Escalador finaliza projeto em caverna

0

O escalador Filip Babicz finalizou o seu projeto em uma caverna no dia 26/11, após quatro anos de tentativas. Ele conseguiu a desejada cadena da via Ade integrale na caverna Gran Borna na Itália. A linha é totalmente subterrânea e possui 70 metros. Para tanto, o escalador utilizou a técnica Dry Tooling.

Filip Babicz após concluir seu projeto.

Babicz conta que essa via o inspirou a começar a pratica do Dry Tooling. “Quando a conheci, essa via me pareceu algo absolutamente futurista, mas um trabalho árduo, uma fé inabalável e uma perseverança de aço finalmente me levaram à plena realização deste Grande Projeto”, escreveu em suas redes sociais.

Ainda assim, Babicz não desistiu e “Após um mês de treinamento específico para esta rota, chegou o momento de imersão total em Ade. Durante duas semanas, trabalhamos muito, passamos até 10 horas por dia na caverna”, relatou.

Escalada em estilo Dry Toolling

O escalador teve o apoio da escaladora Ilona Anna Lecka e o grau proposto foi de D15 +, o que a torna uma das vias mais difíceis em Dry Tooling praticados em ambientes naturais. “É o caminho mais longo e mais difícil que já escalei”, falou o escalador.

O que é Dry Tooling?

Uso de piolets para progredir.

Esse é um tipo de escalada que utiliza piolets e crampons para progredir. Ela é comumente utilizada em paredes mistas de rocha e gelo. Entretanto alguns escaladores também optam por essa técnica para treinar para escalada alpina e para escalada em gelo ou apenas por preferência.

Para escalar utilizando esse estilo de progressão é necessário experiência e conhecimento para analisar os riscos e evitar acidente com os equipamentos utilizados.

Por outro lado, o Dry Tooling é criticado por parte dos escaladores pois possui métodos não tradicionais e pode causar danos permanentes às formações rochosas.

Compartilhar

Sobre o autor

Maruza Silvério

Maruza Silvério é jornalista formada na PUCPR de Curitiba. Apaixonada pela natureza, principalmente pela fauna e pelas montanhas. Montanhista e escaladora desde 2013, fez do morro do Anhangava seu principal local de constantes treinos e contato intenso com a natureza. Acumula experiências como o curso básico de escalada e curso de auto resgate e técnicas verticais, além de estar em constante aperfeiçoamento. Gosta principalmente de escaladas tradicionais e grandes paredes. Mantém o montanhismo e a escalada como processo terapêutico para a vida e sonha em continuar escalando pelo Brasil e mundo a fora até ficar velhinha.

Deixe seu comentário