A primeira vez na montanha…

0

Havia algum tempo que eu olhava aquelas montanhas com olhos diferentes. Era um olhar curioso e inquieto. Investigativo e provocador. Algo dentro de mim me dizia que eu não podia permanecer impassível a tal sentimento. Chegou a hora de arriscar. Mudar um pouco.


Por esta época eu me considerava finalmente livre do “peso” de um relacionamento fracassado e estava decidido a buscar novas aventuras, de preferência que não fossem aventuras amorosas. Eu queria algo novo, que me fizesse sorrir, em vez de chorar.

Aos poucos o desejo foi aumentando, a coragem crescendo e meu lado meticuloso me fez partir em busca de informações. Primeiro a Internet. Passava horas buscando sites que me dissessem algo novo sobre nossas montanhas. Encontrei alguma coisa e essa “alguma coisa” já me deixou animado a seguir em frente. Eu literalmente embarcava nas narrativas e nas poucas imagens que eu consegui obter e já me imaginava lá em cima com aquela sensação ainda desconhecida para mim.

É verdade, eu já havia estado no cume de outras poucas montanhas. Porém ainda não havia tido o prazer da noite na montanha, na companhia de amigos montanhistas que me mostrassem tudo o que sabiam e fizesse de mim o contador de histórias de montanha que sou hoje.

Primeiro foi o Morro do Anhangava, com seus 1420 metros de altitude e eu me lembro bem. Foi em 28 de janeiro de 1995. Um sábado nublado em Curitiba que anunciava mais tarde uma chuva fininha, a despeito do verão que deveria nos presentear com muito sol e calor. Não foi o caso, mesmo assim foi ótimo, tanto que eu lembro até hoje. Lembro que o tempo estava aberto, mas próximo ao cume as nuvens o envolviam. Minha expectativa de ter um visual privilegiado frustrou-se. Somente alguns anos depois, em 1997 é que subi o Anhangava novamente e fui presenteado com um dia maravilhoso. Era início da estação seca e fui com um amigo na tradicional missa do 1º de Maio. Não havia uma nuvem sequer no céu e apesar da multidão que sempre se faz presente nesta data todos os anos, pude aproveitar bastante.

Desde então voltei umas poucas vezes ao Anhangava. As coisas foram se complicando, com a ocorrência cada vez maior de assaltos aos visitantes, culminando com o caso das duas jovens que foram violentadas e mortas em fevereiro de 2002 na Trilha do Itupava, no trecho em que ela passa na base do Anhangava. O Itupava freqüentei algumas poucas vezes, principalmente no trecho que vai da Borda do Campo até a Casa do Ipiranga, que a cada dia que passa se torna mais destruída pelos vândalos que tomaram conta do local. Numa dessas andanças subi o Pão de Ló, uma montanha de 1280 metros de altitude, vizinha ao Anhangava e que na época possuía boas vias de escalada. Até o início dos anos noventa era muito freqüentada pelo pessoal da escalada em rocha de Curitiba, mas o aumento do número de assaltos na região os afugentaram.

Chegou então o ano de 2000. Meu programado casamento frustrou-se a apenas vinte dias da data marcada. Natural que o sentimento não era dos melhores. Mas, muito encarecidamente, meus companheiros de trabalho na época, Leandro, Daniel e Nêgo, se juntaram a mim na idéia de subir o Olimpo em setembro de 2000. Foi escolhida a data de 09 e 10 deste mês para a aventura. Para os três era a primeira andança assim, pelas matas e montanhas. Eu só tinha praticamente a experiência do Anhangava e das revistas especializadas.

No fim das contas deu tudo certo. Nós quatro atingimos o cume do Olimpo, ponto mais alto do Conjunto Marumbi, com 1539 metros de altitude. Eram 12 horas 30 minutos do dia 10 de setembro de 2000. Era minha primeira montanha de fato, visto que o Anhangava tem apenas 120 metros a menos de altitude, mas muito menos tradição na história montanhística paranaense. Mas o que mais marcou foram os dias seguintes: muitas dores musculares aos pouco acostumados rapazes da cidade grande que foram se embrenhar por aí. Muitas fotos ficaram e muita história foi contada, principalmente a quem duvidava que fôssemos capazes de tal empreendimento.

Na seqüência deste mesmo ano, fiquei quietinho. Quem se manifestava era meu lado aventureiro, sempre dando mostras que eu estava na verdade perdendo tempo. Já que meu casamento havia fracassado eu teria a oportunidade de aproveitar aquelas coisas que somente pessoas sem muito compromisso com alguém pode almejar. Era preciso viver. Viver mais intensamente.

Continua em breve.

Compartilhar

Sobre o autor

Redação - AM

Texto publicado pela própria redação do Portal.

Comments are closed.