A coisa ficou feia para o jovem escalador David Lama.

0

Criticas sobre sua empreitada em Chalten na temporada deste ano não param de circular pela rede.


Depois do poste de Rolo Garibotti no site Desnível, escaladores do mundo todo estão se perguntando até onde vai o dever com o patrocinador e a ética de montanha.

Estive em Chalten esta temporada assim como muitos outros amigos escaladores brasileiros, e esbarrei com o David Lama na Cervejaria (Varias vezes), até vi um amigo tomar a guria que o austríaco estava mascando há horas (Lama perdeu pro Paulista!), realmente ele estava com uma boa equipe de suporte, os caras eram grandes (rs).

A temporada deste ano não foi muito boa, muitos projetos ficaram para outra temporada devido ao tempo ruim que pairava sobre a Patagônia, mas tive a sorte de conhecer Garibotti em um dia de escalada pelas paredes fora da cidade, se não fosse à carona de Garibotti eu e os meninos iríamos andar debaixo de um temporal por duas horas até chegar a Chalten.

Dos dias em que estive em Chalten, não esbarrei com Lama na Rocha, talvez por estar comprometido em seu projeto e com sua equipe, o que mais vi em Chalten este ano foi a garotada brazuca aproveitando até o fim da temporada cada pedaço de pedra e mandando super bem.

Então, segue um resumo da coluna de Rolando Garibotti na revista Desnível, leia e tire suas conclusões. Vou manter o texto no original para não levantar falsas traduções, duvidas é só entra na ferramenta de idiomas do Google e realizar a tradução automática.

Este es un resumen de la columna publicada por Rolando Garibotti en Desnivel de Mayo 2010.

Este verano, la actividad alpinísitica más comentada de la zona del Chalten no fue una ascensión, sino un proyecto que muy lejos estuvo de concretarse: la escalada en libre de la Vía del Compresor por el joven austríaco David Lama.
 
Esta expedición no consiguió liberar ni un solo metro de la vía, pero em cambio si que dejaron unos regalitos:

1. Cientos de metros de cuerdas fijas utilizadas por los equipos de filmación y que estuvieron abandonadas en la montaña durante meses hasta que algunos guías argentinos fueron a retirarlas;

2. 60 parabolts en la primera mitad de la vía donde ni Maestri tuvo que hacerlo con su compresor. Éstos todavía no han podido ser retirados.

¿No sería bueno que la comunidad de escaladores (de todo el mundo) preguntase al equipo de Lama y Red Bull al respecto?

Correcta es la reflexión de Garibotti al cual cito textualmente: “…habría que preguntarse cómo reaccionaría la comunidad de escaladores de uno de los países del arco alpino si lo mismo tuviese lugar en alguna de sus montañas más emblemáticas. ”

Rolando Garibotti

Sem um pingo de duvidas, David Lama é um dos maiores talentos do mundo quando se trata de escalada em rocha e está fazendo o máximo em cada oportunidade para mostrá-lo, talvez às vezes deixando a desejar sua conduta. David foi o mais jovem competidor a participar de um mundial de escalada, aos 15 anos, ficando em segundo lugar. Ele venceu sua segunda e terceira Copa do Mundo em Dresden (Alemanha) e Hall (Áustria), fazendo história em Dresden como o mais jovem campeão mundial. Não da para desmerecer nem de longe o garoto.

O que eu acho?  Bom, ele não foi sozinho, por trás dele existem grandes patrocinadores, e grandes patrocinadores pedem grandes resultados. Um administrador ruim e um assessor sem muita ética podem colocar o garoto no caminho errado. Já vimos isto em outros esportes onde atletas se perdem por serem orientados de forma errada (Não foi assim com Roque Balboa?).

Não estamos tratando de um escalador solitário, o caso é bem maior, muita gente esperando do garoto, não é mais só uma questão de grau ou cume de montanha, estamos falando de euros, muitos euros. Que escalador que hoje vive do esporte recusaria um patrocínio deste? Difícil responder com muitos zeros na conta e uma pilha de contas para pagar.

Quando se escala para uma grande marca, a propaganda gerada não será direcionada para esportistas de montanha, e sim para a grande massa, ou seja, o “povão” que vai tomar a latinha e achar que pode tudo igual ao cara. Felizmente nos montanhistas sabemos disso, bom, eu acho que sabemos.

Vamos esperar o pronunciamento da equipe de Lama, e torcer para que isso não aconteça novamente, o palco da escalada mundial esta ficando meio poluído com tantos casos de desconfiança e falta de ética, como foi o caso dos coreanos nestes últimos dias. Vamos dar uma chance para explicações. Menos pedradas e mais escaladas, limpas é claro.

Força sempre e boas escaladas.
Atila Barros

 

Compartilhar

Sobre o autor

Atila Barros - Colunista

Atila Barros nasceu no Rio de Janeiro, e vive em Minas Gerais, cidade que adotou como sua casa. Escalador (Montanhista) há 12 anos, é apaixonado pelo esporte outdoor. Ele mantem o portal Rocha e Gelo (www.montanha.bio.br)

Comments are closed.