Mais notícias sobre morte no Pão de Açúcar, identidade do escalador - AltaMontanha.com - Portal de Montanhismo, Escalada e Aventuras
Tragédia

Mais notícias sobre morte no Pão de Açúcar, identidade do escalador

O nome do rapaz era Bruno da Silva Mendes, tinha 32 anos, e supostamente a proteção na parede se rompeu causando sua queda.

Fonte: Folha de SP

 

De acordo com uma das socorristas, a versão da mulher que acompanhava o falecido na tarde deste domingo (2 de dezembro), após despencar por alguns metros do morro do Pão de Açúcar, na Urca, na zona sul do Rio, o cabo que sustentava Bruno da Silva Mendes, 32, parecia estar enferrujado e arrebentou. Ele teria então ficado pendurado no corpo dela por uma corda.
 
De acordo com o GOA (Grupamento de Operações Aéreas) do Corpo de Bombeiros, o rapaz estava quase no topo quando teve um problema com o equipamento e despencou vários metros, ficando preso pelas pernas, com o tronco para baixo.
 
Os bombeiros foram acionados por volta de 15h e o resgate do rapaz levou duas horas por causa da dificuldade de acesso ao local.
 
A assessoria de imprensa dos bombeiros informou que Mendes foi levado inicialmente para um campo do Exército próximo e, de lá, encaminhado para o hospital municipal Rocha Maia, em Botafogo.
 
Andreia, 40, que praticava escalada há cerca de um ano, foi resgatada com vida. Os bombeiros subiram de bondinho para o topo do morro para poder resgatá-la e a levaram para o solo em uma cadeiras de rodas, também de bondinho.
 
Ela sofreu algumas escoriações e foi levada para o hospital Miguel Couto, na Gávea (zona sul), devido à compressão que sofreu ao sustentar o peso de Bruno. Os familiares dela estão no hospital e devem transferi-la para outro local.
 
Ao acompanhar a chegada da mulher à unidade, a Folha viu a calça de ginástica preta da alpinista rasgada e suas mãos queimadas. Segundo uma irmã de Andreia, ela disse que queria "ter morrido para salvá-lo."
 
O costão do Pão de Açúcar, um dos principais cartões-postais da cidade, é muito procurado por praticantes de escalada. Em julho do ano passado um outro homem morreu ao cair do costão, na região próxima à pista Claudio Coutinho.
 
De acordo com escaladores que trabalham na região, a provável rota seguida pelos dois (Via dos Italianos e Cepi) é uma das mais tradicionais e frequentadas do Rio e, por isso, é lá onde ocorrem a maior parte dos acidentes. Segundo os profissionais, a maioria dos acidentes são causados por falha humana devido à falta de experiência.
 
Condolências à família de Bruno.
 
 

Publicidade:


Publicidade

Publicidade