Arkaitz Ibarra Martinez e Ulises Kusnezov realizam escalada invernal no Monte Pissis

0

Paisagem do Monte Pissis.

No último dia 10/08, os montanhistas Arkaitz Ibarra Martinez e Ulises Kusnezov  escalaram o Monte Pissis pela face norte. Um grande feito por si só, pois normalmente ele é escalado apenas no verão e pela face sul. Mas eles foram além nessa aventura, e decidiram descer por outra rota, completando a escalada por Catamarca.

O Pissis é a terceira maior montanha das Américas com 6.795 metros de altitude localizado na fronteira entre a Argentina e o Chile, muito próximo ao Ojos del Salado. Por estar em uma região remota do Puna do Atacama, a logística envolvida em qualquer expedição até lá é uma das principais dificuldades. Sem contar o frio e os efeitos da altitude.

Mesmo com o tempo instável e muito vento, os dois escaladores decidiram seguir em frente. “As condições estavam ruins, com muito vento, mas “eles iriam sair do mesmo jeito” em direção ao cume. Eles desarmaram a barraca, montaram as mochilas e começaram a peregrinação até as alturas”, escreveu Glauco Muratti para a Revista Cumbres.

As 18h30 do dia 10 os dois escaladores chegaram ao cume ainda com os últimos raios de sol. Após o feito, desceram em direção ao campo 6, completando com sucesso essa escalada.

Acampamento sob as pedras vulcânicas.

Confira o relato cronológico da expedição escrito por Glauco Muratti:

Monte Pissis – Arkaitz Ibarra Martinez e Ulises Kusnezov

3 de agosto

Em 3 de agosto, Arkaitz Ibarra e Ulises Kusnezov iniciaram a expedição.

Eles passaram a noite em Vinchina e depois de alguns contratempos, viajaram por quatro horas até La Estepa Puneñ. No meio da tarde, desembarcaram do veículo ao lado do caminho do Pircas Negras Pass a oeste de La Rioja, a 4.400 metros.

Eles caminham para o norte, na direção do Nevado de Pissis, um vulcão de 6.815 metros que faz fronteira com Catamarca.

Naquele primeiro dia eles puderam traçar os primeiros 15 km de um vale amplo e isolado aos pés do vulcão Bonete Chico. As 20h, mandaram um sinal de satélite avisando que eles estavam em 4.600 metros de altitude em um pequeno estreitamento do vale.

6 de agosto

Ulisses e Arkaitz se aproximaram do Pissis. Devido ao terreno, formado pelo o fundo de uma cratera vulcânica cheia de elevações, depressões e lagoas não foi possível ganhar altitude.

Os alpinistas geralmente criam suas próprias regras, sua maneira de fazer as coisas. É por isso que eles descartaram o uso de veículos com tração dupla para economizar parte da distância (o modo normalmente usado na área).

Às 17:01 o sinal do satélite chegou: eles estavam acampados a 5.400 m perto de uma grande rocha em um leito seco.

Pela primeira vez, além da posição, enviaram uma mensagem: “…Muito vento.. Sucesso ou não depende do vento.”

O que realmente significa muito vento. Por um lado, dificulta pensar e, sobretudo, dificulta o diálogo com o parceiro, a troca de ideias. O vento não só multiplica o efeito da temperatura (ao meio-dia estava cerca de -12 °). Se for frontal, pode impedir o progresso, mas por trás (não parece ser o caso hoje) ele arrasta o corpo, faz com que ele tome velocidade e possa “perder o pé”, uma situação de risco se houver grandes rochas pontiagudas. O montanhista tenta compensar a força do vento, movendo-se muito inclinado, em posições quase impossíveis, às vezes.

7 de agosto

Hoje eles permaneceram no mesmo acampamento e trocaram mensagens meteorológicas com Andrés Suárez.

A paisagem onde a subida ocorre é vulcânica. Qualquer setor elevado da superfície da Terra tende a ser retrabalhado e minado. Isso é chamado de erosão: aproveitando a gravidade, milênios após milênios, os materiais são removidos dos lugares altos para e depositados mais abaixo. E é a água em sua forma líquida ou sólida que contribui fortemente para este trabalho. Como na Puna a seca dura milênios, os materiais que foram expelidos na superfície pelos vulcões (do terciário ao quaternário) acumularam-se sem força capaz de derrubá-los.

Assim, o terreno não tem declives abruptos, não há vales profundos (nem os rios em forma de “V” nem o tipo de geleira em forma de “U”). Não existem paredes rochosas nem picos pontiagudos, quase tudo na Puna está submerso sob aquela camada eterna e intemporal de rocha solta. É por isso que é extraordinário encontrar um riacho ou rio permanente: mesmo no tempo do degelo, quase toda a água se infiltra nas espessas camadas de material solto que cobrem as montanhas, às vezes reaparecendo em encostas, Las Vegas.

8 de agosto

Ulises e Arkaitz continuam no mesmo acampamento. Levando em conta as previsões, tomaram uma decisão e elaboraram seus planos para a última parte da subida.

A incerteza de tomar a decisão correta desapareceu. Agora “é passar hoje” , beba água, alimente se, conserte algo, aperte as coberturas da barraca que o vento solta.

Na altitude, a pressão atmosférica cai e o corpo recebe menos oxigênio. Você pode viver semanas sem comer, dias sem beber, minutos sem respirar. Mas um ser humano não aclimatado não só responde à atividade física como se tivesse envelhecido 50 anos, mas também pode desenvolver doenças.

Escaladores experientes como Ulises e Arkaitz sabem que em um lugar como este há pouco que pode ser feito uma vez que um problema tenha surgido. O que é possível é prevenir aclimatando. Os dias gastos para se acostumar à altura são dias ganhos.

10 de agosto

Na noite de sábado, 10 de agosto, às 23:38, o sinal do satélite foi recebido do acampamento 6, a 4.600 m, no início da rota normal.

Em poucas horas eles desceram a montanha inteira. Nós não sabemos detalhes, mas não há dúvida, tem sido um daqueles dias que o alpinista se lembra para sempre. Ele se torna diferente em uma subida como essa.

Mas sem estatísticas ou registros. A única coisa que Ulysses e Arkaitz estão procurando é saber se podem fazê-lo. Eles querem continuar respondendo as perguntas que a montanha coloca.

Esse é o jogo do montanhista. Orientar, seguir em frente, encontrar abrigo, fazer água, conversar com seu parceiro, entrar no abrigo do saco de dormir. E uma tarde, em uma altitude quase estratosférica começa a descer por terrenos desconhecidos com um sorriso no rosto, como se estivessem fazendo uma travessura na montanha.

 

Compartilhar

Sobre o autor

Maruza Silvério

Maruza Silvério é jornalista formada na PUCPR de Curitiba. Apaixonada pela natureza, principalmente pela fauna e pelas montanhas. Montanhista e escaladora desde 2013, fez do morro do Anhangava seu principal local de constantes treinos e contato intenso com a natureza. Acumula experiências como o curso básico de escalada e curso de auto resgate e técnicas verticais, além de estar em constante aperfeiçoamento. Gosta principalmente de escaladas tradicionais e grandes paredes. Mantém o montanhismo e a escalada como processo terapêutico para a vida e sonha em continuar escalando pelo Brasil e mundo a fora até ficar velhinha.

Deixe seu comentário