Maximo Kausch escala 10 montanhas de 6000 metros sozinho - AltaMontanha.com - Portal de Montanhismo, Escalada e Aventuras
Solidão

Maximo Kausch escala 10 montanhas de 6000 metros sozinho

O alpinista esta atualmente na Argentina onde continua escalando montanhas com mais de 6000 metros. Até agora as escaladas duraram 21 dias e envolveram longas aproximações nas quais Maximo percorreu numa moto. E as escaladas ainda não acabaram!

Fonte: Redação

Montanhas realmente remotas como o Palermo e o Aracar foram alvo de Maximo Kausch nesta temporada. Segundo o alpinista alguns dos maiores desafios nestas expedições são a falta de água, solidão e complexas aproximações.

A aclimatação começou no Chile com a escalada do curioso Aucanquilcha com 6176m no norte dos país. No dia seguinte Maximo se aproximou da crista sul do desconhecido Palpana (6023m) com sua moto. No caminho ao cume ele teve que escalar diversas passagens em rocha para chegar ao cume principal. A aclimatação continuou com o San Pedro (6145m), San Pablo (6092m) e o belo vulcão Pili (6046m).

Na Argentina, Maximo iniciou a temporada com nada mais que o conjunto Cachi (6380m), Palermo (6150m) e Quemado (6100m). Na crista destas montanhas ele pegou ventos de ate 110 km/h, mas não desistiu.

Ao descer ele foi para o desconhecido Quewar (6140m), onde ele teve que percorrer um pântano para aproximar a montanha. Ao estar tão bem aclimatado ele conseguiu aproximar, escalar e descer a montanha em menos de 24 horas. Dormindo na estrada mesmo, Maximo continuou para o Aracar (6195m) e alcançou o cume em 28 horas.

Ainda esta semana ele pretende escalar o Llullaillaco (6739m), Pular (6233m), Salin (6029m), Socompa (6051m) e os dois cumes do Antofalla (6440m e 6390m).

Para estas escaladas é necessário muito comprometimento não só psicológico, mas também logístico. Maximo nos contou que em algumas escaladas a única água ficava na neve eterna na região do cume. Em pelo menos dois montanhas sua única opção era chegar ao cume para poder derreter neve e ter o que beber mais tarde.

A moto também e um grande comprometimento. Maximo teve que fazer diversas modificações na moto para que ela aguente as condições extremas que estas aproximações exigem. Em um dos vulcões, ele capotou a moto e se salvou por pouco.

Aguentar a demanda psicológica e sem dúvida um dos maiores desafios segundo Maximo. Ele conta que as longas expedições no Himalaia foram uma experiência indispensável para poder aguentar a solidão neste remoto grupo de montanhas nos Andes.

Todas estas escaladas estarão disponíveis em breve no Rumos.net.br. A redação do AltaMontanha.com aguarda mais notícias de Maximo Kausch.

Boa sorte nas próximas Max!

 

Publicidade:


Publicidade

Publicidade