Travessia Alpha Crucis é repetida após 6 anos

0

A travessia Alpha Crucis é a união de 3 travessias na Serra do Mar paranaense. Foi realizada pela primeira vez em 2012 por Elcio Douglas e Jurandir Constantino. É a segunda vez que ela é repetida, ainda que, com derivações distintas.

Paulo Taqueda e Israel Silva.

Considerada uma das travessias mais difíceis do Brasil, a Alpha Crucis tem cerca de 100 km de extensão e percorre os três principais blocos montanhosos da Serra do Mar paranaense: A Serra do Ibitiraquire, onde fica o Pico Paraná e o Ciririca, a Serra da Farinha Seca e a Serra do Marumbi.

Esta travessia apenas tangencia a civilização em dois pontos breves: Cruzando a Estrada da Graciosa e a região de prainhas no Parque Estadual do Marumbi e apesar de ser menor que a Transmantiqueira, a Alpha Crucis apresenta mais dificuldade por conta do grande desnível, trilhas fechadas ou inexistente e o clima da região que é muito chuvoso.

Proposto há mais de 50 anos pelo montanhista Paulo Henrique Schimidt, o “Vitamina”, a travessia foi apenas realizada em sua totalidade em 2012 pelos montanhistas Elcio Douglas Ferreira e Jurandir Constantino, que fizeram o trajeto em 10 dias.

Após 6 anos da primeira realização, a dupla Paulo Taqueda e Israel Silva, enfim repetiram a travessia, porém com uma derivação distinta da realizada em 2012. Naquele ano, Elcio e Jurandir iniciaram a trilha no Bairro Alto de Antonina e ascenderam o Pico do Guaricana. A travessia de Paulo e Israel iniciou-se pelo Primeiro Planalto, na Fazendo Rio das Pedras e começou diretamente pelo pico do Ferreiro, fazendo com que eles conseguissem finalizar em apenas 8 dias.

Esta foi a segunda repetição. Em 2017, Lucas Feltrin, Leandro Cechinel, e Cleverson Souza também fizeram a travessia.

O relato desta travessia pode ser lido na íntegra no link abaixo:

:: Travessia Alpha Crucis 2018

Compartilhar

Sobre o autor

Redação - AM

Texto publicado pela própria redação do Portal.

Deixe seu comentário