Que tal uma festa de aniversário no topo do Everest?

0

Já imaginou comemorar o aniversário no topo do mundo? O catarinense André Freitas fez os planos para isso, e  retorna ao Everest nesta temporada com o objetivo de fazer a festa de aniversário aos 8.848 metros de altura!

André Freitas

Natural de Criciúma, André é movido a desafios, e se tudo der certo e o cronograma for seguido a risca, no dia 14 de maio ele pretende completar seus 49 anos de idade numa verdadeira festa aos 8.848 metros do Monte Everest, e de quebra se tornar o primeiro catarinense a concluir a escalada.

Só que a montanha não é fácil e André conhece bem o seu histórico – em 2014, quando estava prestes a iniciar a escalada, uma avalanche vitimou 16 sherpas.

André Freitas durante a expedição ao Everest em 2014

André sentiu de perto o que significa a dificuldade dessa escalada. Em 2014, mesmo já estando no acampamento base, as expedições foram canceladas. Naquela ocasião, a chegada ao cume também estava programada para acontecer em seu aniversário, mas seria o de 45 anos.

“A gente sabe que pode morrer em uma aventura, mas é diferente estar lá e ver as pessoas morrerem. Percebi o quanto a vida é frágil. Em uma dessas, eu posso ir e não voltar. Na outra vez que eu fui, o meu sentimento estava mais leve. Depois da avalanche, vi que não é fácil como pensava.”

Para André. é preciso muita coragem para encarar os riscos: aproximadamente 4% dos alpinistas perdem a vida na montanha, principalmente após o acampamento base, aos 5.400 metros de altura. Mas o maior risco começa mesmo à partir dos 8 mil metros de altitude, na já conhecida zona da morte. Vale lembrar que na montanha existem 28 corpos.

“No cume você fica no máximo 15 minutos. A partir do último 1km de subida é a zona da morte. O corpo começa a se degradar e não é possível ficar muito tempo. A gente leva tanques de oxigênio. Se der algum problema, ninguém consegue te puxar. Fica ali e pronto. Morreram 300 pessoas até hoje e tem 28 corpos lá na montanha, sendo que alguns deles você enxerga no trajeto.”

Cronograma de André Freitas para a expedição ao Everest 2018

André reconheceu que o chamam de louco por voltar ao Himalaia, depois do que viu e ouviu de perto, na avalanche em 2014.

“Ninguém te apoia, mas o pessoal aceita. Eu não apoiaria um filho meu em uma missão dessas. Não existe preparação com a família. Dizem que eu sou louco. Fui dar tchau aos meus amigos de São Paulo, e eles falaram pra eu não ir ao Everest. Ninguém sabe o que vai acontecer. Eu deixei testamento e fiz procuração para minhas irmãs tocarem a empresa. Ninguém quer o pior, mas não dá para prever. Sou um cara positivo e acho que nada vai me acontecer.”

A escalada da montanha já começou no último sábado, dia 28, quando iniciou a trilha de aproximação ao Campo Base do Everest. Neste primeiro trecho, as dificuldades de aclimatação do corpo em relação aos efeitos da altitude já cobram o preço.

Pelo cronograma, a chegada ao campo base deve acontecer no dia 10 de abril, um mês mais tarde, entre os dias 10 e 12 de maio, ele estará no acampamento 4, que fica acima dos 8 mil metros de altitude, o último antes do ataque ao cume, que deve ocorrer entre os dias 13 e 14 de maio.

Compartilhar

Sobre o autor

Redação - AM

Texto publicado pela própria redação do Portal.

Deixe seu comentário