Maximo Kausch e Pedro Hauck escalam todos os 6000 da Bolívia e homenageiam seu amigo Parofes - AltaMontanha.com - Portal de Montanhismo, Escalada e Aventuras
14 montanhas

Maximo Kausch e Pedro Hauck escalam todos os 6000 da Bolívia e homenageiam seu amigo Parofes

A forte dupla de alpinistas que escala junto há 16 anos, completou ontem a ascensão das 14 montanhas com mais de 6000 metros de altitude dos Andes Bolivianos. Nas últimas 7 ascensões eles carregaram as cinzas de seu amigo Parofes.

Fonte: Redação

Sem ajuda de terceiros a dupla completou ontem a escalada dos 14 cumes mais altos da Bolívia. Foi o 67º cume andino com mais de 6000 metros para Maximo Kausch e o 27º cume para Pedro Hauck.
 
Foi um grande passo para a exploração andina e para o trabalho de mapeamento que estamos fazendo há 11 anos. Também foram alguns cumes importantes para o meu projeto da escalada de todos os 6000 dos Andes” conta Maximo Kausch que se tornou recordista mundial de escalada de montanhas de altitude extrema em 2012.
 
Os mais altos dos Andes bolivianos são:
 
Sajama - 6555
Illimani - 6438
Ancohuma - 6425
Illampu - 6368
Parinacota - 6342
Pomerape - 6282
Chearoco - 6104
Huayna Potosi - 6088
Chachacomani - 6074
Guallatiri - 6070
Acotango - 6055
Chaupi Orco - 6044
Uturunco - 6015
Capurata - 6005
 
A dupla pretende escalar mais cumes de 6000 metros ainda este ano. Para Maximo Kausch faltam 16 cumes para terminar 2 pesos pesados: Chile e Argentina.
 
Lembranças do Parofes
 
O que o Parofes iria dizer se ele estivesse aqui?” Segundo a dupla, é algo que passaram a se perguntar muitas vezes e os motivou a continuar a vencer muitos desafios extremamente complexos.
 
Paulo Roberto Felipe Schmidt, o Parofes, que era também um forte alpinista dentre os mais experientes do país, faleceu em maio passado após lutar 2 anos e meio contra a leucemia.
 
Parofes escreveu uma carta pós mortem que foi lida por milhares de pessoas e comoveu o Brasil. Nesta, ele se despede e se revolta com a negligência que é dada aos portadores dessa terrível doença. Leia a carta.
 
Maximo Kausch que o conhecia desde 2009 lembra que: “Sempre tentamos escalar grandes montanhas juntos mas nunca deu certo. Em janeiro finalmente parecia que ele ia se livrar da doença pois já tinham aparecido doadores. Não faltavam expedições e já estávamos planejando uma escalada em altitude juntos. No entanto lá para o fim de fevereiro ele me contou que ninguém falou mais nada sobre os doadores e em maio chega a triste notícia que ele faleceu”.
 
Pedro Hauck, amigo há 7 anos disse que: “O REDOME deu muita esperança ao Parofes devido ao fato de ser um banco internacional de medula e que tem muitas pessoas cadastradas. Apareceram vários prováveis doadores mais compatíveis do que as próprias irmãs dele e só faltavam alguns exames para ver o grau de compatibilidade. Só que esses exames foram coletados e nada foi feito mesmo após meses. Ninguém sabe o que aconteceu, nunca responderam ele e infelizmente morreu sem saber
 
Recursos
 
A dupla escalou todas as montanhas sem a ajuda de carregadores, guias ou cozinheiros. Segundo eles a falta de informação foi um dos maiores desafios na Bolívia.
 
Desde sempre estamos acostumados a escalar de forma independente, organizando nossas expedições, planejando rotas sem nenhum conhecimento do lugar e indo com nosso próprio carro até a base das montanhas sem contar com a ajuda de ninguém. Isso torna tudo muito mais difícil e adiciona o fator da incerteza no meio de tantas outras dificuldades que existem para escalar uma montanha”, conta Pedro Hauck.
 
Pedro que é atualmente um dos alpinistas mais experientes do Brasil, trabalhou como instrutor de escalada em rocha por um ano para financiar o projeto. Para aprimorar o seu conhecido curso de escalada em rocha, o alpinista abriu um pequeno setor com vias fáceis e didáticas com o intuito de  trazer novos adeptos ao esporte. Pelo menos 30 alunos se formaram escalando no novo local.
 
No entanto, ele acabou de voltar para casa para descobrir que seu ganha pão, suas vias de escalada em rocha no pequeno Anhangava-PR, foram destruídas por escaladores locais.
 
Maximo Kausch trabalha como guia de montanha e financia seu projeto guiando clientes pelo mundo. Maximo é atleta apoiado pelas marcas: Makalu, Deuter, La Sportiva, Julbo, Xtrax e Gente de Montanha.

Publicidade