O Mosaico de Jacupiranga

0

Existe um esforço realmente enorme para a preservação do meio ambiente do Sudeste brasileiro. Apesar de grandemente situada no Estado de São Paulo, onde resido, não havia até agora percebido sua inacreditável extensão.

O assim chamado Mosaico de Jacupiranga, junto com as áreas de Paranapiacaba e Guaraqueçaba, formam um enorme contínuo florestal, que avança de São Paulo para o sul, até o Paraná. Já no rumo norte, as reservas da Serra do Mar chegam até a Bocaina no Rio de Janeiro, numa outra imensa área verde. Isto praticamente equivale a um grande parque amazônico.

PN Superagüi, Guaraqueçaba, PR

Para o nosso assunto, importa conhecer o Mosaico de Jacupiranga. Sua origem é uma antiga Reserva, que nunca conseguiu funcionar. Isto ocorreu porque ela se sobrepôs a áreas habitadas por antigas comunidades, estimulou insolúveis conflitos fundiários e foi ocupado por bairros criados a partir da rodovia Régis Bittencourt, que o atravessa.

Porém, mais recentemente, foi criado o Mosaico Jacupiranga, cujos 244 mil ha passaram a abrigar cinco Parques Estaduais, além de uma dezena de reservas. Estas foram criadas exatamente para acolher as atividades existentes, sejam de quilombolas, caiçaras, caboclos ou indígenas. O Mosaico se interliga com as áreas de preservação da Serra do Mar (SP) e Guaraqueçaba (PR). 

É curioso notar como meros 5% do Mosaico dedicados às reservas (isto é, fora os Parques e as APAs) foram suficientes para aliviar 40 anos de disputas fundiárias e ambientais. Todo este conjunto de unidades de conservação e reservas específicas dispõe-se ao longo do vale do Ribeira do Iguape, uma bacia isolada no sul de São Paulo.

Existem quatro PEs ao sul e confesso que nenhum deles é especialmente interessante ou contém trilhas de particular beleza, mas asssim mesmo sua natureza conjunta é de grande importância.

Mirante do Aleixo, PE Rio Turvo, SP (Fonte: Tietta Pivatto)

O maior deles é o do Rio Turvo, que se estende por uma região de relevo terrivelmente acidentado, recoberta por densa floresta. Acredito que, com o tempo, serão lá desenvolvidos caminhos mais interessantes que os atuais, em especial na Serra do Cadeado. O principal núcleo é o da Capelinha, onde há uma sucessão de pequenas cachoeiras.

Vegetação PE Campina do Encantado, Pariquera Açu, SP

Próximo a ele fica o minúsculo Campina do Encantado – este nome se deve ao solo turfoso que surpreendentemente libera o inflamável gás metano. Na direção do litoral, estão os mangues e restingas do Lagamar de Cananeia, um importante e panorâmico viveiro de espécies marinhas, porém sem estrutura para visitação. Compreende a extensa região de lagoas e estuários entre Iguape e Paranaguá.

PE Lagamar de Cananeia, Cananeia (Foto Divulgação)

Mas a principal atração é o PE da Ilha do Cardoso, onde existem comunidades caiçaras – já escrevi bastante tempo atrás sobre suas praias, cachoeiras e trilhas, numa coluna chamada Nossas Ilhas.

Ilha do Castilho, PE Ilha Cardoso, Cananeia, SP

É uma ilha curiosa, com mangues, encostas e montanhas do lado continental, onde estão os canais do Varadouro e de Ararapira, e praias, restingas e costões do oceânico. O Parque me parece mal gerido e o Cardoso não se compara a tantos lugares bonitos em nosso litoral.

Praia de Foles, PE Ilha do Cardoso, Cananeia, SP

Gostaria de avisar que, ao norte, só uma das unidades abaixo pertence ao Mosaico, as demais sendo adjacentes. Por estarem ao norte do Ribeira, mais longe do litoral, ocupam terras mais altas, sem o benefício da orla marítima. Mas isto é compensado pela presença de cavernas estupendas, que fazem deles locais únicos.

As reservas a seguir integram o chamado Mosaico ou Corredor de Paranapiacaba, com 250 mil ha. Você poderá visitar o PE da Caverna do Diabo, que contém a principal caverna turística do Estado, que é também a de maior extensão. Nas proximidades, há o esplêndido Mirante do Governador – de novo, com uma bela vista do terrível relevo.

Decoração da Caverna, PE Caverna Diabo, Eldorado, SP

É uma reserva grande, com belas quedas d´água, algumas delas em sucessão. O PE Carlos Botelho é dividido entre as bacias do Ribeira e do Paranapanema, possuindo uma natureza distinta dos demais. Sua metade mais interessante, com uma trilha linda, fica abaixo da Serra da Macaca, sendo muito pouco visitada.

Paisagem PE Carlos Botelho, S Miguel Arcanjo, SP

Intervales é um PE precioso, com atrações normalmente de fácil acesso e com alojamentos bastante confortáveis. Entre seus mirantes, cavernas, trilhas e cachoeiras, nenhuma me emocionou mais do que a visão do enorme pórtico do Arcão, ao qual cheguei após uma travessia dentro do rio.

Estalagtite da Caverna Colorida, PE Intervales, Guapiara, SP

Acabou de ser criado o PE das Nascentes do Paranapanema, recoberto pela mata atlântica e ainda sem visitação. Mas o principal parque é o PETAR, o parque das cavernas, um dos mais antigos de São Paulo. Falarei deste espaço maravilhoso numa próxima coluna.

Compartilhar

Sobre o autor

Alberto Ortenblad - Colunista

Nasci no Rio, vivo em São Paulo, mas meu lugar é em Minas. Fui casado algumas vezes e quase nunca fiquei solteiro. Meus três filhos vieram do primeiro casamento. Estudei engenharia e depois administração, e percebi que nenhuma delas seria o meu destino. Mas esta segunda carreira trouxe boa recompensa, então não a abandonei. Até que um dia, resultado do acaso e da curiosidade, encontrei na natureza a minha vocação. E, nela, de início principalmente as montanhas. Hoje, elas são acompanhadas por um grande interesse pelos ambientes naturais. Então, acho que me transformei naquela figura antiga e genérica do naturalista.

Deixe seu comentário