Himalaia: Resultados Preliminares da Primavera 2012 - AltaMontanha.com - Portal de Montanhismo, Escalada e Aventuras
Estatísticas e acontecimentos

Himalaia: Resultados Preliminares da Primavera 2012

Passado um mês do último informe, já é possível fazer uma compilação preliminar das escaladas latinoamericanas aos 8000 do Himalaia. Conquanto a maior parte das expedições tenha voltado para casa de mãos vazias, há boas novidades, entre as quais o sexto cume 8000 de Cleo Weidlich (Annapurna) e o mega-sucesso chileno no Everest.

Fonte: Rodrigo Granzotto Peron

 

Por Rodrigo Granzotto Peron

 

ANNAPURNA

 

Badia Bonilla Luna e Maurício Lopez Ahumada (MEX), a famosa Una Pareja En Ascenso, não conseguiram fazer cume no Annapurna, e retornaram de 7200 metros, por conta do excesso de neve na rota e as dificuldades climáticas que estão assolando o Nepal (ventos fortes quase todos os dias).

O paranaense Waldemar Niclevicz fez seu ataque ao cume juntamente com a equipe do espanhol Carlos Soria, mas também optaram por não enfrentar as perigosas condições de neve e clima nas encostas superiores (risco extremo de avalanche!).

A manauara Cleo Weidlich conseguiu a proeza de furar o bloqueio das condições adversas e fazer cume no dia 20 de abril. Esse cume, o sexto 8000 de Cleo, é muito importante pois ela se tornou a primeira mulher sulamericana a culminar a mais perigosa das montanhas da Ásia. Seu cume é o terceiro da América do Sul em todos os tempos, somente atrás da lenda-viva Ivan Vallejo (Equador) e de Fernando Gonzalez-Rubio (Colômbia). E, por fim, Cleo agora figura entre as dez mulheres com mais cumes 8000 em todos os tempos.

 

DHAULAGIRI & PERSPECTIVAS PARA O PAQUISTÃO

 

Com a conquista brilhante do Annapurna, Cleo Weidlich rumou para o vizinho Dhaulagiri (8.167m), para tentar o "double-header" (dobradinha). Segundo informações preliminares, a primeira investida ao cume foi no dia 18 de maio, mas a brasileira retornou de 7700 metros, juntamente com vários outros alpinistas que estavam atacando o cume. Apenas cinco conseguiram ir até o cume do Dhaulagiri naquela ocasião, entre os quais o grande Mario Panzeri, que sagrou-se o 29º alpinista a conquistar todas as 14 montanhas 8000 (o 16º sem oxigênio engarrafado, e o 5º italiano).

O Dhaulagiri também era potencialmente alvo de Waldemar Niclevicz, mas tendo em vista que não obteve o cume no Annapura, cancelou essa tentativa de double-header. Agora Waldemar irá rumar ao Karakoram, para tentar uma dobradinha no Baltoro: possivelmente Gasherbrum I e Broad Peak, que são dois dos 8000 que lhe faltam. Provavelmente, Cleo também dará as caras por lá (Cleo não tentou o K2, que estava programado para 2011, por conta de sua lesão na perna. Assim, é possível que enfrente essa montanha em 2012, talvez em um double-header com o Broad Peak, que também falta no seu currículo).

EVEREST

A grande atração da temporada do Everest foi a mega-expedição chilena. Sob a liderança do experiente Rodrigo Jordán, a Expedición Vertical Everest Chile 20 Años, em comemoração aos vinte anos da primeira expedição chilena ao Everest, que colocou Cristán García-Huidobro no cume, foi um sucesso completo. Os chilenos foram a primeira expedição a fazer cume nesta temporada, no dia 18, de manhã bem cedo, colocando no cume dez alpinistas e dez sherpas de apoio, num total de vinte cumes. Com isso, o Chile hoje detém 25 cumes no Everest, empatando com a Argentina, e à frente do Brasil (que tem 15 cumes).

O guia equatoriano José Luis Peralvo fez novamente cume no Everest, pela rota nepalesa, guiando para a companhia Alpine Ascents. Esse é o quarto cume de Peralvo no Everest, tornando-se o segundo sulamericano com mais ascensões bem sucedidas, apenas atrás de Willie Benegas (com dez).

Os mexicanos Javier (Javi) Perez e Hector Sanchez (Chino) Torres nem chegaram a tentar escalar o Everest. O líder da sua expedição - Russell Brice, da empresa Himex/Alpenglow - resolveu cancelá-la pela periculosidade na cascata de gelo do Khumbu e por conta das constantes quedas de rocha ao longo da rota.

Na primeira leva de cumes da empresa canadense Peak Freaks, não fizeram cume os guias Angel Armesto (ARG) e Joshua Jarrín Molina (ECU). Este último integra o projeto do top climber Ivan Vallejo – “Somos Ecuador en las montañas del mundo” – e fez cume no Khan Tengri e na face sul do Aconcágua. O brasileiro Armando Oliveira integrou a expedição da Peak Freaks, mas, nessa primeira aventura, foi na qualidade de trekker.

O argentino Damian Benegas (3 cumes no Everest) fez cume no dia 19 de maio no Lhotse (8.511m), quarta maior montanha do planeta. Damian é um dos guias da empresa argentino-americana Patagonian Brothers/Benegas Brothers Expeditions. O resto do time, que inclui Willie Benegas (irmão gêmeo de Damian), Fernando Rodriguez de Hoz e Hernán (El Pampa) Carracedo, todos argentinos, aguarda a próxima janela de bom tempo para buscar o cimo do Everest.

Sobre a expedição de Warner Rojas Chinchilla, que pretende ser o primeiro alpinista "tico" a culminar o Everest (os "ticos" são os naturais da Costa Rica), ainda não há informações. No seu blog não há atualizações recentes, e nem na mídia costa-riquenha.

 

SHISHAPANGMA

 

Ariel Perinetti, escalador de Mendoza, Argentina, se juntou à expedição basca ao Shishapangma, composta por três alpinistas muito famosos no circuito - Juanito Oiarzábal, Carlos Pauner e Juanjo Garra. Foi divulgado que haviam feito o cume no dia 16 de maio, mas declarações posteriores denotaram que os alpinistas haviam ficado a cerca de 50 metros do real cume. A baixa visibilidade nas encostas anteriores foi a causa do equívoco, que felizmente foi elucidado.

 

KANGCHENJUNGA

 

Um dos países com maior tradição no Himalaia, o Chile está empenhado na conquista de todos os 14 oitomil de forma coletiva. Ao contrário do Brasil, onde o individualismo é a regra, em terras chilenas eles pretendem fazer conquista conjunta.

O time, liderado por Luis Alvarez e composto por Daniel Rutllant, Alex Koller, Rodney Gonzalez, Mario Sepulveda e Rodrigo Retamal, fez tentativa de cume entre os dias 15 e 17 de maio. Apesar dos esforços, a expedição não logrou êxito. Todavia, o intento foi sério, até os 8400 metros na rota normal da montanha. Deve ser ressaltado que o Kangchenjunga é um dos 8000 mais tecnicamente exigentes, e do último acampamento de altitude até o cume é uma das montanhas mais desgastantes. Por esses motivos, aliados ao fato de ser montanha longuínqua, fazem com que seja um dos oitomil menos escalados. A expedição chilena já está em fase de finalização e retorno para a América do Sul.

 

CHO OYU

O montanhista argentino/brasileiro Maximo Kausch está novamente trabalhando como lider da expedição Summit Climb. Ele está no summit push junto com seus clientes e a expectativa é que chegue ao topo no dia 25. Se ele lograr a expedição, será o quarto cume dele nesta montanha, confirmando o recorde de ser o sulamericano com mais cumes no Cho Oyu.

 

Por: Rodrigo Granzotto Peron

Texto finalizado em: 21-5-2012, atualizado em 24-5-2012

Publicidade