As melhores opções para se proteger do Sol em suas aventuras

0

O Sol é importante para a vida na Terra. Sem ele não existiria vida complexa em nosso planeta. É também importante para nossa saúde, afinal, o nosso corpo necessita do Sol para produzir vitamina D, que inclusive favorece que nossos ossos sejam fortes.

Todos sabemos que a melhor hora para nos “banharmos” à luz do Sol é antes das 10 da manhã e após as 16 horas. Porém, para nós aventureiros outdoor, que praticamos esportes em montanha, nos esconder do Sol entre as 10 e 16 horas é praticamente impossível e, dessa forma, somos atingidos diretamente por sua radiação nos piores horários do dia.

Seja escalando, voando em parapente ou fazendo um simples trekking, todos nós temos que nos preocupar com a proteção solar. Ela é a principal causa de câncer de pele e do envelhecimento precoce.
Então, definitivamente, a proteção solar é coisa séria para o montanhista, para o trilheiro, para o escalador e para todos que curtem a vida ao ar livre, no mais legítimo espírito Outdoor!

O que é o tal FPS?

O FPS ou Fator de Proteção Solar, numa definição extremamente simples, indica quantas vezes teu corpo conseguirá ficar exposto ao sol antes de queimar. E isso depende de pessoa para pessoa.

Por exemplo, se uma pessoa, ao meio dia, consegue ficar exposta 5 minutos antes da pele começar a avermelhar, utilizando um protetor solar ou uma camiseta com FPS 30, conseguirá ficar 30 vezes 5 minutos exposta ao sol, ou seja, 150 minutos – ou aproximadamente 2 horas e meia. Contudo, esse cálculo não é tão simples, porque, ao passarmos o protetor na pele, o grau FPS do protetor começa a degradar. Basicamente, um protetor solar FPS 30, só é realmente 30 no momento que é aplicado. Após uma hora, ele provavelmente já tornar-se-á FPS 12…

Os mecanismos de ação do protetor solar

Podemos nos proteger do Sol de duas formas diferentes: Fisicamente ou quimicamente.

Fisicamente, quando um protetor solar cria uma camada que impede que os raios UV atinjam nossa pele ou ainda quando usamos roupas com proteção UV.

Quimicamente quando a radiação UV interage com o protetor, fazendo com que a radiação perca a potência, tornando-a inofensiva para a nossa pele.

Vamos falar primeiro das roupas com proteção UV.

A primeira pergunta que nos vem à cabeça é: Todas as roupas protegem do sol?

Sim e não. E é fácil explicar: Sim, todas as roupas possuem algum fator de proteção solar. O algodão, por exemplo, possui fator de proteção de FPS 7 a FPS 10, dependendo da gramatura.

Ou seja, uma camisa de algodão permite que o usuário possa se expor 7 vezes mais ao sol que sem essa mesma camisa. E é aqui que entram os tecidos tecnológicos. Esses tecidos possuem tratamentos que impedem os raios UV-a e UV-b de atingirem nossa pele. Algumas, com fator de proteção FPS 50!

O uso desses tecidos tecnológicos possuem uma grande vantagem: O tecido leva muito mais tempo para ter a proteção solar degradada que os cremes. Na realidade, são muitas lavagens para que perca a proteção mais alta.

Em nossos testes, todas as camisetas, calças e bonés que usamos, que continham a etiqueta de FPS tiveram bom desempenho, porém, a que teve a nota mais alta, foi a camiseta Ion UV da marca brasileira SOLO.

Aliás, voltando a falar rapidamente da gramatura da roupas, é por isso que costumamos ver proteção solar apenas em roupas mais finas, como camisetas, pois as mais “grossas”, como os fleeces, já possuem fatores bem mais altos naturalmente.

Já os cremes protetores solares possuem filtros ultravioleta – filtros UV -, que garantem a proteção contra a famosa radiação UV.

E é exatamente aqui que nós aventureiros sofremos mais. Os protetores solar que encontramos no mercado foram produzidos quase que na totalidade para utilização em praia, onde o usuário deve reaplicar o protetor a cada vez que suar excessivamente. Como regularmente suamos muito, é praticamente impossível seguir essa regra.

Então, para indicarmos o melhor produto, passamos a testar inúmeros protetores solar, desde as marcas mais famosas às mais desconhecidas. E foi através do Serginho Laus, um legítimo surfista extremo, que nos apresentou a marca brasileira SUN TECH, que para nossa surpresa, nos trouxe os melhores resultados!

Como era de se esperar, essa empresa produz protetores que regularmente são utilizados por surfistas. Esses protetores possuem uma densidade maior que os demais que encontramos no mercado e, quando aplicados, formam uma película maior da pele.

O interessante dele é que demora muito mais para deixar de fazer efeito. Nos nossos testes, conseguimos utilizar por até 3 horas sem reaplicação e conseguimos resultados acima da média dos demais.

Segundo o Serginho Laus, isso ocorre pela profunda penetração que esse protetor faz a pele e pela baixa degradação que ele possui. Aliás, ao questionarmos dessa degradação à Sun Tech, essa nos passou que os produtos da empresa, nos testes, mesmo após as 5 horas de proteção declarada na embalagem, ainda possuem 50% de atividade dos fatores de proteção.

Mas lembre: Não testamos todos os protetores do mercado e a prova que fizemos foi “in loco”, utilizando em nossa própria pele. São percepções que tivemos e não uma análise laboratorial, ok?

E é só isso?

Não… Claro que não. Devemos lembrar sempre da cabeça, onde bonés e chapéus, de preferência com abas são itens que nunca devemos esquecer. Bandanas já possuem FPS 50.

Existe no mercado também manguitos e pernitos com fator de proteção UV, o que no horário de maior radiação solar, podem ajudar muito o aventureiro.

Cobertores de emergência podem ajudar muito no frio, mas também são uma ótima opção para proteger do sol uma pessoa que tenha sofrido um acidente na montanha – ou até mesmo para improvisarmos uma sombra em área aberto.

Óculos com proteção UV-A, UV-B e UV-C são essenciais para uso em montanha. Se a atividade for em neve, a categoria de luminosidade (redução da luz solar) deve ser no mínimo 3, e o recomendado é 4. Para saber mais sobre esse assunto leia: Cego no Tadjiquistao 

Atualmente, até mesmo algumas marcas de barraca já possuem proteção UV na composição do material que são feitas, como as Naturehike Pro Series.

Mas, o mais legal da nossa “experiência solar”, foi a de que quando o assunto é Sol, os produtos brasileiros ficaram à frente dos gringos. Já era de se esperar, pois somos um país tropical, não é verdade?

Fica a dica.

Quer saber mais? Assista o vídeo abaixo:

Compartilhar

Sobre o autor

Hilton Benke - Equipe AM

Hilton Benke é um dos idealizadores do AltaMontanha.com. Dono de uma personalidade muito forte, é hoje praticante assíduo do voo livre, principalmente da modalidade "hike and fly", que une o voo com o montanhismo. Como montanhista e escalador, gastou seu tempo galgando montanhas brasileiras e andinas, além de ter prestado alguns serviços como instrutor de escalada junto ao CPM. Deixá-lo feliz é fácil: só marcar um bom pernoite em um cume da Serra do Mar Paranaense, com um bom menu para o jantar e uma condição de tempo boa para que possa decolar com seu parapente dia seguinte e realizar uma das muitas travessias sobre a Serra do Mar.

Deixe seu comentário