O Espinhaço: Caraça

0

No artigo anterior, você soube onde começa o Espinhaço. É na Serra do Caraça que ele prossegue: um local único, pela origem e história do seu parque e pela importância e beleza de sua natureza.

As terras do Caraça foram adquiridas em 1770 por um imigrante português, que lá construiu um monastério. Uma comunidade religiosa cresceu à sua volta, tornando-o um local de peregrinação. Doado à Coroa portuguesa, foi depois entregue à Ordem dos Vicentinos.

O Santuário do Caraça funcionou como um importante seminário lazarista por dois séculos, até o incêndio que o destruiu parcialmente. Nele operava uma escola de grande prestígio no Estado. Depois restaurado, protege uma serra, abriga uma pousada e contém muitas curiosidades.

Já na aproximação da região, você perceberá que o Espinhaço difere da Mantiqueira, da qual é um prolongamento. O Espinhaço é menos elevado, mas mais acidentado e fraturado, e bem mais longo e diverso. Ambas as serras, com suas riquezas minerais, foram importantes na ocupação do nosso território.

Serra do Caraça, Santa Bárbara, MG (Foto Divulgação)

Como dizem os mineiros, o Caraça é uma espécie de calcanhar do Espinhaço, ao situar-se no seu início. Como o Espinhaço perde elevação à medida que avança para o norte, aqui seus picos tendem a ser mais altos, perto de 2.000m vs. a altitude média da crista geral de 1.400m – excluindo apenas a Serra do Itambé.

Sua vegetação apresenta transições entre a mata atlântica do S e E e o cerrado do N e W. As matas ciliares lembram a Mantiqueira – mas os campos coloridos de ocre, os rudes afloramentos rochosos, as cachoeiras em patamar e os cursos d´água com escuros remansos têm a aspereza típica do Espinhaço. E sua rica natureza contém centenas de espécies de orquídeas, insetos e aves, bem como mamíferos variados.

O nome Caraça decorre de o desenho da serra imitar o perfil de uma face – a testa seria seu ponto culminante no Pico do Sol e o pescoço, seu ponto mais baixo na cascata da Bocaina. O Carapuça, por ser inicial, não pertence a esta enorme face.

Perfil do Gigante no Caraça, Santa Bárbara, MG

De suas curiosidades, a principal seja talvez o lobo guará que aparece às noites não para rezar, mas para ser alimentado pelos padres. Aliás, os atuais lobos apareceram a partir dos anos 1990 e são descendentes do casal que conheci antes, e que lá surgiu em 1982. Lobos preferem transitar nas partes baixas de um relevo acidentado e os daqui precisaram de toda a área do Parque. Foi por esta razão que os filhotes expulsaram os pais.

O Parque Natural da Serra do Caraça é uma RPPN antiga. São 11.230 ha, num cenário magnífico, com a torre gótica da igreja subindo como uma seta à frente do vale de entrada, como que interrompendo o arco de serras que o contorna. A Serra do Caraça tem a forma de uma ferradura de talvez 30 km de extensão, que abraça o vale do Ribeirão Caraça, com 10 km de comprimento e algo menos de largura (ver mapa).

Mapa do Parque do Caraça

O mais próximo dos picos é o Carapuça, seguido pela montanha fendida do Beiço do Diabo. O Pico do Sol é uma suave corcova que parece um tanto afastada. A seguir, o maciço desce abruptamente, voltando a subir na impressionante parede do Inficionado.

Mas a serra continua, com uma depressão da qual emerge a forma saliente do Verruginha, que separa as metades SE e NW. À sua direita você verá as elevações do Canjerana, Três Irmãos e Conceição, montanhas pouco ou nada visitadas, devido a seu afastamento.

Trilha no Caraça, Santa Bárbara, MG

Vou agora me referir brevemente às três montanhas mais visitadas, por ordem de acesso. A primeira é o Carapuça, cujo caminho começa no lago ou tanquinho. Estende-se por 5½ km num rumo NE (todas as distâncias deste texto são de ida). A ascensão é razoável, mais de 650m, o que lhe irá tomar 4½ hs ida e volta. Ao longo de sua subida você poderá ver a torre em seta do Santuário, os campos da Bocaina no vale abaixo e as formações rochosas da serra.

Colégio do Caraça com o Carapuça ao Fundo, Santa Bárbara, MG

Já a trilha para o Pico do Sol começa um pouco antes da Cascatinha, de onde você subirá a SE por uma íngreme parede de pedras, até atingir o chamado portal. Agora você voltará a subir pelo leito rochoso de um rio, até um colo elevado. Sua parede irregular irá levá-lo ao cume. Com 2.072m, é o mais alto de toda a cordilheira. O resultado de o pico estar recuado é que você terá que caminhar muito até alcançá-lo, calculo que 10½ km de trilha.

Outra consequência é que ele fica praticamente na outra borda da serra, portanto com um grande desnível em relação à região externa mais baixa. É por isso que a vista lhe trará uma surpresa, quando você descortinar a leste as colinas da bacia do Rio Doce. Serão ao todo 7 hs, para uma ascensão de praticamente 800m.

A Caminho do Pico do Sol, Caraça, Santa Bárbara, MG

O Inficionado é a montanha mais difícil do Caraça, com uma jornada de talvez 8 hs, sendo 5 hs só para chegar. É uma formação rochosa gigantesca, cujo topo irregular é recortado por fendas. Abriga duas cavernas, sendo a impressionante Gruta Centenário (3.800m), a mais alta do Brasil e a maior do mundo em quartzito. Trata-se de um labirinto que exige muita aventura para ser explorado. Outro acidente marcante é a Garganta do Diabo, com amplo visual do Vale da Bocaina.

Serão provavelmente 9½ km até atingir o cume. Seus 2.068m permitem um desfrute visual de toda a região, inclusive do Pico do Sol (que dista apenas 2 km em linha reta), do vale do Santuário e até mesmo da Serra do Curral na capital mineira.

Gruta do Centenário, Pico do Inficcionado, Caraça, MG (Fonte: Divulgação)

Se você tiver tempo, permaneça nesta bela região. No assim chamado Campo de Fora você andará 7½ km de ida para conhecer suas belezas, especialmente a vegetação, o relevo e as cachoeiras. Aproveite e vá ao Canjerana (1.890m), uma trilha longa, mas cômoda de mais de 10 km. Havia no passado uma estação de energia no topo, de forma que foi aberta uma estrada até lá. Serão talvez 7 hs ida e volta, com vegetações de campo, capoeira e mata.

Pico da Canjerana, Caraça, Santa Bárbara, MG

As montanhas do lado SW não costumam ser visitadas e, embora menos elevadas, podem apresentar caminhos complicados. Este é o caso do pequeno Verruginha que, com 1.650m, é a mais baixa de todas as montanhas. Sua trilha de 7 km era um antigo caminho de tropeiros rumo a Ouro Preto.

É também o caso do Três Irmãos ou Trindade (1.675m), cujo percurso de 8 km percorre a longa e bela crista da esquerda da montanha. Já o Conceição parte do mesmo caminho do Trindade, só que mais adiante no vale. Fica à sua direita, sua trilha tendo talvez 9½ km e sendo mais elevado (1.800m). Talvez seja possível transitar de um para o outro pelo colo rochoso entre eles.

Picos Três Irmãos e Conceição, Vistos do Portal do Pico do Sol, Caraça, MG

Existem muitas cachoeiras, como Cascatinha, Cascatona e Bocaina, além das águas da Prainha e dos Taboões. E ainda os sermões dos padres, as visitas matinais dos pássaros e as aparições noturnas do guloso guará. Mas, não menos importante, o Caraça é um local de silêncio e recolhimento.

Leia no capítulo seguinte sobre os humildes Parques do Espinhaço Abaixo, à medida que ele ultrapassa a capital mineira.

Compartilhar

Sobre o autor

Alberto Ortenblad - Colunista

Nasci no Rio, vivo em São Paulo, mas meu lugar é em Minas. Fui casado algumas vezes e quase nunca fiquei solteiro. Meus três filhos vieram do primeiro casamento. Estudei engenharia e depois administração, e percebi que nenhuma delas seria o meu destino. Mas esta segunda carreira trouxe boa recompensa, então não a abandonei. Até que um dia, resultado do acaso e da curiosidade, encontrei na natureza a minha vocação. E, nela, de início principalmente as montanhas. Hoje, elas são acompanhadas por um grande interesse pelos ambientes naturais. Então, acho que me transformei naquela figura antiga e genérica do naturalista.

Deixe seu comentário