Argentina: Um museu de montanhismo na base do cerro Arco - AltaMontanha.com - Portal de Montanhismo, Escalada e Aventuras
História preservada

Argentina: Um museu de montanhismo na base do cerro Arco

Cerca de 400 visitantes ingressam nesta região por fim de semana, entre caminhantes, atletas e parapentistas. Muitos se reúnem na base para passar um bom tempo entre amigos

Fonte: Los Andes - Argentina

Antigos equipamentos de montanha, esquis, fotos com ascensões a distintos cumes, elementos da cultura inca e até a réplica em miniatura do cerro Aconcagua, podem ser observados neste museu dedicado ao montanhismo que se localiza ao pé do cerro Arco.

Faz alguns anos, este local recebe milhares de visitantes por ano em busca de informação sobre a orografia mendocina, embora a grande maioria sempre passe pelo lugar para adquirir provisões de líquido antes de empreender a subida ou recuperar forças com um assado no regresso da viagem.

Por ali passam entre 300 e 400 pessoas por fim de semana com o propósito de subir este cerro de somente 1.580 metros, mas que tem um desnível de quase 600 metros, segundo conta Patricia, que ontem estava encarregada do museu que com muito carinho e paixão vem montando com seu esposo, o experiente montanhista Domingo Álvarez.

Ele, junto a Alejandro Randis, Daniel Rodríguez, Lito Sánchez, são os primeiros escaladores mendocinos da parede sul. Da expedição, realizada em 1986, participou também o colombiano Manuel Barrios.

Além de oferecer informação da montanha e da atividade programada, Patricia e Domingo Álvarez tem um restaurante crioulo, chamado Puerta de la Quebrada.

"É um lugar de amigos que vem buscar um espaço de montanha com histórias, vivências, do exercício e posterior descanso do fim de semana", repete Patricia enquanto exibe um folheto de apresentação do negócio.

"O museu foi feito por Domingo para que os jovens se interessem cada vez mais pela montanha", explica Patricia, e disse que a maquete do Aconcagua foi realizada por Domingo "de memória", já que a percorreu por todas as rotas.

Em seu site na internet, www.puertadelaquebrada.com.ar, se pode consultar informação sobre a flora e a fauna da região e de outros níveis da orografia mendocina.

"Junto a Jorge Giaquinta, outro montanhista amigo, decidimos montar isto para aproximar a montanha das pessoas e falar de todos os temas relacionados a ela. Um lugar muito importante é ocupado pela difusão da cultura inca, já que eles foram os primeiros a subir os cumes mais importantes do continente", explicou o experiente escalador Domingo Alvarez.

Sobre a grande quantidade de visitas que tem o cerro Arco, o andinista explicou que uma das chaves é o bom nível de treinamento que exige, embora tenha esclarecido que ali pode subir qualquer pessoa que deseje explorar a região do pé da montanha.

Entretanto, disse que para um esportista, concretamente um andinista que pretende fazer cume no Aconcagua, os 543 metros de desnivel que tem o cerro Arco servem de treinamento. "No Aconcagua entre Plaza de Mulas e Nido de Cóndores existe 1.200 metros de desnível. Então, para fazer um percurso similar no Arco, teria que fazê-lo duas vezes, para que o andinista tenha um parâmetro".

As três quartas partes do percurso são de pronunciadas pendentes, e a grande maioria dos trekkers e esportistas sobem caminhando. Alguns poucos o fazem correndo ou de bicicleta. E outros sobem em jeep ou 4x4 mas tem outro objetivo: descer de parapente, já que o cerro é o lugar preferido na província pelos aficcionados deste esporte.

Antes de chegar ao cume, se pode ver uma cruz que homenageia Andreas Christian Roemmers, parapentista falecido no lugar em 1996.

"De vez em quando subimos o cerro porque gostamos muito do lugar e ver a cidade de cima", disseram Alfredo e Laura Enríquez. Ao sudoeste do cume se pode observar o Tupungato, o Plata e ao noroeste o cerro Pelado, todos eles os pontos mais altos de visão.

Sandra, Mary, Hugo e Gabriel são quatro montanhistas que todas as semanas "fazem o Arco" como treinamento para desafios mais importantes. Na quarta-feira passada foi a última vez e ontem estiveram pelo Cordón del Plata.

Fonte: Los Andes - Argentina

Publicidade:


Publicidade

Publicidade