Circuito Diana – Jurubatuba - AltaMontanha.com - Portal de Montanhismo, Escalada e Aventuras
Região de Santos

Circuito Diana – Jurubatuba


Aventura de:

Vivendo quase todos em sua diminuta área insular, boa parte dos santistas desconhece a área continental do município, ou até mesmo alguns locais só acessíveis pelo mar e q mal aparecem nas cartas e plantas oficiais de Santos (SP). É o caso da vasta planície banhada pelos rios Diana e Jurubatuba, dois cursos d’água de características bem diferentes que escondem surpresas pro andarilho tão bisbilhoteiro quanto decidido. E foi num rolê de reconhecimento de menos de 20km com pernoite que vasculhamos as possibilidades trekkeiras do entorno destes dois charmosos rios, típicos de planície costeira. Como bônus, um pitoresco e imperdível passeio em meio a imensidão do mangue, passando por um vilarejo caiçara q, no período de menos de 1hr, nos faz esquecer q estamos do lado do maior porto da América Latina e nos remete a qq comunidade pescadora do Superagüi.

O busão da viação Ultra deixou o Term. Rod. do Jabaquara em direção a Santos pontualmente as 8hrs. Eu e o Nando então nos acomodamos confortavelmente em bancos duplos separados, no fundão do buso, onde tiramos um bom cochilo afim de compensar a madrugada forçada daquela manhã. Como era dia útil e o latão se encontrava parcialmente vazio, mal percebemos td descida da serra e até um trecho de congestionamento na Rod. Anchieta (SP-150), pois só demos por nós pouco antes do coletivo chegar no Term. Rodoviário de Santos, coisa das 9:15hr.
 
Perguntando aqui e ali onde ficava o porto, tomamos então a direção nordeste e fomos cortando boa parte da bela arquitetura do Centro Velho de Santos, em meio a edifícios e monumentos q representam os diferentes períodos históricos do nosso país. Passamos pela Pça dos Andradas, Pça Rui Barbosa, Pça Mauá e pela bonita Igreja do Carmo, até alcançar a Av. Engº Antônio Alves Freire, já na orla marítima. Dali bastou tocar até o porto, situado em frente ao prédio da Alfândega de Santos. Em tempo, nossa ideia era chegar ao Monte Cabrão, situado a quase 45km na Rod. Piaçanguera-Guarujá, e tínhamos duas opções: ir de buso ou de barca. Claro q optamos ir pela segunda opção, pois além de ser um passeio interessante pelo Canal de Bertioga era muito mais barato que de latão, coisa de irrisórios R$ 0,25!! Contudo, existe um porém: no atracadouro fomos informados q a barca tem horários reduzidos e irregulares durante a semana. Parece q não circula aos finais de semana, ou se faz é em apenas dois horários (ida e volta) esdrúxulos. 
 
Embarcamos na rústica barca de madeira na cia dum quarteto de milicos reformados e um trio de senhores carregando mercadorias, qdo zarpamos pontualmente as 10hrs. O dia aparentava melhora considerável, dispersando boa parte da nebulosidade conforme passava o dia embora logo de cara fossemos esbofeteados pelo calor abafado típico do litoral assim q saltamos do buso. Deslizando calmamente em direção ao Canal da Piaçanguera fomos então deixando o porto das barcas pra trás, onde destoava a silhueta escarpada do Monte Serrat e do Morro São Bento, pra singrar o interior do Estuário de Santos, primeiro trecho do Canal de Bertioga.
 
O rolê transcorreu tranquilo, com destaque de um lado pras gigantescas estruturas metálicas do terminal Embraport, mas foi somente ao passar sob a enorme ponte sob o canal q o horizonte se desenhou lindamente por td quadrante norte. Num piscar de olhos o cinza do porto deu lugar ao verde intenso da vegetação de mangue, q se estendia horizontalmente por td quadrante norte. Ao longe, o recorte duma Serra do Mar parcialmente enevoada destacava o Morro Diana e o imponente Cabeça de Negro. Nem parecia q estávamos perto dum dos maiores centros urbanos do Brasil.
 
A primeira parada se deu as 10:20hr no pequeno cais da Base Aérea de Santos, q a despeito do nome se situa à margem do distrito de Vicente de Carvalho, onde desembarcou o quarteto de senhores q conversou td viagem sobre patentes e salários. Resumidamente o lugar consiste numa base operacional da Força Aérea Brasileira, com pista de pouso, decolagem e td mais. Contudo, o q chama mesmo a atenção logo de cara é um belíssimo casarão colonial cercado de palmeiras na frente do cais. O local é uma mini-cidade, com prefeito indicado, capela e cinema, onde moram cerca de 700 militares e suas famílias, além de funcionar um concorrido curso de piloto de helicóptero. Contudo, parece q o local vive seu declínio e iminente desativação, visto q o tal curso vai ser transferido pra Natal. No lugar, deve ser implantando um aeroporto metropolitano.
 
Não deu nem 5min e a barca zarpou novamente, ganhando as águas mansas ao mesmo tempo q adentrava no largo e sinuoso Rio Diana. Aqui a impressão era de se estar indo em direção á Ilha do Cardoso (PR), pela similaridade do entorno. Com a única diferença de q não havia golfinhos acompanhando a embarcação. Ao invés disso, robalos, tainhas e taiobas saltavam da água pra mergulhar fundo nas raízes aéreas da pitoresca vegetação de mangue q forra as margens do rio, enqto caranguejos e siris curiosos afloravam da lama q havia nos trechos não submersos. E conforme o barco avançava, aos poucos era descortinado a nossa direita um pequeno e pacato vilarejo pescador, onde inúmeras casas coloridas de madeira se perfilam com muito charme e beleza. Chegávamos na Ilha Diana.
 
Atracamos novamente as 10:30hr, onde desceu o restante dos passageiros e onde tivemos uma parada de tempo um pouco mais demorada. Claro q eu e o Nando imediatamente fomos no minúsculo botequinho (escondido na frente do cais) atrás duma gelada, pra depois sentar e observar a beira do rio o pacato vai-vem daquele encantador refúgio tipicamente caiçara. A Ilha Diana não é necessariamente uma “ilha”, pois está conectada ao continente em seu trecho oeste; mas este setor está constantemente alagado, coberto de mangue, o que faz seu único acesso se dar por via marítima. Antigamente chamada de “Ilha dos Pescadores” e atualmente adotando a nomenclatura do rio que a banha, a Ilha Diana é um lugarejo onde residem cerca de 80 famílias, e um point pelo qual simplesmente me apaixonei logo de cara: tranquilidade, construções simples, vasta vegetação, ausência total de elementos urbanos e costumes preservados, como a confecção artesanal de redes de pesca. E a simpática Igreja Bom Jesus da Ilha Diana, situada no miolo da comunidade, é a cereja de bolo desta agradável surpresa do rolê de maneira geral. Infelizmente não deu pra conhecer muita coisa, mas decerto já vou programar uma volta exclusiva pra explorar a fundo este pequeno paraíso caiçara.
 
Não ficamos nem 10min na Ilha Diana retomamos a jornada rumo Monte Cabrão, agora tendo a balsa deserta e exclusivamente inteira pra nós. E assim deixamos o miolo do Rio Diana pra retornar ao Canal de Bertioga e por ele seguir indefinidamente, agora mais sinuoso e estreito q antes. E conforme fomos avançando desenhava-se ao norte a imponência dos vales do Diana e Jurubatuba, elevando-se altivamente da planície costeira, enqto mais a leste o quadrante se tornava de domínio único e exclusivo dos maciços do Diana e, logo atrás, do Cabeça de Negro. Outras elevações menores e mais próximos tb destoam da horizontalidade do mangue, como o Morro do Marinho, do Gabriel e o próprio Cabrão. No caminho, a única interrupção da paisagem recorrente de mangue interminável foi a dum decrépito atracadouro abandonado, na margem direita.
 
E assim, pouco antes de chegar na ponte da Rod. Piaçangüera – Guarujá, as 11hrs chegamos no q devia ser o atracadouro do Monte Cabrão, onde desembarcamos definitivamente. Mal saltamos o barqueiro nem esperou, deu meia volta e começou a voltar pelo mesmo caminho. “Quando sai outra vez daqui?” , perguntei a ele antes de zarpar. “As 19hrs!”, respondeu. Do atracadouro basta seguir uma trilha q se embrenha mato adentro onde logo se passa no meio de dois antigos casarões (uma delas detonada) e se dá num portão q tava trancado. Bem q tentamos pular, mas estava repleto de arame farpado q diluiu imediatamente essa ideia e nos fez chamar algum responsável q permitisse nossa saída. Um jovem surgiu então de uma das casas mencionadas e foi la abrir pra gente, meio a contragosto. É, esses são so funcionários da prefeitura santista, q ficam chateando na internet e resmungam qdo devem cumprir suas responsabilidades.
 
No Monte Cabrão fizemos uma rápida parada pra “molhar a goela” no Bar da Edna e na sequência, exatamente ao meio-dia, começamos oficialmente a pernada originalmente proposta. Tomamos então o asfalto da Rod. Piaçanguera-Guarujá, passamos pelo trevo q marca o início da Rod. Rio-Santos (BR-101) e adentramos na primeira estrada de chão a direita, pra nela seguir indefinidamente, via q vai nos levar ao miolo da baixada do Vale do Rio Diana. Precária, cercada de verdejante mata e bordejando o sopé do rochoso q atende pelo nome de Morro do Gabriel, esta estrada de chão passa por uma ou outra chácara, assim como ruinas de construções antigas. Os enormes lajedos da encosta do morro impressionam, assim como plantações de bananeiras q se sucedem quase q consecutivamente. A região, aliás, teve sua colonização com o cultivo da fruta.
 
A caminhada segue tranquila, compassada e sem desnível durante um bom tempo. A estrada não tarda a dar lugar a uma vereda q , obvia e bem batida, mostra sinais de uso frequente. Embora a picada bordeje o pé do serrote ao lado de modo a se manter fora da área de mangue e, consequentemente, seca, passa constantemente por enormes trechos alagadiços e repletos de brejo. Portas, janelas e qq tipo de madeira servem de pontes improvisadas, de modo a manter os pés secos. Vale lembrar tb q neste trecho o Rio Diana se encontra totalmente disperso em inúmeros afluentes a nossa esquerda, e q a área quase toda compreende mangue ou enormes banhados. Ali o Rio Diana recebe água vinda de outros afluentes e se torna largo e volumoso a medida q avança em direção ao oceano, como qq rio de planície costeira.
 
Pois bem, ao passar a última propriedade, um casebre de origem simples e humilde, é q a picada se embrenha finalmente na mata, em meio a muita lama e charco. A esperança de manter os pés secos logo se diluiu qdo percebemos a vereda tomada pela água, denunciando as volumosas chuvas q a região vem assolando no verão. A mata eventualmente ameaça invadir o caminho mas nossa rota segue firme e forte sentido interior do vale, rio acima, ou seja, pro norte. O vislumbre da serra cada vez mais próxima enche os olhos, assim como o maciço do Morro Diana e o Cabeça de Negro, logo atrás, com o tradicional opaco brumado cobrindo sua cumieira.
 
A vereda desembocou então num largo aceiro de dutos da Petrobrás, onde uma evidente picada corria ao largo de td sua extensão. Ignorando o ramo da direita (q nos levaria ao Vale do Rio Trindade), tomamos o da esquerda e por ele seguimos indefinidamente, agora na direção noroeste. Eventuais picadas a direita adentram nos baixos morrotes servindo de atalho, mas o caminho se dá basicamente através do largo aceiro dos dutos. A caminhada corre tranquila apenas no início pois não demora a se tornar mais perrengosa conforme se aproxima do pé da serra. Não bastasse a lama e brejo tomando conta do caminho, voçorocas de capim-navalha nos forçam a literalmente “nadar no mato”, ganhando td tipo de corte e ralado. Aqui é preciso saber onde pisar pra não afundar, coisa q o Nando aprendeu rapidamente ao quase mergulhar até a cintura na lama por pura e simplesmente teimosia de sair da “trilha” pra fugir do afiado capim.
 
Após este trecho perrengoso caímos novamente em caminho seco, firme e compacto até q cruzamos com um simpático riozinho, provavelmente um dos muitos afluentes do Diana. Ali fizemos uma breve parada pra tchibum, descanso e remoção de terra/lama do calçado. Feito isso, decidimos abandonar o aceiro e seguir rio acima. Afinal nossa ideia era adentrar mais o vale (se seguíssemos pelo aceiro daríamos na rodovia). Começou então um aquatrekking tranquilo, onde alternávamos as margens arenosas com água até a altura da coxa.
 
Creio q não ficamos nem 10min no rio, pois não demorou a tropeçar com uma trilha bem batida q nascia em sua margem direita e corria na direção desejada. Novamente em terno seco, firme e forte, a vereda mergulhou na mata de forma prazerosa e desimpedida, até q caímos nos fundos do q parecia ser um rancho bem simples, onde pedimos informação a um senhor q tava ali. Ele se apresentou como “Bugio” e, sob protestos dos seus inúmeros vira-latas repletos de carrapatos, nos indicou a direção q devíamos tomar pra percorrer em segurança aquela erma região do Diana.
 
Dos fundos do rancho nas cia outra vereda, q por sua vez começava a dar a volta acompanhando novamente o pé da serra, em meio a bonita vegetação. Seguindo a dica do senhor, adentramos numa vereda q nascia da principal e q num piscar de olhos nos levou a um lindo remanso dum afluente do Diana, o Corrego Gota de Leite. O lugar lembra muito a Prainha do Mogi (em Paranapiacaba) e consiste numa pequena clareira ao lado dum belo e lindo poção esverdeado, onde o córrego represa suas águas pra depois marulhar rio abaixo. Sinais de fogueira indicam q o lugar é frequentado pelos locais, mas como estávamos sozinhos ali nos presenteamos com mais um pit-stop de relax, descanso e lanche. Parada esta não mto demorada por conta dos ávidos sanguessugas alados, diga-se de passagem.
 
Revigorados, voltamos a vereda principal e dela não arredamos mais pé, visivelmente percebendo q fazíamos a volta acompanhando a serra q agora retornava em direção ao asfalto. A vereda então se alargou, emergiu no aberto, cruzou o aceiro dos dutos e até tropeçou com alguns enormes búfalos da raça Murrah, q destoam facilmente da paisagem predominantemente rural. Uma vez numa via paralela á do asfalto e dando fim ao rolê no Diana, tocamos pela precária estrada agora em direção ao vale vizinho, o Jurubatuba.
 
Não demorou muito pra cruzar a ponte sobre o largo e manso Rio Jurubatuba e, pouco mais adiante num pitoresco ponto de bus, a direita, adentramos noutra precária via q praticamente mergulhava vale adentro em linha reta, indefinidamente. E tome chão interminável de mais de 5kms em meio a voçorocas de lírios-do-brejo e damas-da-noite q não apenas ornavam a margem da via como inundavam o ar com seu perfume intenso. Sem nenhuma vivalma durante td trajeto, nossa única cia era o enorme Rio Jurubatuba a nossa direita, ora próximo ora afastado. Como consolo deste monótono trecho tínhamos a maravilhosa paisagem q se descortinava a nossa frente, na forma duma imensidão verde: à esquerda, o imponente Vale do Quilombo; á nossa frente, a muralha da Serra do Jurubatuba e; à esquerda, as encostas da Serra da Boa Vista. O Morro Cabeça de Negro fica ao fundo do vale, mais exatamente ao lado direito do local onde começa a se estreitar em direção a Mogi das Cruzes. Em tempo, Jurubatuba em tupi-guarani significa “ajuntamento de palmeiras jerivá”.
 
Foi ai q um negrume tomou conta do firmamento, trovões ecoaram por td vale e um diluvio desabou sobre nossas cabeças. Sem nenhum lugar pra nos proteger, o jeito foi continuar andando até o final da via. Mas pouco mais adiante a estrada terminou num portão da Sabesp escrito “Área de Captação de Água – Proteção de Mananciais – Entrada Proibida – Sujeito a Aplicação de Penalidades”. Mas como ainda chovia horrores não quisemos saber e adentramos mesmo assim, por meio duma vereda q contorna o portão metálico pela esquerda. Uma vez nas dependências da Sabesp tocamos pela via principal buscando passar longe duma guarita. Logo adiante, abandonamos a via principal (q acompanha o Jurubatuba) e tocamos por outra q acompanhava seu maior afluente, o Jurubatuba-Mirim.
 
Antes, porém, nos refugiamos sob o teto duma casa de máquinas, onde aguardamos a chuva dar uma trégua, por volta das 16:50hr. Espera demorada, diga-se de passagem. Sem nada pra fazer ficamos jogando conversa a toa, secamos nossas vestes, tomamos nossa birita e até engoli antecipadamente minha janta, pois a fome já me assombrava faz tempo. A chuva só amansou pouco antes de escurecer, coisa das 18:30hr. Felizmente e por conta da chuvarada ninguém da segurança se atreveu a fazer ronda naquele horário.
 
Sem perda de tempo, nos pirulitamos pela precária estrada adentro agora na esperança de tropeçar com um bom local pra acampar, lugar este encontrado apenas alguns metros adiante. Discretamente ao lado da estrada, um amplo e oportuno gramado do lado da barragem concretada do Jurubatuba-Mirim vinha de encontro as nossas necessidades e foi ali mesmo q ficamos. Montamos as barracas assim q a escuridão se debruçou sob o Vale do Juru-Mirim e, após ficar de bobeira um tempo, caímos no sono dos justos afim de repor o cansaço daquele longo dia de quase 15km percorridos..
 
A manhã sgte levantamos bem cedo, as 6hrs, de modo vazar o qto antes dali, de preferência antes de circular alguém da Sabesp. Engolimos rapidamente nosso desjejum enqto as mochilas deglutiam nosso acampamento, e cerca de meia hr depois começamos a caminhada daquele dia. As brumas iniciais q pairavam ao longo do vale logo se dispersariam dando lugar a frestas de céu azul, e pela tarde provavelmente precipitaria outra vez dada a alta umidade q começava já a se acumular na atmosfera.
 
Prosseguimos dando continuidade a nossa exploraçãozinha descompromissada pela estrada, acompanhados pelo Juru-Mirim a nossa direita, q começava a ficar menos calmo e mais furioso. A estrada logo deu lugar a uma vereda q, subindo suavemente, bordejava a encosta esquerda do vale. A espessa vegetação ainda gotejava da umidade acumulada e o chão de terra se encontrava parcialmente úmido ou escorregadio. Foi ai q tropeçamos com um afluente di Juru-Mirim, q cruzava a trilha de forma furiosa, despencando em sucessivas quedas e cachus em direção ao rio principal. Felizmente havia um cabo de aço pra atravessá-lo e prosseguir na trilha, na outra margem.
 
A pernada prosseguiu de boa pela mesma trilha bordejando a encosta do vale, porém agora mais estreita e com mais mato em volta, alguns caindo até sobre a vereda. Após cruzar novo afluente, este com um convidativo poço onde nos regateamos com um rápido tchibum, trombamos de cara com um senhor de idade q vinha no sentido contrário da vereda. Seu nome era Eonildo e, pra alivio nosso, revelou q não era segurança da Sabesp e sim morador do local. Disse q o final daquela vereda dava na sua casa e depois não tinha mais nada a não ser mato, o q nos demoveu da ideia de prosseguir caminhada serra acima. O próprio tiozinho, de traços e feições marcadas pelo tempo, recomendou a gente se identificar na guarita de entrada pra não ter problemas posteriores. “Final do rolê..”, eu e o Nando pensamos quase q simultaneamente.
 
Retornamos pelo mesmo caminho na cia do Eonildo q - acompanhado de Dna Maria, sua esposa – nos contou de tudo e mais um pouco dali. Contou q mora ali a mais de 40 anos; q a Sabesp tentou retira-lo dali mas este conseguiu seu direito de permanecer; de sua vida dura na serra e dos seus cachorros vitimados por cobras; da sua rocinha de subsistência e dos “bicos” q consegue na própria Sabesp; dos seus 14 filhos criados ali no mato, tds ganhando a vida fora dali, a exceção de um deles q era o segurança de plantão naquela manhã, etc.. Enfim, o típico brasileiro oriundo do nordeste q cabou fincando raízes na Serra do Mar. Quando perguntei como fazia em caso de emergência médica a resposta foi direta: “Ué, nada..a gente morre!”. Foi uma conversa breve mas muito produtiva pois nos deu direções pra novas investidas na região, onde decerto encontraríamos veredas ainda ativas ao fundo do vale. Dicas do Eonildo devidamente anotadas.
 
Ao chegar na guarita e com cara de paisagem, explicamos rapidamente nossa situação aos guardinhas (q nos olharam com espanto) e imediatamente zarpamos dali, antes q mudassem da ideia de nos permitir sair. Na volta dos intermináveis e quase 6km de estrada reta rumo o asfalto, ainda tivemos tempo de tocar por uma picada q dava num plácido remanso as margens do Rio Jurubatuba, onde retomamos o fôlego antes de findar jornada. Ali próximo havia uma vereda q bordejava o rio e levava a um rustico cais improvisado, provavelmente de um pescador dali, cuja precária residência de madeira estava na outra margem do Jurubatuba.
 
Pisamos no asfalto por volta das 12hr, onde tomamos o busão sentido Cubatão, dando adeus ao Vale do Jurubatuba mas prometendo breve retorno. Na verdade queríamos voltar á Sampa pouco antes do final da tarde, de modo a evitar não só o tráfego como a muvuca da manifestação do dia 13. Protestos estes q já ocorriam em Cubatão de forma intensa, mas q não nos demoveu da idéia de finalizar o rolê entornando mais umas brejas num boteco próximo da rodoviária, antes do embarque final. Bebemoração mais q merecida depois do irretocável pente-fino feito na região, q decerto lançou as sementes de novas e vindouras travessias tão mirabolantes qto audaciosas. Ou até o retorno pra passeios mais simples e tranquilos, como a promessa duma nova visita á simpática Ilha Diana, onde os horários da barca são mais regulares e acessíveis q o Monte Cabrão. E assim, quem sabe, a galera comece a redescobrir esta maravilhosa região esquecida, inclusive em termos de potencial turístico, mas q rara e injustamente mal aparece nos mapas e plantas de Santos.
 



Publicidade