Cientistas afirmam que supervulcão de Yellowstone é maior que se pensava - AltaMontanha.com - Portal de Montanhismo, Escalada e Aventuras
Parque nos EUA

Cientistas afirmam que supervulcão de Yellowstone é maior que se pensava

Segundo artigo científico, vulcão tem 90 km de largura e até 15 km de altura. Não há forma de prever próxima erupção de supervulcão, diz cientista.

Fonte: BBC

Um "supervulcão" que está abaixo do solo no Parque Nacional de Yellowstone, nos Estados Unidos, é muito maior do que se pensava inicialmente, segundo um estudo.
 
A pesquisa mostra que a câmera de magma é 2,5 vezes maior do que o apontado por um levantamento anterior. A caverna teria 90 quilômetros de largura e algo entre 2 e 15 quilômetros de altura, com 200 a 600 quilômetros cúbicos de rocha fundida.
 
Os dados foram apresentados durante um encontro da Sociedade Americana de Geofísica, de São Francisco.
 
"Nós estamos trabalhando lá há muito tempo, e sempre pensamos que ele poderia ser maior. Mas esta descoberta é estarrecedora", diz Bob Smith, pesquisador da Universidade de Utah.
Caso o supervulcão de Yellowstone entrasse em erupção, as consequências poderiam ser catastróficas. Na última vez que isso aconteceu - há 640 mil anos -, ele espalhou cinzas por todo o continente da América do Norte, afetando o clima do planeta.
 
Próxima erupção
 
Os cientistas acreditam que, com o novo estudo, passam a ter informações mais precisas sobre o supervulcão.
 
Eles usaram uma rede de sismógrafos espalhados pelo Parque Nacional para tentar mapear o conteúdo da câmera de magma.
 
"Nós registramos terremotos no Yellowstone e arredores e medimos as ondas sísmicas na medida em que passam pelo solo. As ondas viajam mais lentamente por material quente e fundido. Assim conseguimos medir o que está abaixo do solo", diz o pesquisador Jamie Farrell, também da Universidade de Utah.
 
Smith explica que apesar de o tamanho ser muito maior do que o medido em outros estudos, isso não aumenta os riscos para a fauna no Parque Nacional.
 
Ele disse também que não há forma de prever quando o supervulcão voltará a entrar em erupção.
 
Alguns acreditam que o vulcão deveria entrar em erupção a cada 700 mil anos, mas Smith acredita que é preciso coletar mais dados para sustentar essa teoria. Até agora, os cientistas só têm informações sobre três erupções passadas do supervulcão, ocorridas há 2,1 milhões, 1,3 milhão e 640 mil anos.
 
É apenas com base nestes registros que eles estimam esse intervalo de cerca de 700 mil anos entre erupções.

Publicidade:


Publicidade

Publicidade