Sobre o Autor

Parofes (in memorian) - Colunista

Parofes, Paulo Roberto Felipe Schmidt (In Memorian) era nascido no Rio, mas morava em São Paulo desde 2007, Historiador por formação. Praticava montanhismo há 8 anos e sua predileção é por montanhas nacionais e montanhas de altitude pouco visitadas, remotas e de difícil acesso. A maior experiência é em montanhas de 5000 metros a 6000 metros nos andes atacameños, norte do Chile, cuja ascensão é realizada por trekking de altitude. Dentre as conquistas pessoais se destaca a primeira escalada brasileira ao vulcão Aucanquilcha de 6.176 metros e a primeira escalada brasileira em solitário do vulcão ativo San Pedro de 6.145 metros, próximo a vila de Ollague. Também se destaca a escalada do vulcão Licancabur de 5.920 metros e vulcão Sairecabur de 6000 metros. Parofes nos deixou no dia 10 de maio de 2014.

Colunistas
“A” cagada rarefeita.
Por

Era uma vez um fulano meio brasileiro, meio português, aqui devidamente denominado “Brastuga”. Feio, magro, barbudo e fedorento. Viajava já há 65 dias, resolveu realizar o sonho de chegar ao topo do vulcão Licancabur onde foi estabelecido o record mundial de scuba diving nú por dois outros loucos de outro lugar do mundo não tão fedidos na época, obviamente, pelo banho.

Colunistas
A quinta montanha mais alta do Brasil? Onde?
Por

Fazia tempo que eu desejava conhecer esta parte da Mantiqueira que envolve montanhas emblemáticas do montanhismo nacional como por exemplo a Pedra do Baú. Foi de sexta-feira dia 07DEZ2012 e sábado dia 08DEZ2012 que fui a Campos do Jordão passar uma noite no famoso Pico do Itapeva, montanha que se encontra diferentes referências incorretas no google em só dois minutos de pesquisa.

Colunistas
Pedido de ajuda
Por

Recentemente eu e minhas irmãs fizemos um exame para saber nosso grau de compatibilidade, o HLA, para fins de doação de medula óssea, único procedimento que pode me curar visto que agora já tenho o nome do meu demônio: Hipoplasia Medular, que pode eventualmente evoluir pra uma Aplasia Medular (quando a medula literalmente para de funcionar). Ontem dia 14NOV2012 fui com minha esposa Lilianne ao Hospital das Clínicas para uma consulta com a médica e saber se o resultado havia sido satisfatório. Infelizmente não foi.

Colunistas
Montanhistas Amputados
Por

Quando chegamos a um acampamento base carregando todas nossas tralhas que pesam dúzias de quilos, fazemos porteio, vários acampamentos montando e desmontando barraca noite após noite, pensamos, e estamos certos, que nossa vida é difícil. Escolher o montanhismo de altitude como esporte não é pra qualquer um. Agora imagine todas essas dificuldades pra um montanhista amputado, pior ainda não?

Colunistas
Serra Fina: Com saúde não teria graça pt II
Por

Amanheceu na Serra Fina, a temperatura era muito mais amena às 06:01h da manhã, 1°C. Saímos da barraca, rápido café da manhã, empacotamos tudo e seguimos pro nosso (na verdade meu) primeiro objetivo do dia, culminar o Pico do Avião pra registrar a medição utilizando o aparelho de GPS de mão. Melhor ainda, pois tínhamos dois aparelhos diferentes. A subida não reserva grande segredo, basta fazer a descida da Pedra da Mina até a cota dos 2.550 metros de altitude, sem chegar ao fundo do Vale do Ruah onde a altitude varia pouco e fica por volta dos 2.515/ 2.518 metros de altitude. Do colo, onde há um pequeno cume piramidal, contorná-lo pela esquerda e começar a trepar pedra até o cume, onde se chega em não mais que vinte minutos.

Colunistas
A escalada no Manaslu
Por

Em primeiro lugar gostaria de agradecer de coração a todos que acompanharam esta expedição que foi, sem dúvidas, a mais dura que já fiz na vida, não só por ter de deparar com escolhas muito duras, por ver muito de perto como o montanhismo de grandes altitudes pode ser cruel, mas também fisicamente já que nunca antes havia tentado escalar um 8000 sem apoio e sem oxigênio suplementar.

Colunistas
Serra Fina: Com saúde não teria graça
Por

As coisas estão caminhando lentamente. Dia 18 de setembro fiz juntamente com minhas irmãs o teste HLA no Hospital das Clínicas, teste este que nos dirá quanto temos de compatibilidade para fins de transplante de medula óssea. O resultado está pra sair e logo saberei meu futuro. Nesse meio tempo, me sentindo muito melhor, marquei com o amigo Flávio Varrichio uma investida para montanha, realmente ousada dadas as devidas circunstâncias, Serra Fina. Eu sei, não deveria ter ído pra lá, mas não suportava mais ficar em casa vendo outros amigos indo pra montanha, então fui pra lá tocar pra frente um projeto antigo. A companhia não poderia ter sido melhor.

Aventuras
Cinco dias acima dos 4.000m
Por

Sendo um idioma muito prático, o inglês tem adjetivos que resumem frases inteiras do português. A palavra breathtaking, que significa “de tirar o fôlego”, é um exemplo. E foi ajudando a guiar um grupo de turistas ingleses num trekking de 5 dias ao redor do nevado Ausangate, no Peru, que compreendi o que é deparar-se com uma paisagem literalmente breathtaking. Um destes momentos é quando atingimos o topo do passo Palomani, que com 5200 metros é o ponto mais elevado do caminho: o oxigênio já nos faltava naturalmente devido à altitude, e a beleza daquele cenário de picos nevados que apreciávamos ali roubava qualquer restinho de fôlego que ainda tínhamos.

Aventuras
Um Kilimanjaro de aniversário
Por

Kilimanjaro, ponto mais alto da África com 5895m, imponente e gigante como poucas obras da natureza no mundo. Depois de muitos meses de preparação, finalmente cheguei na semana onde iria enfrentar o maior desafio da minha vida. Subimos pela rota Machame, a mais difícil e das mais longas, e também mais cheia, porém com o melhor perfil de aclimatação, o que não atenuaria vencer os desafiantes 1200m verticais do dia do cume.

Aventuras
Travessia Leste-Norte do Monte Kenya, pelo Pico Lenana (4.985m)
Por

O Monte Kenya é a segunda montanha mais alta da África, tratando-se na verdade de um maciço composto de diversos picos, sendo os mais altos Batian (5199m) e Nelion (5188m), alcançáveis apenas através de escaladas técnicas de longas cordadas, e o Point Lenana (4985m), 5º ponto mais alto da África e o mais popular por ser de fácil acesso técnico. Subimos por uma variante da pouco usada rota Chogoria, e descemos pela popular rota Sirimon, em 6 dias e 5 noites.

1 2 3 4 10