Isabel Suppé abre nova rota em montanha boliviana - AltaMontanha.com - Portal de Montanhismo, Escalada e Aventuras
Superação no Serkhe Khollu

Isabel Suppé abre nova rota em montanha boliviana

Montanhista alemã, radicada na argentina e com muitos laços de amizade com brasileiros ascende uma nova rota no Serkhe Kollu, montanha de 5546 metros localizada na Cordilheira Real, Bolívia.

Fonte:

Texto: Pedro Hauck, Fotos: Robert Rauch

A montanhista Isabel Suppé ficou famosa no ano passado por ter sobrevivido a uma queda de 400 metros na Asa Esquerda do Cerro Condoriri, montanha técnica de gelo localizada na Bolívia. Isabel ficou duas noites à deriva, depois de fraturar a perna em diversos locais. Seu parceiro, Peter Cornelius Wiesenekker, no entanto, não resistiu à queda e faleceu no local.

Após o acidente, Isabel passou por diversos tratamentos e teve risco de nunca mais poder andar e até mesmo perder a perna. Sua recuperação, no entanto surpreendeu os médicos e pouco depois de sofrer algumas cirurgias, ela já estava esboçando algumas escaladas.

Isabel veio ao Brasil no começo do ano, esteve em São Paulo e no Rio, lá ela pôde caminhar mais e fazer algumas escaladas em rocha. Pouco tempo depois, usando muletas para não maltratar os pés, ela voltou para os Andes e escalou o Nevado de Cachi, montanha de 6380 metros de altitude localizada na província de Salta na Argentina.

De volta à Bolívia, Isabel teve uma experiência ruim na Cordilheira de Apolobamba, não pôde fazer nenhum cume e se desentendeu com o parceiro. Sozinha, ela achou que não conseguiria encontrar alguém para voltar às montanhas, eis que ela conheceu o montanhista Alemão Robert Rauch, que mora há vários anos na Bolívia e surgiu um convite para escalar o Serkhe Khollu.

Perguntamos à Isabel como foi a experiência:

AltaMontanha: Como era nome do seu parceiro de escalada, quantos anos ele tem?

Isabel Suppé: Fui escalar com o Robert Rauch, um alemao de 53 anos que mora aqui na Bolivia faz varios anos.

AM:
Como surgiu o convite para escalar o Serkhe Khollu?

IS: Nao tinha parceiro e imaginei que não ia ser fácil conseguir com quem escalar. Achei que qualquer parceiro potencial iria ficar com medo ao ver as minhas muletas. Então fui pedir um conselho ao Christian, um suíço dono de uma agência aqui em La Paz. “Mas, é óbvio, você tem que escalar com o meu amigo Robert,” ele respondeu. “Eu vou te apresentar”. E assim foi que eu conheci o Robert. Sabia que ele era um velho escalador alemao que tinha feito algumas coisas incríveis como por ex. Uma rota nova muito dificil na cara sul do Illimani. “Mas ele que é um escalador famoso vai querer uma parceira que escala de muletas?!” eu perguntei ao Christian. “Claro que sim,” ele respondeu. “O Robert é maluco e vai gostar da sua atitude”.

Quando finalmente conheci o Robert, ele já sabia da minha historia e disse: “Vc tá fazendo o certo. Precisa escalar tudo o que pode para se recuperar bem”. No dia seguinte a gente marcou um encontro no Mercado Rodríguez para fazer as compras para a expedição.

AM: Vocês foram para a montanha pensando em abrir uma nova rota? Se não, como foram parar nesta parede?

IS: É. Eu queria fazer alguma coisa que não estivesse no guia da Bolívia, porque já escalei grande parte das vias clássicas e não gosto das montanhas sobrepovoadas de turistas. Mas devo reconhecer que depois de 10 cirurgias e quase um ano inteiro sem poder fazer nada (excetuando treinar no fingerboard que pendurava em cima da minha cama do hospital) era fazer alguma rota nova não dificil de mais. Tinha falado disso para o Robert. O que não sabia era que em alemão “tranqüilo” significava 95 graus de gelo

AM: Qual é o tamanho da parede?

IS: Aprox 500m

AM: Qual era o grau máximo e a dificuldade.

IS: A inclinação máxima , é de 95 graus de gelo. Robert quem já tem aberto muitas rotas novas aqui, gradua a rota entre TD+ e ED-

AM: Como foi a descida? Quanto tempo durou a escalada?

IS: A gente desceu caminando pela rota normal que não é técnica. A escalada de ida e volta até o acampamento base durou 22 horas. Mas isso porque a gente acampou muito baixo, pois o carro do Robert não quis subir mais e porque a gente nao fez acampamento alto. Além disso, estacionei as minhas muletas na base da parede (onde comecei a escalada vertical com os piolets) e a gente teve que voltar até là para pegar elas. Também perdemos tempo na volta, pois na escuridão nos equivocamos de trilha. Na parede a gente demorou umas 10 horas.

AM: Qual é sua próxima escalada?

IS: Temos planejado fazer outra rota nova daqui pouco, mas vai depender das condições da neve.

Veja mais:

:: Isabel Suppé sobrevive a uma queda de 400 metros

:: Isabel Suppé se recupera de acidente

:: De muletas a 6 mil metros

Publicidade:


Publicidade

Publicidade