Praticante de rapel morre em cachoeira no Paraná

0

O que era pra ser apenas uma diversão acabou em tragédia na tarde de segunda-feira, 2, no Salto Barão do Rio Branco, em Prudentópolis, quando três amigos resolveram aproveitar o feriado para praticar esportes radicais em um dos cartões postais de Prudentópolis.

Adriano Hersen, de 39 anos, morreu afogado quando praticava rapel junto com um casal de amigos numa cachoeira em Prudentópolis. Segundo especialistas, o local não é indicado para prática de esportes radicais.

 Em entrevista ao repórter Elio Kohut, o Soldado Natel, da Polícia Militar, contou que “por volta das 14h30 compareceu na sede da 4ª Cia um solicitante informando que estava junto com seu amigo e mais a namorada e foram até a localidade de Manduri, no Salto Barão do Rio Branco, foram praticar rapel, sendo que ele desceu por primeiro e nadou até a margem. Seu amigo [Adriano] também desceu e ao entrar na água não conseguiu chegar à margem. Ele submergiu e o companheiro o perdeu de vista”.  

Após ser acionada, a PM entrou em contato com o Bombeiro Comunitário de Prudentópolis, que solicitou apoio da equipe de Irati. Após quatro horas de busca, por terra e dentro do rio, os bombeiros encontraram o corpo da vítima.

Os três amigos haviam chegado ao salto por volta das 8h. Eles iniciaram a descida de rappel antes mesmo de almoçarem.

Segundo Natel, Adriano e o casal praticavam rapel há mais de cinco anos e possuíam todos os equipamentos de proteção necessários para esse tipo de atividade. “Eles tinham a aparelhagem necessária. Se conheciam há bastante tempo e frequentavam a academia de propriedade do solicitante que compareceu na Cia”, comenta o Soldado.  

O caso será investigado pela Polícia Civil de Prudentópolis. As duas testemunhas que estavam no local serão intimadas para prestarem depoimento, diz Natel.

Adriano trabalhava nos Correios e residia na Vila Carli, em Guarapuava. A vítima estava de folga nesta segunda-feira, 2, já que em Guarapuava era feriado de Nossa Senhora do Belém, padroeira da cidade.

Ponto turístico já causou morte de oito pessoas

“Perigo! 40 metros de profundidade, água turbulenta, alto índice de morte por afogamento”. As placas colocadas no salto Barão do Rio Branco, em Prudentópolis, alertam sobre o perigo de se banhar no local. Até agora, segundo levantamento do Corpo de Bombeiros, oito pessoas já perderam a vida no ponto turístico.

Antes de Adriano, a última morte havia sido registrada em novembro de 2014. Na ocasião, o agente penitenciário de Guarapuava, Maicon Anderson Borgato, de 34 anos, morreu vítima de afogamento.

Quando foi entrevistado pela reportagem da Najuá no dia que o corpo de Maicon foi resgatado, o 3º sargento Zarowny, do Corpo de Bombeiros de Irati, já alertava sobre os riscos do Salto. “O local é bastante perigoso, impróprio para banho e não oferece segurança alguma”.

Os números mostram a noção do perigo. Para chegar até o Salto é necessário descer 400 degraus. Já a altura da queda d’ água chega a 64 metros. Conforme Zarowny, a profundidade do Salto chega próximo de 40 metros.

O Salto é sinalizado com placas de alerta sobre o perigo da queda. Uma das placas faz referência à morte do engenheiro civil Jair Kurmann, de 27 anos, no dia 23 de dezembro de 2012.

:: Para saber mais sobre as Cachoeiras de Prudentópolis

Compartilhar

Sobre o autor

Redação - AM

Texto publicado pela própria redação do Portal.

Deixe seu comentário