Descobrindo Huaraz - AltaMontanha.com - Portal de Montanhismo, Escalada e Aventuras
Ao pé dos Andes

Descobrindo Huaraz

A cidade de Huaraz é um verdadeiro festival de aventura. Houve um tempo que foi um dos destinos mais privilegiados do turismo no Peru, mas nos últimos anos teve reduzida a sua visitação. Agora a região inova e mostra suas novas rotas para o turismo de aventura.

Fonte: Texto de María Isabel González - Diario La Republica - Peru

No Peru, os Andes se dividem em dois grandes colossos, a Cordilheira Blanca e a Cordilheira Negra, e entre as cadeias de montanhas se encontra o bonito Callejón de Huaylas de 110 km de extensão. Para iniciar a aventura de percorre-lo se parte de Huaraz, capital de Áncash e detentora de atrações de grande porte como o Parque Nacional Huascarán, com a montanha mais alta do país, o Huascarán (6.768 m).

Anos atrás Huaraz era um dos melhores destinos turísticos por excelência. Mas o fluxo de turistas caiu. Segundo Hipólito Rojas, representante da Câmara de Turismo de Recuay, isto se deve a falta de boas estradas, a má administração que ocorreu no setor e a falta de visão. “Muitos turistas sofreram roubos, as estradas estão abandonadas pelo governo regional. Mas além disso não existia uma estratégia integral que englobasse tudo isso, porque não se pensava no futuro. Hoje essa situação vai mudar, por exemplo com o Festival de Aventura se beneficiará diversos lugares da província que não são muito visitados”, explicou Rojas.


Duas cordilheiras
A Cordilheira Negra e a Cordilheira Blanca dão lugar a um vale rico em vegetação e fauna. A primeira tem cumes que superam os 5 mil metros, mas que não apresentam neve devido a ação dos ventos aliseos procedentes do Oceano Pacífico. Frente a ela se erguem uma centena de cumes nevados que formam a majestosa Cordilheira Blanca, que além de possuir a montanha mais alta do Peru tem também o Alpamayo (5.947 m), considerada como a montanha mais bela do mundo.

Os cenários repletos de lagunas, bosques de rochas e ruínas arqueológicas são a desculpa para os esportistas extremos que praticam andinismo, trekking, canoagem, escalada, ciclismo de montanha, entre outros.

Ao longo do Callejón de Huaylas passa o rio Santa. Em suas margens convivem um conjunto de povoados que apesar de compartilhar o clima e gastronomia, possuem características próprias.

Para se traçar uma rota se pode tomar o rio Santa como referência desde sua nascente na laguna Conococha (4.300 m). Segue a mesma direção da estrada que vem da cidade de Lima. As cidades e povoados principais do Callejón de Huaylas que se encontrará pelo caminho são: Recuay, Huaraz, Carhuaz, Yungay e Caraz.

Os guias turísticos do lugar nunca deixam de contar a experiência de Antonio Raimondi, cientista italiano que pôs um sobrenome a cada cidade que percorreu. “Recuay Ladronera”, “Huaraz Presunción”, “Carhuaz Borrachera”, “Yungay Hermosura” e “Caraz Dulzura”.

A primeira, Recuay: tem ainda um estilo colonial de velhos casarões intercalados com novas edificações, de paredes de barro e tetos de azulejos. É conhecida como o “Pórtico del Callejón de Huaylas”.

Nos limites da província estão o bosque de Puyas de Raimondi, a gruta de San Francisco, uma formação geológica de rocha vulcânica com bonitas estalactites e o nevado Pastoruri, a montanha mais acessível do Parque Nacional Huascarán. Este último só abre em datas autorizadas pelo Ministério do Ambiente.


Rota dos esportes extremos
A novidade deste lugar é a laguna de Antacocha, aonde é possível chegar tomando um ônibus em Recuay. Além das cores espetaculares da laguna, na qual se pratica canoagem e caiaque, nos cerros circundantes se pode escalar e saltar de parapente.

O governo local preparou uma pista para quem desejar praticar Downhill, BMX e Free Ride, os três esportes em bicicleta. O lugar tem o mérito de pertencer ao circuito de aventura do festival, que começa no dia 29 de abril.

Na cidade, se pode desfrutar de um prato típico da região. Cuy picante ou truta frita, ambos tem variantes por causa dos diversos ingredientes que são utilizados e os preços variam também entre 10 e 35 soles.

Outra localidade por descobrir é Carhuaz (a 32 km de Huaraz), parece dormente entre a espessura dos bosques. Quem a visita deve fazer uma parada obrigatória nas gelaterias caseiras da Plaza de Armas. Quem desejar alguma recordação do lugar, encontrará artesanatos e bolsas de cores típicas da cultura andina. Seguindo a rota chega-se a Shilla, a 10 km de Carhuaz.

Shilla é famosa por ter entalhados em pedra, que também será parte do festival de aventura como exibição. O talento dos artesãos resulta em obras de arte que não podem deixar de ser vistas. Aos domingos acontecem festivais gastronômicos aonde os moradores locais colocam a prova a criatividade e elaboram pratos como os tamales de cuy, o keke de aguaymanto, chilcano de truta, entre outras delícias.

Ao fim da tarde a cor do céu anuncia a chegada de bailes típicos. Os destinos descritos complementam a rota tradicional que oferece Huaraz.


Hospedagem
Os custos dos hotéis em Huaraz podem ir desde 80 soles até 120. Se desejar preços menores pode se alojar em uma casa-hospedaria.

Produtos típicos
Se desejar comprar produtos da região, uma boa opção pode ser adquiri-los no Don Queso, loja localizada no Psj. Julián de Morales 464, em Huaraz. Se passar por Carhuaz, não deve deixar de provar os gelados caseiros, na Plaza de Armas da cidade está a Heladería El Porvenir. Não se arrependerá.



Fonte: Texto de María Isabel González - Diario La Republica - Peru

Publicidade:


Publicidade

Publicidade