Os perigos de um ataque de abelhas na escalada

0

A escalada é um esporte que traz inúmeros benefícios para a saúde e mente de seus praticantes. Todavia, assim como em qualquer outra atividade em ambientes naturais, a escalada também tem alguns riscos. Entre eles os perigosíssimos ataques de abelhas.

O escaladores ficam mais expostos e vulneráveis a ataques de abelhas.

As abelhas europeias e africanas foram inseridas na flora brasileira para a produção de mel. No entanto essas abelhas são mais agressivas, principalmente as ditas africanizadas. Assim o número de ataques e acidentes com esses insetos aumentaram tanto nas cidades como em ambientes naturais.

Os praticantes de escalada ficam mais expostos durante a atividade na parede. Pois, ao serem pegos de surpresa na parede, não é possível correr e fugir de um enxame. As consequências de um ataque com muitas picadas de abelhas pode levar a pessoa, mesmo sem alergia, a sofrer um choque anafilático. Caso a pessoa não seja socorrida a tempo pode chegar a óbito.

O colunista e montanhista Pedro Hauck fala sobre esse tema no novo vídeo do Canal de Alta Montanha. No vídeo, o montanhista conta alguns casos de ataques de abelhas que infelizmente terminaram em morte, entre eles o caso do escalador Davi Marski e o caso de quatro jovens que faleceram no Pico do Cuscuzeiro em Analândia, interior de São Paulo

Também participa do vídeo uma das turmas de escalada com uma médica e um veterinária falando sobre os acidentes com abelhas e o que fazer durante um ataque desses animais.

Compartilhar

Sobre o autor

Maruza Silvério é jornalista formada na PUCPR de Curitiba. Apaixonada pela natureza, principalmente pela fauna e pelas montanhas. Montanhista e escaladora desde 2013, fez do morro do Anhangava seu principal local de constantes treinos e contato intenso com a natureza. Acumula experiências como o curso básico de escalada e curso de auto resgate e técnicas verticais, além de estar em constante aperfeiçoamento. Gosta principalmente de escaladas tradicionais e grandes paredes. Mantém o montanhismo e a escalada como processo terapêutico para a vida e sonha em continuar escalando pelo Brasil e mundo a fora até ficar velhinha.

Deixe seu comentário