Daniela Teixeira já montou o C1 no Gasherbrum II - AltaMontanha.com - Portal de Montanhismo, Escalada e Aventuras
Gasherbrum II

Daniela Teixeira já montou o C1 no Gasherbrum II

Após uma noite improvisada no glaciar, a equipe de Portugal chegou ao Acampamento 1 do Gasherbrum II, onde instalou as barracas e já partiram para aclimatação no C2.

Fonte:

A dupla de portugueses, Daniela Teixeira e Paulo Roxo já montaram as barracas no Acampamento 1 (6.000m) do Gasherbrum II, após terem que permanecer um dia e uma noite no meio do glaciar, devido ao mal tempo que os pegou de surpresa, quando tentavam chegar ao C1.

Na madrugada de domingo, os dois saíram às 2 horas da manhã para montar o A1, porém por volta das 9 horas o tempo fechou, obrigando-os a montar um acampamento improvisado.

"Quando o tempo fechou, o nevoeiro impossibilitou a progressão de todas as equipes, o que obrigou alguns de nós a passar a noite num improvisado campo no glaciar. Neste "Campo dos Refugiados", como apelidamos o local, pouco mais se poderia dar do que três passos, já que estávamos rodeados por profundas gretas.

No outro dia prosseguiram a caminhada até o A1, aonde chegaram por volta das 9 horas da manhã.

"Sabíamos que não teria trilha ou caminho a ser seguido, de maneira que coube a nós abrir a última parte do caminho. O tempo estava excelente e a boa visibilidade facilitou-nos a tarefa. Finalmente o Campo 1, pelas nove da manhã!"

Neste dia, como chegaram cedo, aproveitaram para descansar, comer e principalmente, se reidratar da longa jornada dos dias anteriores.

Hoje, a dupla, ao contrário das outras expedições que resolveram retornar ao Campo Base, tentou atacar o C2, para ajudar na aclimatação. Contudo, a dificuldade da rota, ainda sem nenhuma ascensão este ano, o fizeram desistir.

"Atirávamos-nos à vertente ainda despida de cordas fixas e pegadas. Para evitar riscos maiores de avalanches escolhemos uma linha bastante empinada à esquerda de um esporão de grandes blocos de gelo. As más condições da neve e do gelo obrigaram-nos a colocar várias proteções intermédias, o que tornou a ascensão mais demorada.

Por volta das 8 da manhã e quase a meio caminho, o sol escaldante resolveu-nos estragar os planos. Decidimos descer o mais rápido que os nossos crampons permitissem, tentando evitar o crescente risco de avalanche. No entanto, foi uma boa incursão que contribuiu para aclimatar um pouco mais e para retirar a ferrugem aos piolets e parafusos de gelo."

Publicidade:


Publicidade

Publicidade