Carlos Morey aguarda para ataque final ao cume do Everest

0

Carlos Morey já está novamente no Campo Base do Everest onde aguardará a janela de tempo para ataque final, depois de um período de descanso em Pheriche


De acordo com texto de Patricia Paladino, no site “O Meu Everest” de Luciano Pires (http://www.omeueverest.com/blog/), o brasileiro Carlos Morey voltou ao Campo Base do Everest, depois de ter passado um período no vilarejo de Pherishe com a equipe da Jagged Globe para que pudesse recuperar as energias.

Em seu último contato, Morey explicou o funcionamento das máscaras de oxigênio e reguladores e sobre como será a logística do ataque ao cume.


“Estamos de volta a esse “paraíso”… Levamos três horas desde Lobuche até aqui sob uma forte nevasca. Na verdade, desde que saí do Brasil, há 46 dias, hoje é o dia mais feio que vi aqui. Todas as expedições que tentaram cume têm fracassado. Espero que essa piora do tempo termine. Todas as expedições estão esperando por uma janela… E quando ela vier… Todas tendem a correr. Aquela organização inicial que estávamos tentando ter pode ir por água abaixo.

Eu recebi um e-mail do meu amigo Charles Klein e eu vou usar o Blog para respondê-lo, pois eu também tinha muitas dúvidas sobre o uso do oxigênio. Sobretudo para quem leu o livro do Jon Krakauer, ´No ar rarefeito´.

Cada um de nós temos direito a 7 cilindros de 3L (6kg é o peso dele cheio). Esse cilindro é conectado a um regulador (russo) como num mergulho, mas a qualidade é bem inferior. O regulador é conectado à máscara (Top Out e não Poisk, russa). O regulador possui essas marcações: 0.5, 1, 2, 2.5, 3 e 4. A tabela abaixo dá uma idéia média de duração nessas marcações:

– 0.5 = 32 horas
– 1 = 16 horas
– 2 = 8 horas
– 2.5 = 6 horas
– 3 = 5 horas
– 4 = 3 horas

Usar no 4, ou mesmo no 3, é desperdício…

Para dormir, usamos o 0.5. Já usei 3 horas de um cilindro no Campo 3 para teste.

Acreditamos que devemos usar entre 2 e 2.5 no dia do cume. E nesse dia a estratégia será a seguinte:

– Teremos um sherpa para cada um de nós.
– Ele é quem monitorará e trocará os cilindros.
– Previamente já teremos para cada um de nós 1 cilindro no Balcony e 1 cilindro no Cume Sul.
– Sairemos para o cume entre 21h e 22h.
– A previsão é que cheguemos ao Balcony em 4 horas. Lá trocamos de cilindro. O usado deve estar na metade. Será usado na volta.
– A mesma estratégia para o Cume Sul: troca-se por um novo e deixa o usado para a volta. Estima-se entre 4 horas entre o Balcony e o Cume Sul.
– Com esse novo vamos e voltamos do cume. E ele serve de backup. Pois levaremos umas 4 horas entre ir e voltar (2 horas até o cume, e 10 no total).
– E o sherpa irá voltando e carregando os cilindros usados.

Amanhã mando umas fotos com o caminho do Campo 4 e o volume de gelo que desceu na avalanche do último dia.

Abraços,

Morey”

Continuamos na torcida pelo sucesso da expedição da Carlos Morey.

Fonte: texto de Patricia Paladino, do site “O Meu Everest” de Luciano Pires (http://www.omeueverest.com/blog/)

Compartilhar

Sobre o autor

Redação - AM

Texto publicado pela própria redação do Portal.

Deixe seu comentário