Triatleta paranaense escala duas vezes o Elbrus - AltaMontanha.com - Portal de Montanhismo, Escalada e Aventuras
Cume Leste e cume Oeste

Triatleta paranaense escala duas vezes o Elbrus

Como o primeiro ataque ao cume ocorreu mais rápido do que o esperado, Camilo Benke resolveu escalar o Monte Elbrus pela 2ª vez. 5.642 metros por duas vezes. Esse foi o novo feito do triatleta paranaense Camilo Benke. O atleta, conhecido por cumprir desafios inusitados, embarcou em agosto para o Monte Elbrus, localizado na Rússia, o ponto mais alto da Europa. Este foi o 10º desafio de Benke. O triatleta, que também é médico, embarcou para a Rússia com a intenção de escalar o Elbrus apenas uma vez. Porém, chegando lá, tudo mudou e a escalada acabou se tornando um duplo desafio.

Fonte: camilobenke.com.br

O Elbrus é uma montanha com dois picos, o cume oeste e o cume leste. A maior parte das pessoas escala a montanha com o objetivo de fazer o cume oeste por ser o ponto mais alto da Europa. Essa também era a intenção de Camilo.

 
“O meu objetivo quando saí do Brasil era a conquista do cume oeste. Acabamos tendo que adiantar o cronograma uma vez que tínhamos a previsão da entrada de mal tempo que permaneceria por alguns dias. Devido a isso aceleramos e atingimos o cume oeste em apenas três dias. Ao retornar à cidade de Cheguet, vilarejo que fica na base do Elbrus, resolvi voltar à montanha agora para a conquista do cume leste. Sendo assim, no dia 01 de setembro, atingi também o cume leste", conta Camilo que fez juz ao lema que carrega no peito: You Can (você pode).
 
A primeira escalada de Camilo Benke durou três dias no total. No primeiro dia foram vencidos 3.800 metros de altura e no segundo aconteceu a ascensão até 4.800 metros. O ataque ao cume feito de madrugada, chegando ao topo por volta de 10 da manhã do dia 29 de agosto. Em toda a escalada, Benke passou por trechos de pedras e de neve e temperatura de -20 graus, uma vez que nesta época o clima na região começa a ficar mais rigoroso.
 
“Cada montanha tem suas peculiaridades, desde a cultura dos montanhistas locais, até os obstáculos que ela apresenta. A mesma montanha muda muito dependendo da época, ou mesmo em questão de horas. Vista de longe a montanha parece uma grande massa estática, mas isto é um grande engano. A montanha é viva, e esta em constante movimento com seus elementos“, explica Benke.
 
E foi isso que ele percebeu no seu segundo ataque ao cume. “Desta vez a escalada foi bem mais difícil", disse. Em primeiro lugar, o atleta explica que o ataque ao cume foi feito a partir de um acampamento que fica muito distante do cume.  “Iniciamos o ataque ao cume partindo de Barrels acampamento que fica a 3800 metros de altitude, muito distante tanto do cume leste como oeste. Levamos mais de 10 horas para atingir o cume. A ultima hora antes do cume foi intensa pois a subida se acentuou bastante, e de uma temperatura negativa passamos a um calor muito forte, sem nenhum vento, além de estarmos pressionados por uma mudança de tempo que estava por vir“, explica Camilo.
 
Outro ponto de dificuldade, segundo ele, foi porque a rota escolhida segue em linha reta até o cume, o que torna a escalada muito dura. “É uma subida constante que se acentua ainda mais nos últimos 300 metros verticais“, conta.
 
“Retorno muito agradecido pelo sucesso e pela experiência vivida. Tive ainda a satisfação em fazer a primeira ascensão com Ivan Moshnikov um excelente escalador e filho de um dos mais respeitados escaladores russos, Anatoly Moshnikov", diz Camilo.
 
PREPARAÇÃO - Para alcançar o seu objetivo de chegar ao cume do gelado Elbrus, Camilo intensificou os treinamentos nos últimos três meses antes da viagem, focando em treinamento de endurance, que visa desenvolver a resistência do atleta.
 
"Não existe um treinamento que possa realmente simular as condições impostas pelas altas montanhas. O ar rarefeito, as longas ascensões com muita neve, gelo e condições climáticas adversas, como temperaturas abaixo de zero e fortes ventos”, reforça Camilo. Para seu preparo o atleta treina as modalidades do triathlon, natação, ciclismo e corrida, chegando a oito horas de treino em dias mais focados.
 
E a rotina é dupla! Ele reveza as horas de treino com as horas que atua como médico. Especializado em medicina esportiva Camilo é clinico nos hospitais da Cruz Vermelha e Vita em Curitiba.
 
DESAFIOS CONQUISTADOS
 
Camilo Benke iniciou seus treinamentos há seis anos com o objetivo de concluir a prova de Ironman, considerada umas das mais exigentes do mundo, com 3,8 km de natação, 180 km de ciclismo e 42 km de corrida. Após ter concluído sua primeira prova de Ironman Camilo não parou por aí, ficou ainda mais motivado.
 
O próximo desafio em busca da auto-superação foi duplo: escalar uma montanha de grande altitude, o Kilimanjaro, a mais alta da África, poucos dias após a realização de uma prova de Ironman na África do Sul. "Até então ninguém tinha tentado escalar uma alta montanha logo após a conclusão de um Ironman. Não sabia como meu corpo reagiria com apenas uma semana de intervalo entre os dois eventos. Normalmente nas quatro semanas que seguem uma prova de Ironman nós entramos em um período de regeneração, sem treinos longos ou intensos", conta.
 
Outro desafio aconteceu em 2009, dessa vez triplo. Chegou em 11º lugar na sua categoria na prova de Ironman do Arizona e chegou ao cume das montanhas Cerro Plata de 6.000metros e Aconcágua, montanha mais alta da America, ambas localizadas na cordilheira dos Andes, na Argentina. Tudo isso em apenas 29 dias. Apenas a subida do Aconcágua normalmente se dá em 15 a 20 dias. "A conclusão com sucesso de tal feito não se da apenas com treinamento. São muitos elementos e decisões, planejamento, logística e ajustes diários em todo o processo''.
 
Além disso, ao longo desses seis anos em busca da auto-superação, Camilo completou mais duas provas de Ironman com 20 dias de intervalo, e escalou o Mont Blanc, montanha mais alta da Europa ocidental. No total são cinco provas de Ironman e cinco montanhas de grande altitude.
 
Além de médico e triatleta aos 33 anos, Camilo dá palestras motivacionais estimulando todos a irem atrás de seus objetivos. “Normalmente existe uma resistência de nós mesmos sobre o que é possível fazer. Acredito que com a clareza do objetivo, planejamento, foco e determinação é possível chegar onde queremos”, finaliza.
 
Camilo teve o apoio da Garra Suplementos para a dupla escalada do Monte Elbrus.
 
Camilo Benke
 
Formação: médico, especialista em Medicina Esportiva, possui MBA em Gestão Empresarial e MBA em Gestão em Saúde pela Fundação Getulio Vargas, triatleta e montanhista.
Algumas conquistas:
Ironman Brasil (março de2007)
Ironman África do Sul(abril de 2008)
Monte Kilimanjaro –Tanzânia (abril de 2008)
Ironman Inglaterra (setembro de 2008)
Ironman– Chesapeakman –Washington (setembro de 2008)
Ironman Arizona(novembro de 2009)
Monte Cerro Plata –Andes – Argentina (dezembro de 2009)
Monte Aconcágua – Andes– Argentina (dezembro de 2009)
Mont Blanc – Alpes –França (julho de 2011)
Monte Elbrus cume oeste-Cáucaso-Rússia (agosto de 2012)
Monte Elbrus cume leste-Cáucaso-Rússia (setembro de 2012)
Destaques:
2008– Duplo desafio África – competiu o Ironman da África do Sul e atingiu o cume do monte Kilimanjaro, na Tanzânia, apenas uma semana depois.
2009– Sequência dedesafios – em 29 dias completou o Ironman do Arizona, nos Estados Unidos,ficando em 11° posição em sua categoria, escalou e atingiu o cume do monte Cerro Plata e do Aconcágua, na cordilheira dos Andes.
2012– Dupla escalada do Monte Elbrus: o mais alto da Europa

Publicidade:


Publicidade

Publicidade