Começa a temporada de montanha na Argentina e Chile. Confira dicas de trekking e montanhas

0

Países vizinhos ao nosso concentra belos trekkings e ascensões em montanhas, das quais se destacam a do Aconcágua (montanha mais alta dos Andes) e Ojos del Salado (vulcão mais alto do mundo).

Com o fim do inverno começa o calor e as chuvas torrenciais no Brasil, impedindo a realização de montanhismo e trekking nas montanhas do Sudeste e Sul, onde se concentra a maior parte das trilhas e montanhas do Brasil.

O fim da temporada de montanhismo no Brasil não é uma convenção, mas sim uma medida de segurança. Na época mais quente do ano, proliferam-se animais peçonhentos, mosquitos que causam doenças (como Dengue e Febre Amarela). Quando não chove, você pode ter insolação e desidratação por causa do calor, quando chove você pode ter hipotermia e não é raro haver acidentes com raios.

:: Leia mais: Verão bom é conceito Europeu – Coluna Pedro Hauck

A boa notícia é que o clima do Sudeste e Sul do Brasil não é igual em outros lugares próximos. No próprio Brasil, dezembro, janeiro, fevereiro e março é uma boa época para ir ao Monte Roraima, outra montanha clássica de nosso país. Seria também uma boa época para conhecer o Pico da Neblina, porém a visitação por lá ainda está em faces de liberação.

Argentina e Chile, no entanto, são países mais próximos das grandes cidades brasileiras, como São Paulo e Rio, do que o extremo norte de nosso país. Além disso, voos para Mendoza e Santiago sempre estão em promoção com valores acessíveis. O clima nestas regiões é o mediterrâneo, com verões secos e quentes, ou seja, com um clima bom para ir para alta montanha.

Os roteiros mais conhecidos nos dois países vizinhos estão na Patagônia, como os Trekkings de Torres del Paine (Chile) e El Chaltén (Argentina), dois roteiros clássicos que mostram sinais de esgotamento devido a super lotações. Trazendo alternativas inovadoras, mas também levando a locais clássicos, que muitos tinham medo de encarar, a agencia brasileira GenteDeMontanha anuncia os seus roteiros no verão na região dos Andes Centrais.

Listamos abaixo as opções das mais fáceis até as mais difíceis:

Cruce de los Andes

A paisagem do cruce de los Andes.

É uma travessia que cruza os Andes de Mendoza, na Argentina, até Santiago, no Chile. Esse roteiro não tem nada a ver com a corrida de mesmo nome que acontece na Patagônia, porém surpreende por sua beleza e exclusividade. Apesar de passar por dois passos acima de 4 mil metros, o Portillo Argentino com 4.320m e o Paso Piuquenes com 4.110m, esse é um trekking sem grandes dificuldades técnicas além dos 60 km de caminhada diluídos em 5 dias.

Apesar do ganho de altitude, estas subidas são bastante suaves e os visuais são incríveis, com vistas para várias montanhas de 6 mil metros, como o Negro Pabellón, Alto San Juan, Tupungato e Marmolejo. Por ser uma trilha que corta dois países, é um pouco mais difícil fazer por conta, por causa dos tramites burocráticos e logísticos. As mulas que carregam as mochilas, por exemplo, não podem cruzar a fronteira.

No entanto, tendo um preparo físico regular, ou seja, não sendo sedentário, este trekking pode ser realizado até por pessoas sem experiência.

Ano Novo – 28/12/2019 a 03/01/2020
Carnaval – 21/02/2020 a 27/02/2020
Semana Santa – 06/04/2020 a 12/04/2020

http://www.gentedemontanha.com/trekking/travessia-mendoza-a-santiago/

Cerro Penitentes

Cume do Cerro Penitentes

É uma montanha de 4.350 metros com uma vista espetacular para o Aconcágua. Recomendada para quem ainda não tem experiência em montanha e trekking e quer sentir altitude de uma maneira segura e sem muita dificuldade. Esta montanha pode ser feita em um fim de semana longo, pois são necessários apenas 3 dias para ir e voltar. Por isso não há uma data fixa, sendo um roteiro por demanda.

Geralmente quem participa do Penitentes são pessoas que estão em Mendoza a passeio e decidem ter uma experiência em trilha e montanha além daquilo que se vê na beira da estrada que corta os Andes entre Mendoza e Santiago. Sendo um roteiro sob demanda, é só entrar em contato e ver a disponibilidade dos guias. Como é uma montanha relativamente baixa, é um cume que pode ser feito de novembro até abril.

http://www.gentedemontanha.com/expedicoes/penitentes/

Trekking ao Acampamento Base do Aconcágua

Cume do Bonete

Este trekking pode ser feito por pessoas que desejam ter uma primeira experiência em altitude, mas que estão acostumadas a caminhar. Nele, acampa-se em Confluência (3200m) e Plaza de Mulas (4200m). No entanto o roteiro não se resume a isso. Nele, visita-se a base da parede sul, a maior parede dos Andes e palco de algumas histórias e também o Cerro Bonete, uma montanha de 5.050 metros com uma visão privilegiada do Aconcágua.

Este roteiro é para pessoas que tem bom preparo físico. Por duas vezes percorre-se 25 km de uma só vez e também faz a ascensão ao Bonete que tem um ganho de 700 metros verticais já em alta montanha. Sendo recomendado a quem já faz trekking e montanhismo e deseja ter uma primeira experiência em altitude.

Data 1 – 17/12/2019 a 25/12/2019 – Com Eduardo Tonetti
Data 2 – 26/12/2019 a 03/01/2020 – Com Pedro Hauck
Data 3 – 13/01/2020 a 21/01/2020 – Com Maximo Kausch
Data 4 – 02/02/2020 a 10/02/2020 – Com Eduardo Tonetti

http://www.gentedemontanha.com/trekking/trekking-ao-aconcagua/

Nevado San Francisco

Aclimatação no Nevado San Francisco.

Com 6023 metros de altitude, o San Francisco é conhecido por ser uma das montanhas de 6 mil metros mais acessíveis dos Andes. Ela fica na Puna do Atacama, uma região de altitude elevada, clima desértico, cheio de lagos salgados e salares. Ele é um vulcão e a aclimatação para escalá-lo realiza-se trekkings em montanhas menores e salares, num roteiro à parte chamado “Trekking 3 Lagunas”, que pode ser usado por acompanhantes que não deseja fazer cumes mais altos e difíceis.

No San Francisco não há aproximação à pé, parte-se ao local onde começa o ataque ao cume em caminhonetes 4×4. Mas a escalada até o topo cobra seu preço. Por se tratar de uma grande altitude, é necessário estar bem preparado fisicamente.

O San Francisco, no entanto é recomendado como primeira experiência em altitude, mas não em montanhismo. Para escalá-lo é preciso que você já esteja familiarizado com montanhismo e trekking em altitudes menores.

Data 1 – 03/02/2020 a 12/02/2020 – Com Pedro Hauck
Data 2 – 22/02/2020 a 02/03/2020 – Com Maximo Kausch

Cerro Plata

La Cumbre, Cerro Plata, Argentina

O Cerro Plata é uma reconhecida escola de alta montanha. Levando em consideração que alta montanha é um montanhismo avançado, se você já fez Serra Fina, Travessia Marins x Itaguaré, Monte Roraima e outras montanhas e travessias clássica no Brasil, pode considerar que está na hora de ir para uma montanha como o Plata.

O Plata ensina por que é uma montanha com aproximação. Nele se realiza dois acampamentos antes de chegar na base, como no Aconcágua. Depois da base, ainda é realizado um acampamento avançado. Por isso há toda uma questão logística a ser levada em consideração neste roteiro e as mulas não vão além da base, então é bom ter preparado para, pelo menos, fazer um porteio até Hoyada, o ultimo acampamento antes do cume.

Fora isso, o Plata é longo. São quase 1.300 metros de desnível até o cume. Exige preparo e bom psicológico. O bom é que fora o cume, os demais deslocamentos são curtos e a altitude é de quase 6 mil metros, ou seja não pega todo aquele frio como se pega nos acampamentos mais altos do Aconcágua, por exemplo.

Outra coisa é que o Plata não é tão técnico. Chega-se no cume com bastão de trekking e sem crampons. Botas duplas ou Rígidas simples são importantes por causa do frio, mas se usa apenas no dia de cume.

Data 2019 – 26/12/2019 a 05/01/2020 (Réveillon)
Data 2020 – 25/01/2020 a 04/02/2020
Data 2020 – 21/02/2020 A 02/03/2020 (Carnaval)

Ojos del Salado

Amanhecer no Ojos del Salado

O vulcão mais alto do mundo fica na fronteira do Chile com a Argentina ele tem apenas 64 metros a menos que o Aconcágua. Por isso é dezenas de vezes menos frequentado que a montanha mais alta dos Andes. Como ele fica numa região seca, é impossível realizar um trekking longo por conta da falta de água. Por outro lado, como é possível fazer aproximações em veículos 4×4, utiliza-se bastante este artifício.

Uma das montanhas de aclimatação para esta montanha é o Vulcão San Francisco. Por isso, se for escalar a segunda montanha mais alta do mundo é necessário ter resistência para se recuperar de outra escalada a uma montanha com mais de 6 mil metros.

O ataque ao cume do Ojos também não é fácil. O cume é estreito e para chegar lá é necessário fazer um trepa pedra acima dos 6.800 metros! O que faz esta escalada ser menos difícil que o Aconcágua são os trechos de aproximação em 4×4 e o acampamento base em Laguna Verde que tem banho de água termal.

Este roteiro, no entanto, exige que o montanhista já tenho tido uma experiência em montanha de altitude.

Data 1 – 03/02/2020 a 16/02/2020 – Com Pedro Hauck
Data 2 – 22/02/2020 a 06/03/2020 – Com Maximo Kausch

Aconcágua

A face sul do Aconcágua vista desde Confluência Foto: Gabriel Tarso

O teto das Américas é a montanha mais famosa de nosso continente e a mais desejada. Ser o mais alto, no entanto, exige experiência previa em outras montanhas de altitude. Não que não haja exemplos de pessoas que vão para a altitude pela primeira vez ali. De fato, a boa estrutura ajuda bastante, mas o Aconcágua é exigente física e psicologicamente. Novatos tendem a desistir e fazer isso numa montanha cara acaba sendo um desperdício.

Por ter quase 7 mil metros, o clima no Aconcágua é extremo. Quando há tempestade ela é pra valer, com ventos que destroem barracas e congelam seus dedos, se você não tiver bons mitons e botas duplas.

Escalar o Aconcágua, no entanto, é uma meta para muita gente e de fato chegar no cume da montanha mais alta dos Andes a segunda mais alta dos 7 cumes é algo inesquecível.

17/12/2019 a 02/01/2020 – Com Eduardo Tonetti – USD 4.400
26/12/2019 a 11/01/2020 – Com Pedro Hauck – USD 4.400
13/01/2020 a 29/01/2020 – Com Maximo Kausch – USD 4.600
02/02/2020 a 18/02/2020 – Com Eduardo Tonetti – USD 4.400

http://www.gentedemontanha.com/expedicoes/aconcagua/

Mercedário

Pedro Hauck a 6.300 metros de altitude no Mercedário.

A oitava montanha mais alta dos Andes está inserida no mesmo contexto de paisagem e clima do Aconcágua. Com 232 metros a menos que seu vizinho mais alto, é uma montanha muito menos frequentada, para não dizer vazia.

As dificuldades são as mesmas enfrentadas no Teto das Américas, mas por ser mais isolada e esquecida e principalmente, por não ter estrutura, acaba sendo mais difícil, ainda que sua aproximação seja mais curta e menos exigente que o Aconcágua.

Este é um roteiro para quem quer fugir dos congestionamentos e da lotação do Aconcágua, apreciando a natureza selvagem de um 6 mil andino respeitado, mas bem menos conhecido. Quem escala o Mercedário é por que já se tornou um “andinista”.

Data 2020: 13/01/2020 a 26/01/2020

http://www.gentedemontanha.com/expedicoes/mercedario/

 

Compartilhar

Sobre o autor

Redação - AM

Texto publicado pela própria redação do Portal.

Deixe seu comentário