Ambientalismo

0

A mistificação ambientalista e os instrumentos para preservação ambiental são usadas como retórica vazia para o domínio político e busca incessante de poder.

Desde a queda do muro em Berlin o discurso se tem concentrado em cima da preservação ambiental e mais recentemente no aquecimento global e as pessoas gostam muito de falar sobre isto. Todo mundo tem seu pitaco a dar e distorcem os fatos conforme sua conveniência. A internet e nós que nos comunicamos através dela somos freqüentemente acusados de promover a destruição das montanhas e dos parques quando divulgamos uma nova rota ou uma aventura por lugares ainda pouco conhecidos. Num planeta com 6 bilhões de habitantes era mesmo de se esperar que cada moita ou pedra tenha encontrado um dono disposto a defende-las dos demais predadores.

Na verdade é tudo um jogo pelo poder. Cada formiguinha deste planeta está empenhada desde o início dos tempos em defender e alargar seu território, preservar e aumentar seu poder. Política, religião e futebol não são matérias para se discutir simplesmente porque não fundamentam suas bases na razão, mas podemos tentar desmistificar um pouco o instrumento ambientalista.

Pregar os perigos da destruição do planeta pela ação desenfreada do homem é pura ignorância da maioria e má fé dos que fizeram disto sua profissão. Nem todas as bombas de hidrogênio detonadas a um só tempo fariam o estrago que fez a queda do asteróide que extinguiu os dinossauros. E, no entanto, sabemos que o planeta passou incólume por eventos muito mais traumáticos do que aquele. Antes e depois. A Terra aqueceu-se a ponto de fervilhar, esfriou-se até se tornar uma calota de gelo e continuou a girar em torno do sol.

Animais e plantas modificam o clima, a atmosfera, o solo e a água desde que surgiram. O próprio oxigênio como o conhecemos é criação deste metabolismo. Montanhas surgem e desaparecem, florestas viram desertos e mares se transformam em florestas. Geleiras se derretem em campos floridos e vulcões explodem numa nuvem de enxofre. Isto não é bom nem mau para o planeta, é apenas natural.

Nada de novo sobre a superfície do mundo. Basta afirmar que o planeta sempre esteve em constante transformação e o homem ou qualquer besteira que faça, pouco ou nada significa no tempo geológico. O resto é pretensão de formiga.

Estaria então o homem com sua sede de poder caminhando para a destruição da vida no planeta? Nem isto lhe é possível, porque o planeta Terra já demonstrou inúmeras vezes que tem solução para isto também. Depois de uma extinção em massa surgem naturalmente novas e variadas formas de vida. A super população e o mau uso dos recursos naturais se resolverá de uma forma ou de outra com guerras, enchentes, terremotos e outros cataclismos.

O que parece mais correto é que o homem pode não sobreviver ao próprio “sucesso”. Isto só o tempo geológico vai testemunhar.

Compartilhar

Sobre o autor

Julio Fiori - Equipe AM

Julio Cesar Fiori é Arquiteto e Urbanista formado pela PUC-PR em 1982 e pratica montanhismo desde 1980. Autor do livro "Caminhos Coloniais da Serra do Mar", é grande conhecedor das histórias e das montanhas do Paraná.

Comments are closed.