Infierno, o nome é sugestivo... Sem muitas novidades neste dia pampa de um lado, pampa do outro lado, planalto na frente e atrás, a paisagem não muda, mas o pôr do sol...  Para variar chegamos a Salta bem mais tarde do que o esperado, eu não imaginava que a cidade era tão grande (800.000 habitantes). 
 
Logo de cara passamos em frente ao teleférico na nossa busca por estadia e acabamos ficando em um hostel bem aconchegante com um pessoal muito simpático. Saímos para jantar, lugar perto, comida boa e logo voltamos para o hostel, estávamos todos cansados.
 
 
 
 



Publicidade