Vulcão San Pedro – solitário e de bivaque – parte 2

0

Começo a segunda parte com um vídeo que fiz no dia antes de subir pro cume, ficou uma mensagem no ar! Quando se esta absolutamente sozinho em uma montanha enorme, com fome, sede, você tem que ocupar seu tempo. De vez em quando sai uma pérola dessas ahahahah…


Leia a primeira parte do relato

Conheça mais
sobre a viagem de Parofes: Quanto mais, melhor!

A janta foi econômica, mas fui dormir bem, pelo menos eu achei que sim. A economia na comida e nos liquidos ja estavam me desgastando e eu nem percebi.

Acordei com meu relógio despertando às quatro da matina. Tempo perfeito, sem vento, temperatura de quatro negativos, lógicamente menos frio que eu esperava pra 5.300 metros. Dormi mais ou menos bem, sem ansiedade pra escalada que é o que normalmente me acontece. Analisando mais tarde, penso que dormi bastante já pela deficiência de meu corpo de algumas vitaminas, sais minerais, nutrientes e blá blá blá. Meu corpo estava cansado e me enviando um sinal.

Em vinte minutos estava pronto e meti a cara a tapa, comecei a ascensão ao vulcão San Pedro. Como eu já esperava, o terreno não ajuda. Pior, eu poderia jurar que ninguém passava por ali fazia tempo, não tinha trilha nenhuma! Assim como na aproximacao nos dois dias anteriores, mas pelo menos nestes dias eu poderia seguir as trilhas deixadas por guanacos e vicuñas. Por serem animais territoriais, passam sempre pelo mesmo local, inclusive defecam no MESMO local sempre.

Conforme eu caminhava o tempo piorava. Nao havia nuvens no céu, mas começou a ventar um pouco e o frio ficava um pouco mais forte à medida que eu ganhava altitude. Fui subindo por puro instinto sempre mirando como objetivo o falso cume fazendo um zig zag, de vez em quando escorregando areia vulcânica abaixo mas nada demais.

Ganhei altitude, o frio aumentou. Olhei o relógio e marcava oito negativos. Até aí tudo bem já encarei pior que isso, mas o vento também aumentou. Não era muito forte, porém suficiente pra eu sentir frio nas extremidades, meus dedos das mãos estavam gelados nas pontas. Eu usava uma camada de luva de x-thermo da solo que sempre me ajudaram muito, sobre elas o meu par de luvas da B&D que são muito boas. Não era suficiente e agora analisando, entendo a razão.

Economizar na bebida e na comida me debilitou, não percebi é claro e estava pagando o preço por isso. Meu corpo não tinha energia suficiente para exercer as duas tarefas: Me aquecer durante a escalada e me dar forças pra escalada própriamente dita. Como eu me concentrei 100% na ascensão, meu corpo dedicou a energia para as pernas e pulmões. Muito mal…

Mesmo com frio, continuei a subir concentrado, feito uma máquina, na mesma passada, evitava parar para descansar pois é aí que o frio piora. Quando o relógio marcava seis da manhã eu estava a 5.880 metros, tinha avancado 600 metros verticais em uma hora e quarenta minutos, muito rápido. Olhando a hora no relógio que estava pendurado na minha mochila pra evitar misturar temperatura ambiente com corporea notei que a temperatura caiu mais um grau, nove negativos.

Então a situação piorou, a quase 5900 metros de altitude eu estava com muito frio nas mãos e pontas dos pés também, pois subi levando só minha bota de trekking Salomon. Trocar de mão usando só uma com um bastão e a outra dentro do pluma resolvia, mas momentaneamente. O tempo que durava o aquecimento da mão quando eu trocava foi reduzindo gradativamente até que não funcionava mais. A esta hora, seis da manhã, tirei as duas camadas de luva e iluminei com a lanterna, a hipoxia somada ao frio e a minha deficiência de bebida e comida eram visiveis, as pontas dos dedos estavam roxas, com baixa oxigenação e geladas como um glaciar.

Fiquei em um impasse, opção um: Cancelar a escalada? Isso me custaria descer tudo e tentar fazer uma fogueira pra me aquecer. Opção dois: Tentar de algum jeito aquecer as mãos e continuar, em pouco tempo o sol nasceria e estaria tudo bem?

Optei pela numero dois. Me sentei, fiquei meia hora colocando uma mão de cada vez dentro das calças pra aquecer e reverter o início do congelamento. Fiquei nesse processo por meia hora, sentado ao lado de uma rocha que me protegia do vento. FELIZMENTE deu certo. Depois de meia hora ou 35 minutos, voltei a sentir melhor meus dedos das mãos, estava muito mais confortável. O sol ameaçava aparecer no horizonte atrás do San Pablo, por isso me levantei e voltei a subir.

É claro, as mãos voltaram a gelar, mas eu estava subindo ainda e o sol estava próximo, vambora Parofes! Em determinado momento eu não pensava, já falava em alto som. Estava sozinho mesmo, ninguém me ouviria! “Puta merda, esse falso cume não chega, odeio falso cume caralho”

É claro, o humor já tinha acabado eras atrás (risos), mas continuei. Quando o sol despontou lá no céu boliviano, era sete e quarenta da manhã, eu estava a 5.970 metros perto do falso cume, estava ali, podia quase tocá-lo! A chegada a este falso cume á miserável, depois de subir a areia escorregadia por horas, você ainda passa por um interminavel trepa pedra pra chegar lá…Nossa mãe, não acaba nunca!

Enfim, depois que o sol nasceu tudo mudou, me animei mais, as mãos e pés melhoraram e voltaram ao normal (a experiência de colocar as mãos feito gelo dentro das cuecas não foram nada boas kkkkk), progredi até que lá pelas oito e meia, quando cheguei ao desgraçado falso cume, exatos 6.125 metros de altitude. Via o cume ali, na minha frente, bastava atravessar uma “ruela” esculpida pelo vento e subir os metros finais por uma trilha que era a unica visivel em toda a montanha.

Descansei, peguei um pouco de sol, bebi uns goles de isotônico, fiquei ali sentado por vinte minutos observando a paisagem. Finalmente curtindo a escalada.

Me levantei e em dez minutos venci o trecho final que teria vencido em dois se estivesse em boas condições. Nos metros finais fiz um video chegando lá. Pelos meus comentários percebe-se como eu estava cansado e de mal humor depois do sofrimento pra chegar lá. Fora dificil, sofrido, uma provação. Cinco horas exatas de 5290 metros até o cume a 6.145 metros. Video abaixo:

A chegada ao cume do vulcao San Pedro, 6.145 metros.

Caiu a teoria pra mim de que a Laguna do Licancabur e a mais alta do mundo. Esta ai deve estar a algo em torno dos 6050 metros de altitude! Era completamente roxa a água, a foto não dá uma idéia legal e eu estava cansado pra calibrar câmera, mãos doendo ainda…

Pelo menos não roubaram a caixa do Banco de Chile deste seis mil, acho que eu pulava dentro da cratera ativa se tivesse forçaas pra lá chegar ahahahahha.

Assinei o livro, li as assinaturas. Desde 2005 que lá esta e só haviam umas vinte páginas completas. Mais ou menos uma ascensao a cada dois meses! Montanha esquecida, proibida, o que será? Não encontrei nenhuma assinatura brasileira.

Missão cumprida, comecei a descer. Quando estava a uns 5800 metros cruzei com um cara meio alemão, subindo sozinho também! Na verdade não sabia se era uma pessoa mesmo ou se eu estava delirando, sério. Pelo menos agora com sol eu rendia melhor, em apenas uma hora de ski bota cheguei no meu bivaque. Estava cansado demais e já desci decidido a juntar as tralhas e me despedir da montanha. Era o terceiro dia, tinha fome, estava incrivelmente fedido, precisando de um banho e uma refeição quente. A única coisa que fiz foi procurar alguma barraca ou bivaque do misterioso “alemão”, não encontrei nada. Também não procurei nada bem viu…rs

San Pablo, fica pra próxima. Fui embora. Dormi antes por umas duas horas pra repôr um pouco de energia, relaxar. Quando acordei ai sim, juntei tudo, joguei dentro da mochila com cheiro de chulé mesmo e comecei a descer.

Longa, longa descida…Toda aquela aproximação que me custou dois dias fiz de volta em menos de 3 horas, desci práticamente correndo. Nao pensei no que fizera. E meu transporte? Tinha acordado para o quinto dia!!!

Pra resumir o causo, tive que fazer um novo bivaque, desta vez lá no antigo acampamento base, sem a menor paciência e com roupas fedidas e saco de dormir fedendo a um chule quase insuportável, pra pelo menos tentar uma carona no quarto dia pela manhã, que seria hoje!

Ah o mistério: Evidentemente era um homem sim e não uma miragem! Havia uma enorme van branca estacionada no base. Era do cara solitário que foi subir o vulcão.

Acordei tinindo as 5 da manhã hoje, juntei tudo e como o AB e perto da estrada, só uns 800 metros, as cinco e meia estava la “dedando” tudo que passava. Nao custou muito por incrivel que pareça, algo saiu perfeitamente certo! Vinte e cinco minutos depois peguei carona com um furgão caindo aos pedaços de um boliviano que vinha pra San Pedro de Atacama, acreditem! Vinha encontrar uns conhecidos aqui que trabalham em uma agência da cidade, devolvendo o carro (placa chilena) que fica indo e vindo atravessando em tours, etc e afins…Claro, dei um agrado. Joguei na mão dele dez mil pesos chilenos (uns 20 dolares).

Cheguei na cidade hoje pela manhã, já mandei uns e-mails dando notícias incluindo a Lili, o Pedro, amigos e minha irmã. Em seguida fui na casa do Rodrigo cancelar a sua ida até o vulcao pra me buscar. Projeto concluído! Agora começo a voltar pra casa antes que a muié que me lance um projeto kkk.

Abracos a todos e mais uma vez, obrigado pela torcida!

Paulo Roberto – Parofes

Compartilhar

Sobre o autor

Parofes (in memorian) - Colunista

Parofes, Paulo Roberto Felipe Schmidt (In Memorian) era nascido no Rio, mas morava em São Paulo desde 2007, Historiador por formação. Praticava montanhismo há 8 anos e sua predileção é por montanhas nacionais e montanhas de altitude pouco visitadas, remotas e de difícil acesso. A maior experiência é em montanhas de 5000 metros a 6000 metros nos andes atacameños, norte do Chile, cuja ascensão é realizada por trekking de altitude. Dentre as conquistas pessoais se destaca a primeira escalada brasileira ao vulcão Aucanquilcha de 6.176 metros e a primeira escalada brasileira em solitário do vulcão ativo San Pedro de 6.145 metros, próximo a vila de Ollague. Também se destaca a escalada do vulcão Licancabur de 5.920 metros e vulcão Sairecabur de 6000 metros. Parofes nos deixou no dia 10 de maio de 2014.

Comments are closed.