“Isso não é coisa de menina”, livro de Rosângela Gelly fala sobre o montanhismo e as mulheres

0

A montanhista e escaladora paulistana, residente no Rio de Janeiro,  Rosângela Gelly irá lançar o seu primeiro livro. A obra é resultado de mais de dez anos de trabalho e fala sobre como o Montanhismo é uma ferramenta de mudança na vida de mulheres, da sociedade e dos direitos femininos. O livro “Isso não É Coisa De Menina” já esta na fase de finalização e pode ser adquirido pela pré-venda.

Capa do livro Isso Não É Coisa de Menina

Rosângela começou a praticar o montanhismo em 1984, com uma caminhada na Pedra da Gávea. Todavia, ela também é apaixonada pela escalada em rocha, tendo algumas vias conquistadas. Além de se orgulhar de ter se dedicado e trabalhado pelo desenvolvimento do esporte e pela preservação das montanhas.

“Sempre estive envolvida com as questões de organização do esporte, as questões de formação técnica e ética de pessoas chegando ao esporte e de guias. Desenvolvi um trabalho de conscientização dos riscos associados a prática, visando a prevenção de acidentes desde que eles cresceram exponencialmente, a partir dos anos 90. Também trabalhei muito em questões de proteção de áreas naturais e do acesso”, relatou Rosângela.

Rosângela Gelly caminhando pela montanhas do Rio de Janeiro – Foto: Washington Dias.

A montanhista vê a prática do montanhismo como “uma possibilidade constante de mudança pessoal e do mundo”. “Montanhismo sempre foi muito mais do que a simples prática das atividades em montanha”, afirma Rosângela.

Isso Não É Coisa De Menina

Rosângela atua na área de tecnologia e afirma que o montanhismo a ajudou a desenvolver as suas relações pessoais.  “O montanhismo é um contraponto a minha área. Nas montanhas aprendi muito sobre gente. Esse aprendizado mudou muito a forma como eu me relaciono com as pessoas”, explicou a montanhista.

A partir das suas observações, Rosângela teve a ideia de escrever um livro que conta com histórias e vivências de cerca de 80 mulheres entre as que ela entrevistou e as pesquisas que fez.

A escaladora viajou o mundo conhecendo lugares e pessoas. Foto: Dalton Chiarelli.

Entretanto, ao ser questionada sobre a abordagem do livro, Rosângela diz que será uma surpresa. “A configuração do livro mudou muito nos dez anos que levei para escrevê-lo. Hoje acho que ele é muito mais do que um livro sobre Montanhismo para montanhistas, apenas. Vai além disso. Espero sinceramente que as pessoas gostem da abordagem”, contou ela.

Sobre o título, Isso Não É Coisa de Menina, Rosângela explicou:Em todas as gerações sempre existem as pessoas que repetem, muitas vezes sem perceber, chavões que chegam a nós por nossa cultura ou educação. “Homem não chora”, “Isso não é coisa de Menina”, “Fulano não deve usar esse tipo de roupa”, essas coisas. São conceitos que chegam à pessoa sem que ela mesma os tenha desenvolvido. Muitas vezes repetindo essas frases, podemos estar ceifando oportunidades não só para a pessoa que ouve como para nós mesmos. Uma mentira repetida mil vezes, vira verdade. Não é isso que dizem? Acabamos perdendo a chance de mudar e melhorar nossas próprias vidas quando não nos permitimos tentar fazer diferente.

O livro conta com a capa e diagramação do designer Diniz Gomes e o plano de divulgação de Luigi Chiarelli. Rosângela pretende lançar o livro no início de março desse ano, entretanto ele já pode ser adquirido antecipadamente pela pré-venda.

Compartilhar

Sobre o autor

Maruza Silvério

Maruza Silvério é jornalista formada na PUCPR de Curitiba. Apaixonada pela natureza, principalmente pela fauna e pelas montanhas. Montanhista e escaladora desde 2013, fez do morro do Anhangava seu principal local de constantes treinos e contato intenso com a natureza. Acumula experiências como o curso básico de escalada e curso de auto resgate e técnicas verticais, além de estar em constante aperfeiçoamento. Gosta principalmente de escaladas tradicionais e grandes paredes. Mantém o montanhismo e a escalada como processo terapêutico para a vida e sonha em continuar escalando pelo Brasil e mundo a fora até ficar velhinha.

Deixe seu comentário