Por que acreditamos que ficamos velhos demais para acampar?

3

Qual é a criança que não gosta de acampar?

E qual é o adulto que se permite acampar?

Qual foi o momento em que perdemos aquela criança que não se importava em dormir algumas noites sem o colchão, sem um travesseiro confortável e sem um cobertor macio com cheiro de amaciante?

O que mais ouço é: não tenho mais idade pra isso… por que não?

Onde aprendeu isso?

Ou melhor, onde desaprendeu a gostar daquilo que é simples?

Na infância o acampamento é a zona de conforto… já na vida adulta, os confortos são muito mais sofisticados e com a influência da sociedade moderna e consumista vamos ficando cada vez mais longe daquela criança cujos olhos brilhavam quando viam uma barraca, mesmo que fosse na sala de casa feita com cadeiras e um cobertor jogado por cima…

Eu nunca acampei fora da sala da minha casa na época em que eu era criança mas esse sonho eu carreguei comigo até ficar adulta e hoje, com 35 anos, já acampei em tantos lugares que de cabeça não sei nem quantificar! E sabem de uma coisa?

Quando estou acampada tudo fica mais bonito e mais colorido!

Me sinto leve e livre, me sinto parte da natureza que está ali ao meu redor! Sou criança novamente!

O conforto do acampamento. Foto Marise Cestari.

Compartilhar

Sobre o autor

Marise Cestari

Marise Cestari é médica neurologista e aventureira. Começou sua vida de aventura no Caminho de Santiago, onde descobriu que o trekking é uma terapia para o corpo e a alma. Desde então não parou mais, já tendo realizando diversos trekkings e ascensões nos Andes e Venezuela, inclusive curso de escalada em rocha.

3 Comentários

  1. Avatar
    Antonio Carlos Cervantes em

    É verdade, acampar é gostoso. Acho que quando ficamos mais velhos, acontece justamente isso que você escreveu…a comodidade ocupou a alma das pessoas porque onde não há ar condicionado, convencionou-se que é uma grande roubada. Admito minha inclusão nesse grupo desumanizado.😂😂😂
    Lembro de acampar no litoral e umas 3 x no interior de São Paulo, e quando se tem fome, 1 boca de espiriteira cozinha o arroz só com sal mais delicioso da vida. Fritava toucinho porque não tínhamos geladeira e ele suporta qualquer coisa…era o nosso menu degustação harmonizado com a extensa carta de sabores de TANG, rs.
    Acabamos de chegar na Chapada dos Guimarães – MT, e o encantamento com essa beleza me dá coragem até pra dormir numa caverna dessas aqui.
    Feliz 2019 pra você Marise e pra todos os que estão aqui com a gente, e que Deus permita que possamos resgatar a alma da criança que ficou presa por nossa própria falta de nós mesmos.

Deixe seu comentário