Tempestade em Morretes

0

Quando o céu cai, não leva só a terra, mas todo o passado.

 

O que fiz antes, não lembro. Tudo foi apagado ao ver do restaurante em Morretes uma árvore centenária caindo perto do local onde há pouco tinha estacionado.

  • No carro? Não, deve estar há uns 30 metros da árvore pelos meus cálculos. Respondi, tentando acalmar a dona do carro, que já queria correr através da tempestade de raios e vento para se certificar.

Os minutos de espera pelo fim da chuva de verão foram de uma calma aparente, uma quietude rompida pelas lembranças da grande árvore caindo e jogando seus galhos cheios de história para os ares.

Com o fim do vento, o confronto inexorável, numa esquina, me levou a uma tensão ainda maior: a parte de trás do carro estava intacta, mas e a frente, o que seria dela? Um homem olhando exatamente para o ponto de encontro entre a árvore e o carro, não poderia ser um bom sinal.

Acelerei o passo deixando todos para trás com suas próprias dúvidas. Os 30 metros que me distanciavam de saber o que havia acontecido mostraram-se 300. Quantas coisas pensei naqueles poucos segundos, quanta tensão. Enfim, chegando, o homem me pergunta:

  • O carro é seu?

  • Eu queria fazer um jogo na Loto com você!

    Mesmo sem ver como estava, a frase daquele homem tirou a própria árvore das costas do carro.

    Por felicidade, a árvore escolheu duas testemunhas para seu esperado fim. Na rua deserta, dois carros, por um simples palmo de distância, presenciaram o fim daquilo que duas charretes e o Imperador viram o começo.

    Que as fotos digam o que as palavras não disseram. Só não perguntem o que fizemos antes, foi sublimado abaixo de séculos de madeira de lei.

Compartilhar

Sobre o autor

Johny Genvensis - Colunista

Falta o Johny escrever a BIO.

Comments are closed.