Lições sempre esquecidas

0

O recente incidente no K2 é mais uma daquelas tragédias previamente anunciadas e as comparações com o ocorrido no Everest em maio de 1996 se tornam inevitáveis. O episódio foi fartamente documentado e discutido nos livros do Krakauer e do Boukreev. As interpretações foram conclusivas; pessoas despreparadas estavam no lugar e na hora erradas.


Já existem boas pistas nos depoimentos dos sobreviventes para esclarecer a tragédia no K2:

Alfredo Garcia: “chegaram ao cume tarde demais, por volta das 8 horas da noite, e assim era impossível descer com segurança” – “algumas porque tentaram descer pelo lugar onde a neve tinha arrastado as cordas” e outros “porque ficaram esperando e congelaram” – “após esta catástrofe, é preciso analisar muitas coisas para que isto não possa voltar a acontecer no futuro”.

Strang: “a falta de conhecimentos sobre a montanha, e pessoas que não respeitaram o tempo limite para retornar e invocaram a outros e não as suas próprias competências.”

Wilco van Rooijen: “as cordas tinham sido fixadas nos lugares errados, o que acabou atrasando a subida” – “Algumas pessoas estavam correndo para baixo, mas não sabiam para onde ir, de modo que alguns se perderam na montanha sobre o lado errado, na rota errada, ocasionando um grande problema” – “estava gritando para as pessoas trabalharem em conjunto, mas muitos deles não conseguiram reagir, aparentemente travados em sua própria luta pessoal para sobreviver” – “Realmente todo mundo estava lutando por si mesmo, e eu continuo não entendendo porque todo mundo abandonava uns aos outros.” – Eles pensavam apenas em “meu gás, minha corda, ´meu´ qualquer que seja” – “O maior erro que fizemos foi que tentamos fazer acordos. Todo mundo tinha sua própria responsabilidade e depois algumas pessoas não fizeram o que prometeram”

Alberto Zerain: “Estou bem, é duro, faz muito frio. Escavei um buraco na neve para me pôr dentro”

Marco Confortola, ao ser resgatado: “Claro, claro, vou continuar. Imagine se vou desistir agora”

Fica claro que ocorreu uma fatalidade com aqueles que foram tragados pela avalanche, mas os demais foram vítimas do próprio despreparo. Com certeza nenhum deles era virgem em grandes altitudes nem fisicamente inapto para o desafio proposto, mas não foi apenas falta de sorte. A montanha cobrou o seu preço e lhes faltou o mais difícil de conquistar – técnica e estabilidade emocional.

Excelente preparo físico, guias de alta montanha, cordas fixas e garrafas de oxigênio de nada valem numa fatalidade para quem não acumulou a técnica apropriada nem a estabilidade emocional para fazer a coisa certa. Isto serve para o Everest, para o K2 e também para qualquer montanha ou mata deste imenso Brasil, considerando que aqui as dificuldades são de outra ordem. Histórias não faltam.

Em 1991 fui surpreendido por violenta tempestade enquanto descia o Pico Paraná e a trilha subitamente se transformou num rio com mais de 50cm de água despencando em cachoeira por sobre as correntes (hoje o local tem degraus), voltei e passei uma noite de cão no abrigo de pedra. O Paulo e o Pioli foram surpreendidos por tempestade similar no retorno do Ciririca e passaram outra noite infernal ilhados entre duas torrentes insanas que se formaram em minutos onde antes corriam tranqüilos regatos. Morre-se de hipotermia a 20ºC e não raro a temperatura desce a -5 ºC durante a noite em nossas serras.

Tantas vezes fomos surpreendidos por neblina cegante nos campos do Quiriri, pelo “russo”na travessia Açu-Pedra do Sino, por duas vezes despenquei em gretas cobertas por folhas nos campos dos Agudos. Na primeira fiquei entalado pela mochila cargueira com as pernas balançando no vazio, na segunda fiquei agarrado numa moita de capim-navalha. Já travei solando paredão no Marumbi, impossível subir, muito pior desescalar. No mês passado, após vencer a garganta na travessia Ciririca-Graciosa entramos na mata depois da cachoeira da santa para descobrir que palmiteiros ou caçadores tinham retirado todas as fitas que marcavam o retorno. Logo ali onde nem a bússola funciona e o verão chuvoso tinha apagado as tênues trilhas.

Em 2005 escalava o Nevado Illimani em companhia dum carregador de altitude boliviano quando desisti bem próximo da famigerada greta porque compreendi que não tinha técnica suficiente para continuar escalando sobre blue-ice naquela inclinação. Minha segurança já não dependia apenas de mim, estava refém dos elementos, da sorte e de outra pessoa. Não pulo em buraco de onde não possa sair por meus próprios méritos. Há circunstâncias em que desistir requer mais coragem do que continuar e conhecer os próprios limites é pré-condição para mais tarde superá-los.

Está é uma das razões porque me rebelo contra degraus, correntes, trilhas marcadas com fitas, totens e guias de aventura. Estes expedientes conduzem pessoas despreparadas emocionalmente a locais potencialmente muito perigosos. O montanhismo é um esporte em que se sobe um degrau de cada vez porque o cume é o menor dos prêmios. O importante é aproveitar e ter prazer nos ensinamentos da jornada. Os atalhos estão de mãos dadas com as tragédias.

A segunda razão é que estes mesmos artifícios se provaram contraproducentes na preservação ambiental. Insistir neles é insano.

Compartilhar

Sobre o autor

Julio Fiori - Equipe AM

Julio Cesar Fiori é Arquiteto e Urbanista formado pela PUC-PR em 1982 e pratica montanhismo desde 1980. Autor do livro "Caminhos Coloniais da Serra do Mar", é grande conhecedor das histórias e das montanhas do Paraná.

Comments are closed.