Após se recuperar de queda, Emily Harrington escala o El Capitan em um dia

0

A atleta da escalada norte americana Emily Harrington conseguiu mais um feito incrível para o seu currículo. Ela escalou a Via Golden Gate no El Capitan em menos de 24 horas. Com um detalhe, essa é a mesma via em que a atleta sofreu um grave acidente em 2019.

Emily Harrington escalando a via Golden Gate em 2015

Com a segurança de nada mais nada menos que Alex Honnold, Emily chegou ao topo da montanha mais famosa de Yosemite após 21 horas e 13 minutos. A via Golden Gate possui 909 metros de altura, divididos em 36 enfiadas com a graduação americana de 5.13, o que equivale ao 9b aqui no Brasil.

Em novembro do ano passado, Emily sofreu uma queda gravíssima nessa mesma via. De acordo com a atleta, ela não se lembra da queda, e tem na memória apenas o fato de estar tentando alcançar uma agarra e de ver Honnold a ajudando na sequência.

Na época do acidente, a dupla formada por ela e Honnold receberam algumas críticas, uma vez que para economizar tempo, a dupla havia feito escalada simultânea e isso resultou em uma queda muito mais longa que o normal. Felizmente, Emily teve apenas esfoliações e ferimentos leves e pode retornar para a escalada. Assim, em outubro desse ano ela começou a se dedicar a Golden Gate novamente.

Leia também: Emily Harrington mostra sua subida ao El Capitan

A história e a foto de Emily tornaram se famosas na internet na época da queda.

Faz quatro anos que a atleta vem buscando concluir esse projeto. Todavia, com o feito, Emily entrou para o seleto grupo de escaladores a conseguirem escalar essa via totalmente em livre e em menos de um dia de escalada. Além dela, apenas Tommy Caldwell, Brad Gobright e o próprio Alex Honnold conseguiram esse feito.

 

 

Compartilhar

Sobre o autor

Maruza Silvério

Maruza Silvério é jornalista formada na PUCPR de Curitiba. Apaixonada pela natureza, principalmente pela fauna e pelas montanhas. Montanhista e escaladora desde 2013, fez do morro do Anhangava seu principal local de constantes treinos e contato intenso com a natureza. Acumula experiências como o curso básico de escalada e curso de auto resgate e técnicas verticais, além de estar em constante aperfeiçoamento. Gosta principalmente de escaladas tradicionais e grandes paredes. Mantém o montanhismo e a escalada como processo terapêutico para a vida e sonha em continuar escalando pelo Brasil e mundo a fora até ficar velhinha.

Deixe seu comentário