Antonella Targa voltará ao Aconcagua nesta temporada.

0

Ontem começou oficialmente a temporada de montanhismo no Aconcagua. Milhares de andinistas tentarão chegar aos 6962 metros, no cume desta que é a maior montanha do mundo fora do Himalaia. Dentre estas pessoas estará a italiana Antonella Targa, integrante da trágica expedição italiana liderada por Federico Campanini, morto próximo do cume junto com Elena Senin

Antonella Targa, 51 anos, voltará a percorrer o caminho que realizou com Marina Attanasio (38), Matteo Refrigerato (35) e Mirko Affase (39), pela rota normal do Aconcagua. Os quatro, mais Elena Senin (38) e Federico Campanini (31) compunham uma expedição e protagonizaram um dos maiores dramas, envolvendo morte, na montanha.

Antonella não participou do incidente, ela estava debilitada e não pôde fazer o ataque ao cume junto os outros integrantes. Estes, conduzidos por Campanini, ficaram encurralados numa região próxima do cume durante uma tempestade e sem forças para reagir, Campanini e Senin morreram.

Tal acidente chamou atenção da mídia internacional por que as imagens polêmicas do resgate foi divulgado na internet. Nelas, resgatistas tentam arrastar Campanini e não conseguem, abandonando-o mais tarde, pois julgaram que ele não seria capaz de resistir e que a equipe não teria condições de tirá-lo dali.

Antonella é natural de Bolonha, Itália. Ela trabalha com seu marido em uma empresa de impressão de materiais plásticos. Há dez anos ela é apaixonada por viagens alternativas e montanhismo. Junto com os quatro amigos, esteve no norte da África, Bolívia, Nepal e Índia.

A italiana chegará em Mendoza, Argentina, no começo de Fevereiro. Ela foi uma peça fundamental no drama que se desencadeou no dia 6 de fevereiro passado, logo depois de seu grupo ter ficado perdido atrás do cume por conta da tormenta de neve.

Entretanto esta má experiência não foi suficiente para que Antonella voltasse a sonhar em ascender a “Sentinela de Pedra”. Desta vez com três companheiros: Um familiar próximo de Senin, o cônsul italiano em Mendoza, Pietro Tombacini e o de Portugal, Juan Martón Schiappa de Azevedo.

A idéia é inaugurar um refúgio que será restaurado graças à doação de 20 mil dólares da família de Elena. Ainda não se sabe exato sobre esta empreitada, mas cogita-se em concertar a estrutura em ruínas do refúgio Independência, que está numa altitude de 6.370 metros. Eles estarão nas mãos do experiente guia mendocino Gerardo Castillo de 34 anos, que fez 30 vezes o cume do Aconcagua.

Targa e sua equipe irá começar a ascensão no dia 9 de Fevereiro e tardarão 18 dias para subir e descer a montanha.

Fonte e foto: Jornal Uno

Compartilhar

Sobre o autor

Redação - AM

Texto publicado pela própria redação do Portal.

Deixe seu comentário