Indomit Bombinhas: Meus primeiros 21K

0

Eu iniciei no Trail Running este ano (2014) e para não cair na tentação de me inscrever em uma prova por final de semana decidi que iria realizar apenas as provas dos dois circuitos do Paraná (Naventura e TRC Brasil) e nas distâncias até 13K. No entanto, recebi um convite praticamente irrecusável do treinador Rodrigo Rosini: realizar um prova em Bombinhas (SC).

Eu iniciei no Trail Running este ano (2014) e para não cair na tentação de me inscrever em uma prova por final de semana decidi que iria realizar apenas as provas dos dois circuitos do Paraná (Naventura e TRC Brasil) e nas distâncias até 13K.  No entanto, recebi um convite praticamente irrecusável do treinador Rodrigo Rosini: realizar um prova em Bombinhas (SC), em dupla com ele, inscrição patrocinada pela Nitrix e orientação profissional dele (a distância). Claro que os olhos brilharam, o problema seria a distância da prova (21K) e o tempo para treino (cerca de um mês), isso somado a minha disponibilidade para treinar (3x por semana). Enfim, aceitei o desafio… Assim,  foram quatro semanas de muitos tiros, muitas subidas, e muito “Coachhhhhhh eu não encaixo o pace….. coachhhhhh eu estou cansada…” (santa paciência do Rodrigo!).

A prova, 6ª Edição Vila do Farol INDOMIT Bombinhas, aconteceu no dia 16 de Agosto (2014) em Bombinhas (SC), com largada as 8h à frente da Pousada Vila do Farol. Comtemplou as distâncias 42K individual, 42K por equipe (2x 21km) e 12K. Eu e o Rodrigo competimos como dupla mista, eu realizei os primeiros 21K do percurso.  Até o dia anterior a ansiedade estava controlada, porém acordei às 5h no dia da prova e o barulho da chuva fez com que eu começasse a imaginar o percurso… Era certo que enfrentaria muita lama e já imaginava inúmeros tombos… Fomos para a prova por volta das 7h,  estava um pouco frio e uma chuva mais fina. Devido ao tempo optei por usar a camiseta da prova, um manguito, calça e tênis com grip (Q-Lite La Sportiva).

A largada ocorreu pontualmente, a chuva havia cessado e o início do percurso foi em areia, logo após enfrentamos uma parte de subida e descida em calçamento de paralelepípedo e asfalto. Este trecho estava muito escorregadio, eu sentia que estava “patinando”…  Após (Km 4), corremos por estrada de chão, terreno plano, várias residências pelo caminho, alguns moradores torcendo e motivando os competidores. Claro, que em algum momento começaria as temíveis subidas e foi no Km 6,6 que iniciou a subida do Morro da Antena, subida forte, bastante íngreme, me fez lembrar o Morro dos Perdidos (Tijucas do Sul-PR), porém menos extensa (apenas 1km), neste momento eu senti uma certa taquicardia, resolvi tomar meu primeiro gel de carboidrato, mas não caiu muito bem… Subi moderadamente para controlar a taquicardia.

Entre o Km 8 e 15, foi a parte mais difícil e técnica deste percurso, havia estrada de chão, trilhas fechadas e rochas, alternando com subidas e descidas.  Havia uma descida contínua de aproximadamente 3km,  terreno com muita erosão, e devido a chuva apresentava muita lama, terreno escorregadio e muito perigoso… Vocês acham que pra baixo todo Santo ajuda??? Depois dessa prova eu discordo totalmente, a escolha do tênis foi essencial. Eu utilizei o Q-lite (La Sportiva) e ele fez toda a diferença, apresentou aderência excelente!!!! Claro, que o tênis sem técnica não seria suficiente, esta descida exigiu também bastante técnica e atenção redobrada. Lembro de um corredor gritando “Cuidado moça!!!! Está muito perigoso!!!”… (agradeço a preocupação!). Felizmente, eu não cai nenhuma vez (milagre!!!) e consegui me divertir bastante nesse trecho. No entanto, nem todos tiveram a mesma “sorte” e me deparei com três pessoas caídas ao longo desta parte, ofereci ajuda, mas eles já estavam sendo auxiliados por outros corredores. Posteriormente, tomei conhecimento de que um atleta teria fraturado as pernas devido a uma queda.

Após este trecho, passamos por trilha costeira e os km finais foram na areia, podendo admirar o mar… Eu ultrapassei o pórtico de revezamento com 2h22min de prova e passei o chip para o Rodrigo que seguiu por mais 21K. Ele concluiu o segundo percurso em 2h04min, assim, totalizamos 4h27min de prova e conquistamos o 2º Lugar Geral (dupla mista).

Considero, que meus primeiros 21K foram marcantes, uma prova para se guardar na memória.  Eu não havia realizado provas com  distância superior a 14K, nem mesmo em rua. Não sofri como imaginei que sofreria… e meu corpo respondeu muito bem. Não senti nenhum tipo de fadiga muscular, nem cãibra, nem dor. Tenho consciência que não corri no meu limite, pois tive medo (confesso!) de forçar e “quebrar”… então tentei manter um ritmo constante. De qualquer maneira me surpreendi com o resultado e agradeço ao Rodrigo por ter me desafiado, senão teria permanecido no sub 14K por mais algum tempo.

Por fim, ressalto que foi uma prova com percurso diversificado, com uma paisagem maravilhosa, e que se tornou ainda mais desafiadora pela condição do tempo. Como em todas as provas que tenho participado, mais uma vez presenciei a amizade, companheirismo e solidariedade entre os corredores. Observei corredores prestando auxílio a outros que haviam se machucado no percurso.  Um participante expressando preocupação com a possibilidade de eu levar um tombo. O corredor Sergio Galinari nos km finais também se mostrou preocupado e me ofereceu carboidrato e água. Portanto, terminei a prova muito feliz por ter realizado meus primeiros 21K, mas também pela experiência que ela me proporcionou.

Parabéns a todos os INDOMÁVEIS e que venha a INDOMIT Bombinhas  2015!!!

“A força não provém da capacidade física e sim de uma vontade indomável” (Mahatma Gandhi)

ORGANIZAÇÃO DA PROVA: Parabenizo a organização pela excelente prova! Como pontos positivos destaco:  entrega dos kits, ágil e brindes de qualidade (camiseta e  viseira); informações sobre a prova, informações detalhadas no site do evento, foi fornecido material impresso e realizado congresso técnico; preocupação com o meio ambiente, não foram fornecidos copos descartáveis no percurso, cada atleta deveria levar seu próprio recipiente; hidratação no percurso, vários pontos de hidratação (água) e no Km 15 ainda havia disponível isotônico. Eu optei por levar uma mochila de hidratação, porém com certeza conseguiria me hidratar adequadamente se tivesse levado apenas uma caramanhola; sinalização do percurso,  muito bem sinalizado. Havia placas de atenção e staffs nos lugares mais perigosos; premiação, bem organizada tanto quanto ao local como a condução; festa de encerramento, animada e atendendo todas as faixas etárias;

AGRADECIMENTOS:

Larissa Cunha (Nutricionista), Leandro Zampier (Educador Físico) e Rodrigo Rosini (Educador Físico e minha dupla nesta prova).

PRÓXIMA PROVA: Circuito Naventura Trail Race – 4ª Etapa Ilha do Mel (28/Setembro)

RESULTADOS DA PROVA:

1º Lugar Geral  Masculino – Giliard Pinheiro – 3h19min33s; 

1º Lugar Geral Feminino – Anemari Calixto – 04h52min19s;

Dupla Mista – 1º  Lugar Geral – Janaína e Sérgio – 4h02min04s;

Dupla Feminina –  1º Lugar Geral – Ana e Cláudia – 4h19min12s;

Dupla Masculina – 1º Lugar Geral – Leonardo Meira e Virgínio de Moraes – 3h19min27s;

Saiba Mais:

http://bombinhasrunners.com.br/bombinhas/a-prova/resultados/resultados-2014/

http://g1.globo.com/sc/santa-catarina/noticia/2014/08/atleta-sofre-acidente-e-fratura-pernas-durante-competicao-no-litoral-de-sc.html

http://globoesporte.globo.com/eu-atleta/corridas-e-eventos/noticia/2014/08/chuva-dificulta-trilhas-e-aumenta-emocao-do-indomit-bombinhas-2014.html

http://oglobo.globo.com/blogs/pulso/posts/2014/08/18/vila-do-farol-indomit-bombinhas-relato-de-renee-rocha-546444.asp

Compartilhar

Sobre o autor

Gisely Blanc - Colunista

Gisely Blanc, 27 anos, Natural e residente de Curitiba-PR, Enfermeira, Mestre em Enfermagem pela UFPR. Corredora amadora. Começou a participar de corridas de rua apenas em Fevereiro de 2013, realizou a primeira Corrida de Montanha em Julho de 2013, atualmente tem como foco Corridas de Montanha de curtas

Comments are closed.