Os Sherpas e o Everest – parte II

0

Os Sherpas e o Everest. Uma análise histórica, sócio-cultural


Nos anos que se seguem à abertura do Nepal para o oeste, após a restauração da monarquia Shaha, em 1952, o montanhismo e o turismo se tornaram grandes indústrias. Sherpas de Darjeeling já haviam estabelecido uma reputação como assistentes capazes para examinadores britânicos de expedições de alpinismo do início do século.

O Everest e as influências sociais e ambientais

A conquista do Monte Everest (em nepalês, Sagarmatha; em Sherpa, Chomolungma) em 1953 por uma equipe britânica baseada em carregadores e guias Sherpas – com um alpinista Sherpa, Tenzing Norgay, como uma das primeiras duas pessoas no cume, juntamente com Sir Edmund Hillary – trouxe aos Sherpas atenção mundial.

Desde então, os trabalhos relacionados com o turismo, caminhada, montanhismo e comércio estiveram cada vez mais dominando a economia dos Sherpas, que atuam como guias, sirdars (líderes de carregadores de expedição), e os prestadores de serviços na economia do turismo em dinheiro.

Em 1976, a região do Khumbu foi nomeada Sagarmatha National Park, e em 1980 ele foi declarado patrimônio mundial pela UNESCO, em ambas as listas “natural” e “cultural”. Recentemente, o acúmulo de lixo no Colo Sul do Everest, no Acampamento Base, e nas rotas de caminhada inferiores, tem gerado no mundo preocupação.

Mas a preocupação local e alguns novos regulamentos têm combinado com os esforços internacionais para limpar muito dele, de forma que o Acampamento Base está agora quase imaculadamente limpo, e os resíduos são cuidadosamente geridos. Muitas das garrafas de oxigênio foram retiradas do Colo Sul, bem como o pessoal do Sagarmatha National Park e a Sagarmatha Pollution Control Committee começaram a estabelecer longo prazo para eliminação do lixo e facilidades ao longo da rota.

Estas agências, em conjunto com as instituições sociais e religiosas Sherpas, também começaram a gerir as florestas e outros recursos naturais do Parque. Reflorestamento de encostas desmatadas foi particularmente um difícil desafio: o tradicional uso doméstico da lareira queima 2,5 toneladas de lenha por ano.

Os Sherpas e os sucessos do Everest

Sucessivas épocas viram a atividade no Everest crescer por saltos e limites, e viram os Sherpas alcançar alguns dos maiores sucessos da montanha.

“O povo Sherpa tem ajudado o mundo desde 1922 a escalar o monte Everest.”

Foi o Sherpa Tenzing Norgay quem primeiro chegou ao cume com Sir Edmund Hillary em 1953, e Tenzing que ergueu a bandeira da famosa foto do triunfo. Foi importante que um Sherpa fosse parte da primeira dupla que finalmente chegou ao cume que há tempos parecia inatingível.

Em 1963 na expedição que coloca o primeiro alpinista americano no topo do Everest, os Sherpas desempenharam um papel heróico.

Depois de uma bem sucedida chegada ao cume, os alpinistas Willi Unsoeld, Lute Jerstad, e Barry C. Bishop estavam debilitados por congelamentos e incapazes de descer ao Campo Base. Os Sherpas vieram ao salvamento, com uma equipe de quatro transportando cada alpinista num período de dois dias de viagem para Namche Bazar onde poderiam ser evacuados por helicóptero.

Bishop descreve na revista “National Geographic” o típico bom humor com que eles ainda continuavam para esta dura tarefa: “Até ao final do primeiro dia, uma feroz rivalidade entre os quatro que me transportavam e os quatro que estavam transportando Willi. Cada pedaço de trilha adequada inspirava uma corrida a pé.”

Ao final da expedição, o presidente John F. Kennedy presenteou cada um dos membros da expedição, incluindo a equipe Sherpa, com a National Geographic Society´s Hubbard Medal.

Na era moderna da escalada do Everest, os Sherpas estão entre os mais realizadores montanhistas. Eles muitas vezes servem de guia para alpinistas estrangeiros, e os nomes de seus próprios grandes montanhistas se mantêm em destaque no Everest.

Ang Rita Sherpa, o conhecido escalador Sherpa, acumulou uma incrível marca de dez vezes o cume do Everest alcançado, tudo sem oxigênio. Em 1999 Babu Chiri Sherpa passou 20 horas sobre o cume do Everest, uma inédita proeza. Babu Chiri também correu até a montanha em um registro de subida em 16 horas e 56 minutos. Em 1995, ele subiu o Everest duas vezes dentro de duas semanas. Dedicou suas conquistas internacionais ao Everest para levantar fundos para a sensibilização e educação das crianças Sherpa.

Em 1993, Pasang Lhamu Sherpa se tornou a primeira mulher Sherpa a alcançar o cume do Everest. (O nome dela, Pasang Lhamu, se traduz como sexta deusa, de Pasang que significa sexta-feira, e Lhamu se divide a Lha, ou deus, e mu, com o qual termina que significa fêmea.)

Essas façanhas, juntamente com os respectivos papéis continuaram no desempenho dos carregadores, que fixam cordas, definem acampamentos, e geralmente tende a subir equipes. Têm merecido o povo Sherpa um lugar de respeito inigualável. Eles também ajudaram a criar a escalada e caminhada comercial que voltou os olhos do mundo para o Nepal – uma vez que foi muito isolada a região do Khumbu. Na casa dos Sherpas, o Everest tornou-se não só um centro espiritual, mas também uma boa compensação financeira.

Evidentemente, o êxito ou o fracasso no Everest vem com um preço, e os Sherpas sempre pagam caro por sua associação com a montanha. Desde os primeiros sete Sherpas mortos em 1922, muitos outros perderam a vida no Everest. Dos primeiros 100 registros de mortos no Everest, por exemplo, 41 foram Sherpas. Em Abril de 2001 Babu Chiri Sherpa teve sua morte em uma crevasse perto do Campo 2, um trágico fim para uma lenda do Everest.

Um filme realizado em 1996 com a participação de Jamling Norgay, filho de Tenzing Norgay, trouxe uma maior compreensão internacional do patrimônio Sherpa: “Eu espero que os Sherpas e sua cultura sejam vistos mais ampla e compreensivamente, como resultado da expedição, bem como do filme”. (Sobre o filme rodado no Everest em 1996 por David Breashers para a IMAX)

Compartilhar

Sobre o autor

Redação - AM

Texto publicado pela própria redação do Portal.

Comments are closed.