Expedição de Maximo Kausch cruza a fronteira no Tibete - AltaMontanha.com - Portal de Montanhismo, Escalada e Aventuras
Himalaísmo brasileiro

Expedição de Maximo Kausch cruza a fronteira no Tibete

A expedição do brasileiro teve muitos problemas para conseguir o visto para escalar o Cho Oyu, no Tibet. Porém na terça feira a situação foi definida e hoje eles devem cruzar a fronteira.

Fonte:

A expedição ao Cho Oyu 2008, da qual o Maximo Kausch faz parte, recebeu finalmente no dia 2 de Setembro o `Climbing Permit´. Ontem, dia 3, os alpinistas receberam os vistos para entrar no Tibete e hoje dia 4 irão cruzar a fronteira.

Restrições

Aparentemente só não foi permitida a presença de jornalistas nesta expedição, o que demonstra que a China ainda impõe restrições de entrada no Tibet.

A equipe da expedição é composta por 2 lideres, e lideres em treinamento (inclusive o Max) e 19 membros de diferentes nacionalidades, homens e mulheres.

A equipe

• Mr. Dan Mazur - USA (leader)
• Mr. Sam Mansikka - Finland (leader)
• Mr. Maximo Kausch – Argentina/Brasil (leader-in-training)
• Mr. Erik Petersen - USA (leader-in-training)
• Mr. Michiel Zuidweg - USA (leader-in-training)
• Ms. Squash Falconer - UK
• Ms. Suzy Madge - UK
• Mr. Marko Aho - Finland
• Mr. Kurt Blair - USA
• Mr. Tom Clarke - Australia
• Mr. Ron Cloud - USA
• Mr. David Fairweather - UK
• Mr. Heikki Kallio - Finland
• Mr. Pertti Kalliola - Finland
• Mr. Gary Kellund - USA
• Mr. Raimo Koponen - Finland
• Mr. Willem Leendertse - the Netherlands
• Mr. John Pando - USA
• Mr. Federico Rota - Italy
• Mr. Vik Sahney - USA
• Mr. Keith Spencer - USA
• Mr. Gavin Turner - Australia
• Mr. Mikko Valanne - Finland
• Mr. Krzysztof Wasowski - Poland

História do Brasileiro

O ""meio"" brasileiro ""meio"" argentino Maximo Kausch foi ao Himalaia pela primeira vez em 2004 para escalar o Ama Dablam, nesta oportunidade ele escalou a montanha sozinho fazendo auto segurança e fixando as cordas para as expedições comerciais subirem em seguida. Isso chamou a atenção de Dan, que o contratou para no ano seguinte guiar uma expedição para o Everest e Lhotse pelo Khumbu, nesta época Maximo tinha 24 anos.

No Lhotse, no ano seguinte, ele esteve na montanha e não pode fazer cume devido ao mal tempo, sendo que a única pessoa a fazer cume na ocasião foi o português João Garcia, que hoje está próximo de completar todos os catorze oito mil. Maximo permaneceu duas noites acima da altitude de oito mil metros sem oxigênio complementar.

Em 2006, Maximo voltou ao Himalaia para escalar nos Pamires do Tadjiquistão. Lá ele escalou o Pik Korjenevskoya, de 7100 metros, a primeira vez que um latino americano chegou no topo daquela montanha. Entretanto, quando ele regressava do cume, parou para ajudar uma expedição russa e a desidratação provocada por este socorro em altitude extrema levou-o à um edema retinal e ele perdeu 40% da visão no olho esquerdo.

Desejamos boa sorte a todos, principalmente ao amigo Maximo Kausch.

Publicidade:


Publicidade

Publicidade