Campos fogo e gado: A visão de Katia Ribeiro

0

A exposição de Pedro Hauck sobre as variações climáticas e vegetacionais nos últimos milhares de anos, com base principalmente nos trabalhos de Behling, é sucinta e, na minha opinião, em grande parte correta, embora não transpareça no texto a quantidade de precauções e dúvidas na interpretação dos dados palinológicos colocadas pelo próprio Behling e seus colaboradores em seus artigos. Hermann Behling mostra ter toda a consciência sobre as limitações e incertezas para se interpretar dados obtidos pela análise de alguns cores coletados em pontos bastante distantes entre si no sul e sudeste brasileiros, cores estes feitos em lagos e turfas que funcionaram ao longo dos milênios como locais de depósito e preservação de pólen e outros materiais vegetais e animais oriundos de amplas bacias de captação, com diferentes tipos vegetacionais.

Campos, fogo e gado – considerações sobre o artigo de Pedro Hauck “origens dos campos de altitude”.

Por Katia Torres Ribeiro

O resumo apresentado é pertinente, mas o autor atinge alta velocidade, ou seja, derrapa, na  consideração quase final:  “Com isso concluímos não somente o aspecto de vegetação relictual dos campos, como que sua tendência, com a manutenção do clima atual é seu desaparecimento. Contribui para a sua existência os impactos do fogo, que impossibilitam o avanço da vegetação florestal sob os campos e também os impactos do homem e de atividades pastoris que não substituem as gramíneas naturais por exóticas. Com isso, podemos concluir que medidas conservacionistas dos Parques como o de Itatiaia e do Marumbi mais contribuem para o desaparecimento dos campos do que para sua preservação, já que este tipo de vegetação é extremamente adaptável às queimadas e ao pisoteio e à presença do homem”.

Ali, uma imensa simplificação é feita sobre um cenário bastante complexo, com elementos que não estão de forma alguma expostos anteriormente. Como se fosse uma conclusão natural a partir das considerações acerca das oscilações do Pleistoceno e da pressão da floresta sobre os campos nos tempos atuais mais úmidos e quentes, o autor condena o posicionamento dos órgãos conservacionistas em relação ao controle do fogo e do pisoteio, sendo que neste caso o autor junta o pisoteio do gado e humano, bastante distintos uma vez que o gado também pasta, e o ser humano transita por locais de pouco interesse para o gado.

Organizo meu questionamento em 6 pontos:

1º É preciso separar, nas análises e considerações, os incêndios do pisoteio – são fontes de perturbação sobre os ecossistemas com efeitos muito distintos, e não necessariamente associados. O incêndio pode ser visto, nas palavras de Bond & Keeley (2005) como um grande herbívoro, um herbívoro global pouco seletivo, que de forma quase indiscriminada consome gramíneas, arbustos e até árvores. E que rapidamente disponibiliza uma grande quantidade de nutrientes, e em geral quem se beneficia com isso são as plantas de crescimento rápido, que absorvem rapidamente os nutrientes e transformam em biomassa. São as plantas ruderais – por outro lado, muitas das plantas características dos campos de altitude são muito sensíveis à passagem do fogo, e conseguem se salvar quando estão em locais protegidos, principalmente superfícies rochosas. As mais restritas, endêmicas, têm crescimento extremamente lento e podem perder a competição com espécies de crescimento rápido. Estas mesmas espécies de crescimento lento podem ter tido uma distribuição mais ampla e mais abundante sobre a matriz campestre quando os incêndios eram menos freqüentes (Ver Behling & Pillar, 2005).  Incêndios estes que desde a colonização européia ocorrem justamente nas épocas mais secas, sem relação com a ocorrência de raios (que seria a causa natural) e que assim se alastram a perder de vista, em época de charcos e córregos secos, consumindo planaltos inteiros, alcançando as matas.

Incêndios naturais devem ter atingido os campos brasileiros, montanos ou não, ao longo da história evolutiva, considerando a imensa freqüência de raios no país. Mas a freqüência dos raios e a capacidade de ignição e de propagação do fogo, dependendo das características da vegetação (material combustível fino e grosso, umidade, distribuição de barreiras naturais ao fogo, etc.), são extremamente variadas. É fundamental estudar os efeitos do fogo a fundo para se discernir as diferenças dos efeitos dos vários regimes de fogo sobre cada tipo de vegetação, separando também seus componentes e o efeito sobre a fauna.

2º De quais campos de altitude o autor está falando? É certo igualar em termos ecológicos e evolutivos os campos sobre formações sedimentares a oeste de Curitiba com os campos na Serra do Mar paranaense e os campos de altitude do Itatiaia? É certo igualar os campos antropizados do Itatiaia, a cerca de 1800 metros de altitude (ex. Serra Negra), mantidos de fato com a combinação de fogo e pastoreio, com os campos do planalto propriamente dito? Podemos usar o mesmo raciocínio para planejar o manejo dos campos de altitude da Serra dos Órgãos e os campos do Rio Grande do Sul, entremeados por matas, estes que efetivamente têm sua extensão bastante modulada pelo fogo e pelo gado? 

Os estudos Behling foram realizados a partir de coletas em turfas em várias localidades, variando a altitude e a latitude, que fortemente influenciam a vegetação. É preciso relacionar cada conclusão a cada local amostrado – alguns deles em altitudes bem abaixo da distribuição atual dos campos de altitude.

3º De acordo com Hauck, baseando-se nos artigos de Behling, com o aumento das temperaturas e da umidade os campos tendem a ficar cada vez mais reduzidos, e com fogo e pisoteio as áreas onde hoje se encontram os campos poderiam se manter campestres. Bem, muitas áreas nos topos das montanhas vão se manter campestres de qualquer forma, seja porque os solos são excessivamente rasos, ou pela forma de drenagem, pobreza de nutrientes, dessecação pelo  vento, temperatura, ou combinação destes fatores (Crawford, 1997). Que eu saiba, não dispomos hoje de uma estimativa sobre quanto perderíamos de campos de altitude, em termos de porcentagem de área, se incêndios antropogênicos fossem integralmente evitados e se o gado fosse retirado. Precisamos destes números para ter uma conclusão sobre qual a ameaça sobre os campos com este tipo de manejo.

Mas, por outro lado, qual vegetação cresce nas bordas dos campos de altitude? Justamente as matas de araucária, em alguns lugares, e em grandes extensões as matas de neblina, as matinhas nebulares – são matas que compartilham muitas espécies com os campos – em um lugar são epífitas, no outro com freqüência rupícolas ou saxícolas, como muitas bromélias, orquídeas, peperômias, begônias, samambaias, etc. O fogo destrói esta vegetação com uma riqueza em grande parte ainda não descrita, e com grande parte de suas espécies intolerante ao fogo. Então, tem que ficar explícito – com esta forma de manejo proposta, permitindo fogo e pisoteio, estamos trocando carrascais, trechos densos de arbustos, matas nebulares, por vegetação campestre.  Como dizem Behling e Pillar, mais uma vez, “Como devemos manejar e conservar as florestas modernas ricas em espécies e os ecossistemas campestres”? Não é simples a decisão, ainda mais considerando a imensa pressão de destruição direta de habitats que vem em direção às montanhas, acabando com as florestas. 

4º Que vegetação campestre queremos? Dizer que há predominância de gramíneas, asteráceas (as compostas, família da margarida e da macela) e leguminosas e que muitas toleram e até se beneficiam com o fogo é dizer pouca coisa. Nos trópicos e zonas temperadas ao longo do mundo as vegetações campestres são genericamente dominadas por estas e algumas outras famílias. O fogo favorece a vegetação campestre em detrimento às matas em todo o mundo. Mas, uma alta incidência de incêndios promove a predominância de certos grupos dentre aqueles chamados campestres. De acordo com o testemunho de AC Brade (1956), botânico que estudou por muitos anos o Planalto do Itatiaia, os incêndios antropogênicos no planalto no século XX já vinham causando perceptíveis desaparecimentos de samambaias e favorecendo a dominância de duas gramíneas – a criciúma (Chusquea Sp.) e o capim de anta (Cortaderia modesta), em campos antes muito mais diversos, sendo as duas, por sua vez, terrivelmente inflamáveis. É isso que queremos? Não seria o caso de monitorar e estudar melhor o fenômeno antes de chegarmos a recomendações de manejo generalistas?

Para detalhar o ponto acima: o artigo de Behling com Pillar sobre as modificações na paisagem do Rio Grande do Sul baseia-se em dados palinológicos, e interpreta principalmente com o mosaico de campos e florestas em áreas mais baixas no estado. Para suas conclusões avaliaram a proporção de pólens de grupos de espécies relacionados a formações abertas com pólens de plantas relacionadas a formações florestais, como os demais trabalhos de Behling citados por Hauck. As oscilações na proporção entre matas e campos (não altimontanos, neste caso) são reportadas outra vez, mas o interessante é a constatação de que no período gracial mais intenso, com a vegetação ainda mais seca, os incêndios eram escassos ou inexistentes, e a entrada do homem ameríndio pode ser associada a maior freqüência de incêndios, muito acentuada com a colonização européia. Verificam também que mais incêndios levaram a um aumento da quantidade de pólen de gramíneas em relação a outros táxons tipicamente campestres.

Quer dizer, o fogo não modela apenas a proporção mata/campo. Modela também os grupos de espécies que vão ser encontrados na matriz campestre. Queremos de fato um predomínio de gramíneas sobre os outros grupos campestres? Quais espécies de fato suportam o tratamento proposto? O que estamos protegendo? Queremos campos porque são formações abertas ou queremos os campos com sua imensa diversidade? Se for este o caso, precisamos conhecer melhor, detalhar os casos, construir cenários gerais e específicos, monitorar. 

5º “Os topos, por sua vez, eram de princípio regiões estéreis que foram colonizadas pela vegetação campestre, muito oportunista e adaptada a grandes estiagens e às freqüentes geadas” – outra afirmação de Hauck a ser vista com cuidado… a vegetação campestre, como um todo, pode ser oportunista e se estabelecer mais rapidamente que a florestal. É claro, as plantas são menores e as plantas graminóides tendem a apresentar seu porte máximo muito mais rápido do que as árvores. Mas muitas plantas dos campos têm crescimento lento (arbustos que podem ter centenas de anos), têm distribuição muito restrita, algumas ocupam partes de uma única montanha, têm imensas dificuldades de dispersão e de estabelecimento (germinação de sementes e crescimento). A vegetação pode ser oportunista, em termos fisionômicos, mas grande parte de suas espécies, não. 

6º O autor condena a atual decisão de manejo que inclui o combate aos incêndios e aos pisoteios. Mas o que é realmente feito? De fato temos conseguido impedir incêndios e a forte pressão de pisoteio do gado? Não o creio.

Existem as recomendações cuidadosas feitas por alguns autores de uso de gado em baixa densidade para controlar a quantidade de combustível, em uma postura precavida em relação à permanente ameaça de incêndios na estação seca. Mas mesmo assim é preciso considerar que as plantas brasileiras são em geral muito menos resistentes ao pisoteio que muitas plantas africanas e que há plantas européias fortemente associadas a ambientes perturbados por pisoteio, com os plantagos (Plantago sp., ou tanchagens, tranchagem), que já podem ser encontradas em diversas montanhas, as mais isoladas.

Quais são as ações de manejo do Marumbi e no Itatiaia que estão favorecendo o avanço das matas sobre os campos? Esta é uma fala pautada em observações reais, de mudanças da vegetação? Qual a contribuição proporcional das medidas de controle de incêndios, de retirada de gado e de regulamentação da visitação? De qual dos fatores o autor está falando principalmente? São coisas bastante distintas em origem/ efeitos e forma/efetividade de manejo.

Por fim…

Apesar de ter tantos questionamentos a fazer, é ótima a exposição feita por Hauck. Precisamos alavancar os debates, nivelar conhecimentos teóricos ou de observação em campo, precisamos estabelecer protocolos e propostas de manejo claras, que possam ser monitoradas e reavaliadas. Em relação ao fogo, esta postura é fundamental para avançarmos além das fronteiras da opinião pessoal desvinculada de propostas que possibilitem a crítica e o desenvolvimento de novas propostas cada vez mais consistentes. Nos Estados Unidos existem grupos amplos de estudo e aprendizagem em relação ao fogo, em permanente discussão e reavaliação de posicionamentos, sempre com apoio em dados técnicos sobre vegetação, flora, fauna, economia, sociedade, etc. 

Termos recorrentes no texto de Behling & Pillar: “avaliados cuidadosamente”, “estudos detalhados e adequados”, “deve-se levar em consideração”, etc. Sem afirmações genéricas, sabendo que precisamos ter clareza sobre o que queremos preservar e que a preservação via manejo dos campos leva a redução das matas e vice-versa. Certamente tem muito dogma nesta discussão, mas posições dogmáticas não são exclusividade de gestores de UCs, como muitas vezes fica subentendido em alguns textos. Dogmas são freqüentes entre pesquisadores, entre amigos, entre montanhistas… todos nós os temos. O debate pode ajudar a jogar luz sobre alguns deles.

Katia Torres Ribeiro

Bióloga, Analista ambiental, com longa temporada nos campos de altitude, contando e medindo planta, muito tempo batendo abafador e muito pensamento posto nestas questões, realmente fascinantes e que fogem da simplificação. Maio de 2009.

Behling, H. & Pillar, V. (2007) Late Quaternary vegetation, biodiversity and fire dynamics on the southern Brazilian highland and their implication for conservation and management of modern Araucaria forest and grassland ecosystems. Phil. Trans. R. Soc. B 362, 243-251.

Bond, W.J. & Keeley, J.E. (2005) Fire as a global ´herbivore´: the ecology and evolution of flammable ecosystems. Trends in Ecology and Evolution, 20: 387-394.

Brade, A.C. (1956) A Flora do Itatiaia. A flora do Parque Nacional do Itatiaia. Boletim do Parque Nacional do Itatiaia 5:1-114.

Crawford, R.M.M. (1997) Studies in plant survival. Oxford: Blackwell Scientific Publications.

Compartilhar

Sobre o autor

Pedro Hauck - Equipe AM

Pedro Hauck é montanhista e escalador desde 1998. Natural de Itatiba -SP, reside atualmente em Curitiba-PR. Pedro gosta de escaladas clássicas e também de montanhismo de altitude, já tendo escalado algumas das mais altas dos Andes. É geógrafo, mestre em Geografia Física e atualmente faz doutorado em Geologia ambiental. Visite o Blog de Pedro em www.pedrohauck.net

Comments are closed.