Primeiro salto de base jump no Marumbi - AltaMontanha.com - Portal de Montanhismo, Escalada e Aventuras
Pra que rapelar?

Primeiro salto de base jump no Marumbi

O basejumper curitibano Caco Kruger, de 37 anos acabou de realizar o primeiro salto de base jump no Marumbi, tradicional local de montanhismo no Estado. Diferente de muitas montanhas da cadeia da Serra do Mar, o Marumbi apresenta vertentes escarpadas e até negativas que possibilitam o salto. Por outro lado, o difícil acesso aos penhascos, a vegetação e outros obstáculos dificultam a prática de base jump, que é tido como o esporte mais perigoso que existe. Conversamos com Caco para saber como foi este salto e qual a possibilidade de nossas montanhas se tornar locais para pratica deste belo e arriscado esporte.

Fonte: Redação

AltaMontanha.com: Há quanto tempo você pratica base jump, quais foram seus principais saltos?
 
Caco Kruger: Pratico base jump desde 2008. O salto do Marumbi foi meu salto 441, entre esses, destaco o salto na norte face do Eiger nos alpes suíços, onde fui o primeiro brasileiro a realizar esse salto em julho de 2009! E participei das edições de 2010 e 2011 do Extreme World Championship no Gran Hotel Bali na Espanha onde consegui o 11lugar em 2010 e 6 lugar em 2011!
 
AM: O que te levou a praticar este esporte?
 
CK: O que me levou ao basejump foi o gosto pela adrenalina dos esportes radicais. 
 
AM: Quando e por que surgiu a idéia de saltar do Marumbi? 
 
CK: O interesse pelo Marumbi surgiu pela vontade de abrir novos saltos, ainda mais numa montanha que é o berço do montanhismo no Brasil e fica "do lado de casa"!!!
 
AM: Como foi o planejamento para este salto?
 
CK: Comecei o planejamento me informando sobre quais as partes mais verticais da montanha. Procurei falar com escaladores q conheciam bem a montanha e fui formando as primeiras ideias!! Uma semana antes do salto subi até o Parque do Lineu e cume do Abrolhos para visualizar as paredes! Depois fui pra lá com a Val Brito e Robson Moreira(Cave) para conhecer mais e já levei o equipamento. Chegando lá a Val me apresentou a Elisa Moreira e Anderson Bulgacov (Camarão) e começamos a visualizar de baixo um possível ponto para o salto!! Avistamos uma pedra acima da torre dos sinos q me pareceu bem exposta ao vertical mas de difícil acesso!! O Camarão me disse acho q conseguimos chegar ali sim. Então já fiz a investida levando o paraquedas pois não tinha vento no dia, e se eu chagasse lá e fosse realmente vertical e livre pra salto, já saltaria!! Fizemos acho que a trilha leste subimos no cume da torre dos sinos e tivemos q procurar aquela pedra(platô) que avistamos de baixo. Fizemos uma descida numa vegetação fechada com muitos espinhos e bem exposta em alguns pontos!! Depois de umas 2horas procurando não conseguíamos chegar no platô, e quando eu já estava pensando em ir embora pra voltar depois e trazer uma corda maior que tínhamos na hora e fazer um rapel até o platô, o Camarão disse: já estamos tudo arranhado mesmo vamos fazer mais uma tentativa de chegar lá só q mais pela aresta da parede!!! O Camarão conseguiu chegar no platô onde percebi que não era plano (uma aderência de uns 45graus pra baixo), e eu não podia chegar na beirada sem corda para olhar para baixo e ter a confirmação de que era mesmo vertical e livre pro salto! Pegamos a corda cheguei na beirada e vi que era possível saltar dali! Então o Camarão ficou ancorado na aderência pra me ajudar, equipei o paraquedas e esperei uma janela do vento q tinha rajadas um pouco mais forte nessa hora! Esperei a janela e sai correndo na aderência pro salto. Não deixei cair muito pois não sabia exatamente o tempo pro impacto e a navegação é longe então meu plano era abrir o mais alto possível a partir da configuração (hand held) que eu estava! O paraquedas abriu perfeito porem senti um pouco de turbulência perto da montanha, mas foi tranquilo, logo que me afastei um pouco da parede o paraquedas já voou muito bem, fiz uma navegação linda e cheguei bem alto em cima do campinho onde eu queria pousar. Então foi preparar o pouso que é meio apertado cercado de grandes arvores sem muita margem pra erro. Foi tudo perfeito!!
 
AM: Como você achou o salto, o Marumbi tem potencialidade de se tornar um local consagrado para o base Jump, há pontos de salto na serra que podem ser próximos desafios?
 
CK: Classifiquei o salto nesse ponto que fiz como bem “Casca”!! Difícil acesso a Exit Point, paredes por perto na hora da abertura, navegação longa e pouso bem restrito!!! Eh um salto para basejumpers experientes com certeza!!! Acho q o Marumbi deve sim ter mais pontos pra salto, mas penso que todos serão saltos de alto grau de dificuldade!! Na Serra do Mar estou pensando no Morro do 7 porque também me parece saltável!!! Mas ainda preciso ir até o cume pra ter mais informações a respeito!!
 
 

Publicidade:


Publicidade

Publicidade