Escalando em Andradas, Parte II

0

A Nini Van Pren foi a sugestão do Jacaré para que eu inicia-se as esportivas. Já estava um pouco cansado das escaladas dos dois dias anteriores, e por isso comentei com ele que eu queria escalar algumas via bem light, e ele a sugeriu confirmando se tratar de um 5º grau.

Ótimo, bom começar com um 5º, pensei na hora, e já ajeitei a corda e os equipamentos à cadeirinha, iniciando logo depois a escalada.

Início tranqüilo, passa a costura, toca pra segunda chapa, já com um pouco mais de dificuldade, e quando vou costurar a terceira, caio que nem a maçã que acertou a cabeça Isaac Newton. Olho pra baixo e sinto o ar de sacanagem na expressão facial do Jacaré.

Comento que eu devo ter pegado a agarra errada e tento o lance novamente, sem sucesso. Precavido, dessa vez não deixei o corpo desequilibrar e retornei a última costura, pedindo para que o Jacaré retesasse e logo perguntando a ele se essa via era um quinto grau mesmo.

A resposta foi animadora: “Já foi um dia, mas depois que quebraram as agarras, o pessoal dizia que virou um 6º Sup, mas parece que quebraram mais algumas agarras, agora nem sei mais o que é…” disse ele.

Sei lá como, após analisar por um bom tempo a passada a ser escalada, consegui ultrapassar o crux, e dalí pra cima, a via manteve uma constante de 6º ou 6ºSup, bem trabalhado e doído. Sinceramente, eu achei que a via estava mais para um 7a, e ao que parece, alguns escaladores que lá estavam também tinham esta impressão. Enfim, é uma linda linha, de 50 metros, que vale muito a pena ser escalada.

Fizemos mais algumas pequenas vias esportivas naquele dia, mas com muita sinceridade, achei todas mais fáceis que a tal da Nini 5º Grau…

Retornamos ao Abrigo já quase anoitecendo e resolvemos retornar a Pedra do Elefante para escalarmos a via Zênite, que no croqui diz tratar-se de um 5º Sup, E2. Como já estamos aprendendo a traduzir a tabela de graduação mineira para a brasileira, já sabíamos que escalaríamos uma via de 6º grau.

Acordamos cedo no domingo, mas para variar, demoramos muito para sairmos do Abrigo. O sol brilhava forte, e iniciamos a longa caminhada até a base da via próximo às 11 horas da manhã. Aquele foi o dia mais quente até então, e levamos mais tempo que no primeiro dia para lá chegarmos.

O suor ainda escorria em nosso rosto quando o Maximo iniciou a primeira cordada, numa linda linha, toda em móvel, com proteções bem colocadas… Pelo menos ao último terço, em que após uns 10 metros sem possibilidade de proteger, uma chapa salvadora aparecia, num lance um pouco mais delicado, pouco abaixo da parada.

O Pedro guiou a segunda cordada, que terminava uma parada em móvel e coube a mim guiar a terceira enfiada da via. Porém, no exato momento que observávamos o croqui, o Jacaré apareceu na base, e num ar que eu já reconhecia, gritou: “Essa é tua Hilton!”

Na noite anterior havíamos pegado algumas dicas da via com ele, e ele frisou que eu deveria guiar aquela cordada. Ainda refez algumas anotações no croqui, dividindo aquela enfiada em duas partes, afirmando que a primeira linha de chapas era um 6º grau forte e a segunda era bem mais tranqüila.

Não sou um grande escalador, nem nunca me apliquei muito aos treinamentos. Sempre tive dificuldade em superar o 7a, grau que considero como meu limite natural na escalada esportiva, mas que se torna muito mais difícil numa escalada de parede, com proteções mais longas que acabam exigindo maior comprometimento. Por isso, sempre tive o 6º grau como bom limiar para as paredes, pelo menos quando o lance é exposto.

E assim fui com todo o cuidado possível. Costurei a primeira, a segunda, a terceira e quando me dirigia à quarta, que seria a última da primeira parte, o Maximo perguntou: Que você está achando? Respondi que estava tranqüilo até então, e se era um 6º, este estava fácil.

Mas a tranqüilidade acabou aí. Novamente fui “enganado” pelo Jacaré. Este inverteu a ordem de dificuldade. A primeira parte, era a fácil. Já a segunda, que realizava uma transversal a esquerda, além de ser menos protegida, era o tramo mais difícil.

Passadas calmas, com atenção e logo cheguei a última chapa da travessia. Agora teria que subir uns 5 metros e, conforme o Jacaré, teria um bom local para um camalot nº 1 ou 2, mas que o lance era fácil.

Cheguei ao tal local, que era basicamente um buracão na rocha. Da posição que eu estava já consegui enxergar a para a minha direita, numa transversal. Coloquei o camalot 1, que coube perfeitamente, e toquei pra parada.

Segue pronta, Pedro e Maximo escalaram, e dali duas cordadas nos separavam do topo. O Pedro se encarregou de guia a próxima e o Maximo acabou ficando com a última.

Tínhamos a idéia de ainda escalarmos mais uma via, mas após rapelarmos a parede, reparamos que o calor nos havia deixado sem água. Assim deixamos a via “Paredão CEAR” para nossa próxima visitada ao local.

Retornaríamos já na segunda feira, para fugirmos do grande movimento do retorno do feriado, mas só sairíamos à noite e assim ainda aproveitamos mais este dia para algumas escaladas na Pedra do Pantano.

Dessa vez trocamos as duplas, Pedro e Jacaré foram para a via de maior comprometimento dali, a Andragônia, um 7b E3, que exigiria muito dos amigos. Já eu e o Maximo fomos curtir a via Savamu (5º VIsup), uma linha que possui início bem esportivo e depois se transforma numa via de parede.

Fiz a primeira cordada, difícil, que, assim como a Nini Van Pren, também possuía algumas agarras quebradas e uma passada de tirar o fôlego num pequeno tetinho transversal, cabendo ao Maximo guiar a segunda cordada, um pouco mais tranqüila que a primeira, mas não menos bela. Dali, mais duas cordadas nos levariam ao topo, mas a necessidade de alguns camalots e nuts que havíamos deixado no abrigo nos fizeram interromper a via pela metade mesmo.

Algumas dicas e considerações

Andradas é um excelente local para quem quer escalar vias relativamente curtas de parede.  Apesar da necessidade de muito móveis para que seja possível escalar muitas das vias com a exposição proposta no croqui, o local também é muito atraente para os iniciantes, oferecendo um bom campo escola na Pedra do Pantano, além de algumas vias longas, de graduação mais fácil, na Pedra do Elefante (Tromba do Elefante).

Ainda oferece muita possibilidade para novas conquistas, tanto de esportivas quanto de vias em parede e até boas linhas em artificial.

Enfim, é um local que oferece alternativa para todos os gostos e modalidades de escalada, inclusive dos assíduos do Boulder e vale muito a pena uma visita.

Nós recomendamos o Abrigo do Pantano, de propriedade do Jacaré, e que possui a “gerência” da D. Nice, que nos atenderam muito bem. No abrigo, inclusive, o Jacaré possui croquis de praticamente todas as vias da região, além de possibilitar muitas dicas “invertidas” das escaladas!

Tanto a Pedra do Boi, quanto do Elefante, não são muito próximas do Abrigo, sendo conveniente ir de carro até o início da caminhada a estas montanhas. Já a Pedra do Pantano fica muito próxima ao abrigo, exigindo pouco mais de 20 minutos de caminhada.

No local ainda é possível encontrar um pequeno mercado, que possui alguns itens, mas que abre somente à noite (o dono trabalha fora durante o dia), um bar e também outro refúgio para os escaladores.

:: Escalando em Andradas, parte I

Para mais informações:
:: Abrigo Pantano

:: Veja as escaladas de Andradas no Google Earth no Rumos: Navegação em Montanhas!

:: Compre o guia de escaladas de Andradas na Loja AltaMontanha

Compartilhar

Sobre o autor

Hilton Benke - Equipe AM

Hilton Benke é um dos idealizadores do AltaMontanha.com. Dono de uma personalidade muito forte, é hoje praticante assíduo do voo livre, principalmente da modalidade "hike and fly", que une o voo com o montanhismo. Como montanhista e escalador, gastou seu tempo galgando montanhas brasileiras e andinas, além de ter prestado alguns serviços como instrutor de escalada junto ao CPM. Deixá-lo feliz é fácil: só marcar um bom pernoite em um cume da Serra do Mar Paranaense, com um bom menu para o jantar e uma condição de tempo boa para que possa decolar com seu parapente dia seguinte e realizar uma das muitas travessias sobre a Serra do Mar.

Comments are closed.