Montanhistas se unem para publicar catálogo de montanhas andinas

3

 

No meio dos Andes

A cordilheira dos Andes é a mais extensa cadeia de montanhas do mundo e a segunda mais alta. Suas montanhas vêm sido escaladas desde a época anterior aos colonizadores espanhóis, pois sabe-se através de pesquisas arqueológicas que os Incas já tinham uma cultura de montanhismo, diferente da nossa, mas que resultou na ascensão de muitas montanhas imponentes.

VEJA MAIS: Antes dos primeiros: O Montanhismo dos Incas.

No entanto, até pouco tempo, não havia um catálogo com informações sobre estas montanhas. Qual suas altitudes, quem foram os conquistadores e outros dados importantes estavam espalhados em diversas fontes. Dado a longa tradição de ascensões a montanhas andinas, há muitos dados errados ou desatualizados. Novas tecnologias nos permitiram saber melhor a altitude de montanhas, contrariando casos clássicos que deixavam alguns cumes mais altos do que realmente são, como o Cerro Plata, perto de Mendoza (Argentina) que na carta topográfica consta com 6300 metros, mas que na realidade tem 5935 metros de altitude.

Altitude correta é apenas um dos problemas, há outro muito mais simples. Por incrível que pareça há muitas montanhas que tem vários nomes e até pouco tempo eram tratadas como sendo montanhas diferentes. Isso acontece por que muitos cumes são fronteiriços e montanhas são retratadas com nomes diferentes por povos diferentes. Este problema também ocorre porque há também muitas montanhas em locais remotos e exploradores não raras vezes batizaram montanhas por que não tinham acesso a informações, cartas topográficas, relatos e outros, que demonstravam que a montanha já tinha um nome.

Tentando unificar estes dados, o montanhista e explorador argentino, radicado no Brasil Maximo Kausch, propõe a revisão de todos estes dados e abriu uma planilha para contribuições. O objetivo de Kausch é resolver conflitos existentes de nomes, altitudes e história e deixar publicado na internet todas estas informações.

Informação sobre as montanhas dispostas no arquivo KML.

 

Maximo, que é um dos mais experientes montanhistas do mundo, já tendo escalado cerca de 90 montanhas acima de 6 mil metros somente nos Andes, convidou diversos montanhistas que assim como ele, tem experiencia em explorar montanhas remotas e conhecem os Andes com profundidade. Dentre as pessoas que estão participando do projeto destaca-se:

Eberhard Jurgalski – Investigação dominância Andes. Alemanha
John Biggar – Livro The Andes y web andes.org.uk. Escócia
Guillermo Almaraz – Investigação toponímia y primeiros ascensos. Argentina
Ulrich Lorber – Projeto Nomenclatura, Chile
Álvaro Rojas – Puna de Atacama. Chile
Ulrich Lorber – ‘Projeto Nomenclatura’, Central Andes – Chile
Camilo Rada – Informação DGPS Andes Centrais. Chile
Christian Peñas – Puna de Atacama. Chile
Pedro Hauck – Puna de Atacama. Brasil
Nate Heald – Vilcanota, Vilcabamba, Urubamba, Peru
Alberto Hung. Cordilheira Blanca, Huyahuash, Raura, Central, Peru
Pablo David González – Andes Centrais. Argentina
Guillermo Corona – Andes argentinos. Argentina
Glauco Muriti – Puna de Atacama, Andes Centrais. Argentina

Conceito de montanha

Uma das dificuldades do projeto refere-se ao conceito do que é uma montanha.

Há varias maneiras de se classificar uma montanha. A mais conhecida, que é a geomorfológica, considera uma montanha qualquer proeminência superior a 300 metros. No entanto, o pesquisador Eberhard Jurgalski desenvolveu o conceito de Índice de Dominância, que é um conceito relativo de classificar uma montanha.

O conceito do que é uma montanha é uma das dificuldades.

No Índice de Dominância ao invés de levar um numero absoluto de quanto uma elevação tem topograficamente a mais que o colo que separa esta, da montanha vizinha, é um conceito mais justo, pois os 300 metros numa cadeia como a do Himalaia é pouco, mas na Serra do Mar, é muito. A complicação deste conceito é que para obtê-lo são necessários vários dados, a altitude do cume, a altitude do colo e o desnível topográfico.

:: VEJA MAIS: O que faz de uma montanha uma montanha: O Índice de Dominância

Resultados:

 

Catálogo das montanhas andinas

A pesquisa continua em andamento e a tabela e o arquivo KML do Google Earth estão disponíveis para download e conferencia. A ideia é manter destes dados disponíveis para contestação e correção. Após este tempo de consulta, cada montanha receberá uma página no Wikipedia com seus dados e as que já dispõem, terá os dados corrigidos.

CATÁLOGO ANDES +5000

KML para Google Earth

http://www.andes-specialists.com/Andes/Andes5000%2B.kml

Lista +5000 en Excel

https://docs.google.com/spreadsheets/d/1s1EIvuju1yj7bbhUtUMToFaqrfV5WoO5Pls-SbuxkuQ/edit#gid=0

 

Compartilhar

Sobre o autor

Redação - AM

Texto publicado pela própria redação do Portal.

3 Comentários

  1. Avatar
    Felipe Reinaldo Ribeiro Giroldo em

    Gostaria de sugerir uma localização de um vulcão bem próximo a Antofalla, Argentina. Sua altitude é de 5109m, e de acordo com pessoa local de Antofalla ele se chama Botija. Localização: S 25º34’3.392″ W 67º45’10.091″. Escalamos em dezembro de 2019 para aclimatar. Felipe Giroldo, Giuliano Cossolin. Tenho registros em GPS e fotos do local. Ele é avistado e está entre a região de Ojos del Campo e do Vulcão Antofalla.

  2. Avatar
    Felipe Reinaldo Ribeiro Giroldo em

    Olá Pedro, obrigado pelos esclarecimentos. Li o artigo e entendi os critérios. De qualquer maneira parabéns pelo artigo.

Deixe seu comentário