Fósseis, mortos, joias e até um avião: as surpresas encontradas com o derretimento das geleiras - AltaMontanha.com - Portal de Montanhismo, Escalada e Aventuras
Arqueologia inusitada

Fósseis, mortos, joias e até um avião: as surpresas encontradas com o derretimento das geleiras

Aquecimento global tornou mais fácil localizar coisas em montanhas e deu origem à nova forma de arqueologia.

Fonte: G1/BBC News

Quando os alpinistas se perdem, pode levar décadas até que seus corpos sejam encontrados em meio ao gelo e à neve da montanha.
 
Mas, com o aumento global das temperaturas, as superfícies congeladas estão diminuindo, o que traz novas esperanças para as famílias dos mortos.
 
"Sempre estou procurando coisas, cores que não pertencem à natureza, e com muita frequência as vejo: pitões (ferramentas de escalada), mochilas...", diz Gerold Biner, piloto de resgate nos Alpes. "A face oriental do Matterhorn (4.478 m) está coberta de coisas. Sempre digo que uma loja para alpinistas poderia ser aberta com tudo que há ali."
 
Mas, há dois anos, Biner notou algo diferente ao pé da geleira. Era o corpo do alpinista britânico Jonathan Conville, desaparecido em 1979, que havia ficado exposto depois que o gelo se transformou em água.
 
Durante os 34 anos que se seguiram ao acidente, o corpo dele foi deslizando gradualmente para baixo, no interior da geleira.
 
Em setembro do ano passado - o mês em que a capa de gelo é menor, no fim do verão - foram encontrados outros dois corpos: o dos japoneses Masayuki Kobaysahi e Michio Oikawa, desaparecidos após uma tempestade de neve em 1970.
 
 
Tesouros escondidos
 
Em 2014, também foram recuperadas outras coisas dos Alpes: de restos de um avião bombardeiro americano da 2ª Guerra Mundial até uma pilhagem de esmeraldas, rubis e safiras de um voo da Air India que bateu no Mont Blanc (4.810 m) em 1966.
 
Nas últimas décadas, as geleiras estão retrocedendo muito mais rápido, explica Martin Grosjean, especialista em geleiras do Instituto Oeschger da Universidade de Berna, na Suíça. Até o gelo que ficou intacto por milhares de anos começou a derreter, dando lugar a uma nova disciplina: a arqueologia de geleiras.
 
Além de Oetzi, o homem mumificado de 3 mil anos achado na fronteira entre Itália e Áustria em 1991, foram encontrados utensílios do lar e roupas de mais de 5 mil anos nas montanhas ao sul de Berna.
O material trouxe novos dados sobre uma civilização dos Alpes da Idade do Bronze que se mostrou muito mais sofisticada do que se pensava. Centenas de pregos de sapatos romanos também foram encontrados no gelo. Esforços válidos?
 
À luz deste achados, não deveria então ser feito um esforço, sobretudo em setembro, para procurar os alpinistas que se perderam e cujos corpos nunca foram localizados?
 
A ausência de um corpo torna mais difícil aceitar que um ser querido não voltará.
O problema é que "as geleiras avançam e retrocedem naturalmente", disse Grosjean. "Na parte de cima, faz frio e cai neve. Abaixo, o gelo derrete. As geleiras deslizam naturalmente para baixo, o que significa que tudo cai em uma fenda... e mais tarde aparece na parte mais baixa da geleira."
 
Em média, passam-se de 20 a 50 anos até que algo preso à geleira seja expulso. Mas o processo pode levar até cem anos.
 
Quando os arqueólogos de geleiras recuperam corpos ou artefatos da montanha, isso geralmente ocorre em áreas em que o gelo não está se movendo, porque a área não é tão inclinada ou porque o bloco de gelo não é suficientemente grande ou pesado. Mas sempre há exceções. Segundo Martin Callanan, pesquisador da Universidade Norueguesa de Ciência e Tecnologia, a situação não é tão simples.
 
"O mundo gelado aqui em cima é terrivelmente complexo - tão complexo como a massa de terra que está abaixo com suas margens, valas e fissuras. Simplesmente não sabemos onde ou quando podem aparecer restos congelados antigos"
 
À medida que o degelo avança, os corpos dos montanhistas perdidos, diz, podem surgir de zonas de uma geleira em movimento que, por alguma razão, permaneceram estáticas.
Biner não acredita que seja uma boa ideia buscar sistematicamente os alpinistas desaparecidos há anos. Katrina Taee, irmã de Jonathan Conville, concorda.
 
"Claro que, em princípio, você está desesperado para encontrá-los vivos", diz. "Mas você sabe que, a cada vez que alguém sobre o Matterhorn, há muitos riscos. Pessoalmente, não quero que ninguém se coloque em uma situação de risco pelo meu irmão", afirma. "Para que arriscar uma vida por alguém que morreu há muito tempo?"

Publicidade