Huaraz, Huascarán e Cordilheira Branca

0

Serão dois artigos sobre a Cordilheira Branca no Peru. Neste, abordo assuntos mais gerais. No seguinte, falo sobre o Parque Nacional Huascarán.

Mapa da Cordilheira Branca, Huaraz, Peru

A Cordilheira Branca é o centro do montanhismo de neve do Peru e uma das mais belas formações montanhosas dos Andes. Você encontrará uma longa sucessão de montanhas nevadas, com diferentes aspectos e dificuldades, acessíveis a partir de vales estreitos de rica vegetação.

Embora já seja hoje bem conhecida dos brasileiros, achei que seria interessante resumir neste artigo as principais informações sobre esta região tão especial.

 A Cordilheira fica no centro-oeste do Peru, a 400 km de Lima. O transporte por ônibus a partir da capital é frequente, com algumas saídas diárias, e razoavelmente confortável, em especial se você escolher o ônibus leito.

A capital é Huaraz (a 3.100m), uma cidade relativamente simpática, mas pouco pitoresca e nada histórica. Com cerca de 100 mil habitantes e voltada para o turismo, ela funcionará como base para suas incursões. Se chegar durante o dia, poderá descortinar de qualquer lugar elevado os esplêndidos picos nevados da Cordilheira, com desenhos tão emocionantes.

As razões desta surpreendente visão são a proximidade das montanhas em relação ao vale e a inexistência de serras intermediárias – situação por exemplo inversa à do Aconcágua em relação a Mendoza. A maior das montanhas, o Huascarán, é também a mais próxima do vale, parecendo ameaçadoramente desproporcional a todas as demais.

Vale Andino, Huaraz, Peru

Huaraz foi devastada pelo terremoto de 1970, um dos quase vinte ocorridos ao longo do século passado. Esta catástrofe, junto com a reforma agrária daquela época, causou o repovoamento da cidade com gente de mais baixo nível social, dado que a população de classe média relocou-se, principalmente para Lima. Infelizmente, a cidade foi reconstruída com um discutível estilo arquitetônico, feioso e acanhado.

A proximidade do Huscarán em relação ao vale teve o trágico efeito de sepultar Yungay, a cidadezinha que lhe era mais próxima, durante o terremoto de 1970. Existe hoje neste pueblo um monumento aos mortos, você poderá vê-lo quando estiver indo para as montanhas. As fotos sobre aquele deslizamento são impressionantes e me fizeram sentir pequeno diante desse poder que irrompe do interior da natureza.

Quebrada Santa Cruz, Cordilheira Branca, Peru

A população tem forte influência indígena, sendo morena, pobre e retraída. A influência étnica se faz sentir na língua quéchua falada por todos, nas vestimentas espessas e coloridas, na alimentação á base de tubérculos e milhos, na medicina popular e nas festas cívicas. Apesar de pitoresca, às vezes me pergunto se a herança inca sobrevive de forma vantajosa, pois parece ter forjado um povo triste e alienado.

O clima é temperado, com a estação seca estendendo-se de maio a setembro. Evite o período especialmente chuvoso de janeiro a março. A vegetação é surpreendentemente rica e variada nos vales. A principal árvore é a quenua, mas não deixe de reparar na diversidade de flores. A fauna é também interessante, incluindo desde ursos, pumas e vicunhas a condores, patos e gaivotas.

Existem quatro outras cordilheiras nas vizinhanças – a maior delas é Cordilheira Negra, pois corre sempre frontal à Branca, separada desta pelo vale do Rio Santa. As outras três estão do mesmo lado, a sul: Raura, Huallanca e Huayhash.

Um Novo Dia Nasce na Cordilheira Branca do Peru (Fonte – Divulgação)

Exceto a última, essas formações abrigam montanhas mais baixas, que chegam, entretanto, a ultrapassar os 5.000 m. Huayhash é a mais longa e interessante, abrigando o segundo ponto mais alto de país.

O alpinismo na Cordilheira pareceu-me relativamente conservador, com um número ainda limitado de vias nas principais montanhas. Isto significa que existem ainda importantes paredes virgens na Cordilheira. O Peru não parece dispor de escaladores com grande experiência internacional. A pobreza do País torna difíceis as viagens distantes e os equipamentos sofisticados, pelo menos até a época em que lá estive.

Compartilhar

Sobre o autor

Alberto Ortenblad - Colunista

Nasci no Rio, vivo em São Paulo, mas meu lugar é em Minas. Fui casado algumas vezes e quase nunca fiquei solteiro. Meus três filhos vieram do primeiro casamento. Estudei engenharia e depois administração, e percebi que nenhuma delas seria o meu destino. Mas esta segunda carreira trouxe boa recompensa, então não a abandonei. Até que um dia, resultado do acaso e da curiosidade, encontrei na natureza a minha vocação. E, nela, de início principalmente as montanhas. Hoje, elas são acompanhadas por um grande interesse pelos ambientes naturais. Então, acho que me transformei naquela figura antiga e genérica do naturalista.

Deixe seu comentário