Manifesto do Montanhismo Tropical Brasileiro

2

Via Los Encardidos – Marumby – Morretes – Paraná – Brasil, foto Leandro Cechinel

A escalada nos primórdios da humanidade era certamente uma atividade de sobrevivência dos homens das Cavernas e nossos antepassados Indígenas, também um bom instrumento de defesa para fuga dos ataques e abrigo em cavernas ou nas tocas das paredes nas montanhas. O “Montanhismo sem nome”, praticado por nossos antepassados também teve caráter exploratório na conquista e colonização de territórios, uma vez que das cumeeiras nas serras podiam avistar grande parte do território explorado.

Do montanhismo técnico, a escalada foi reaproveitada para prática de uma série da atividades envolvendo ascensões de paredes, utilizando-se do apoio de pés e mãos sobre agarras, artificias ou não, onde percebemos que as coisas vão ficando mais fáceis na questão logística principalmente, com a escalada tornando-se um esporte praticado por
milhões de pessoas no Mundo, principalmente em espaços Indoor de academias e muros artificiais das cidades.

Entretanto, o Montanhismo Brasileiro, eventualmente esquecido na mídia, nunca saiu de moda, escalar montanhas dispende de mais esforço do praticante, seja para caminhar em longas aproximações carregando mais peso, enfrentando obstáculos difíceis, além da
necessidade de sobrevivência durante os dias que se pratica o Montanhismo.

Ibitirati Via Mar de Caratuvas  

 

Não bastasse tais dificuldades todo bom montanhista segue princípios e possui um conhecimento técnico que lhe dá mobilidade e desprendimento para praticar a escalada em diversas montanhas rochosas pelo mundo afora, algumas como El Capitan, Fitz Roy, Cerro Torre, Torres Del Paine, Dolomitas, Trango Tower sempre cobiçadas pela maioria dos escaladores por serem paredes grandes, com vias desafiadoras em terreno raramente com sua cobertura vegetal diversificada.

Parque Nacional de Yosemite nos Estados Unidos.

No Brasil se escala parede de rocha por lazer, desde o inicio dos anos 1900, sempre seguindo a tendência das principais escolas mundiais, no caso da nossa geração dos anos 80, a Americana, Francesa, Italiana e principalmente aqui no Sul, os conceitos dos Alemães que sempre desenvolveram um Montanhismo sério e avançado tecnicamente.

Pedra Riscada-MG, por Edmilson Padilha

 

O mundo desconhece a diversidade de biomas para pratica de escalada em montanhas. De norte ao sul do país temos formação geológica diversificada como também aspectos físicos geográficos endêmicos em sua característica e formação, isto
favorece o direito ao reconhecimento sobre a peculiaridade da ESCALADA TROPICAL BRASILEIRA.

Via Quinto dos Infernos – Foto Wellington

 

Aproximação de Base requer conhecimento e dedicação para se escalar – Foto
Adilson Braga – Morro Pão de Loth – Quatro Barras/Paraná Brasileiro

Enquanto muitos lamentam sobre as dificuldades técnicas para aproximação às bases das paredes em meio à Floresta Fechada ou dentro dos Imensos Vales Diabásicos nos rios com pedras lisas e traiçoeiras, com ambiente as vezes infestado de mosquitos, animais peçonhentos e plantas espinhosas, algumas vezes até venenosas, outros tem o prazer de desfrutar tudo isso.

Trilhas dentro de Rios. comuns na aproximação das vias para escalar na Floresta
Atlântica – Quatro Barras Paraná – Fabiano Rataiczyke e Wellington

 

Dentro de alguns anos estaremos completando um século desde a conquista da primeira escalada técnica em nossas lindas Montanhas brasileiras que se cobrem com seu manto verde, escondendo segredos e impondo ao homem muito respeito para permitir que ele adentre e caminhe com prazer em seus locais mais remotos.

Morro Anhangava Via Sai de Baixo – Foto Dennis Julian

Decididamente nossas técnicas de escalada envolvem conhecimentos que só os escaladores das Montanhas Tropicais tem, nem tudo está em manuais ou cursos que a gente possa frequentar e sair praticando, equipamentos, técnicas, táticas e métodos de sobrevivência na selva são requisitos mínimos para quem quer praticar o Montanhismo Tropical, mas nada substitui a experiência, por isso não adianta ficar lamentando que tudo
é longe, pesado e perigoso. Se você quer uma aventura de verdade praticando Montanhismo Técnico no Brasil precisa apoiar esta ideia para buscarmos o
reconhecimento mundial ao nosso estilo da ESCALADA TROPICAL BRASILEIRA.

 

Professor Erwin Groeger (RIP)– Precursor do Montanhismo Tropical Brasileiro – Foto Dálio Zippin (RIP)!

Espero poder contar com o apoio dos amigos Montanhistas Escaladores para o
reconhecimento da ESCALADA TROPICAL BRASILEIRA, para que possamos adquirir perfil próprio no cenário mundial da escalada.

Ajude assinando a petição aqui!

 

 

 

Compartilhar

Sobre o autor

Julio Nogueira - Colunista

Julio Nogueira, Geógrafo, Montanhista e Piloto de Parapente, pratica suas aventuras na Serra do Mar Paranaense desde 1975. Proprietário do Baitacão do Anhangava, tem se dedicado ao apoio dos Esportes de Aventura em Montanhas e Conservação da Natureza.

2 Comentários

  1. Avatar

    Falou falou falou mas nao explicou o que é ESCALADA TROPICAL BRASILEIRA.
    Em que se baseia? Pra que precisa de apoio ou reconhecimento?
    O que significa a UIAA reconhecer esse titulo?

    • Avatar
      Julio Nogueira em

      Legal José, bem observado, o manifesto não é o documento definitivo, apenas um pedido para que a União Internacional reconheça que o nosso Montanhismo tem estilo próprio, com base nos métodos utilizados para sua prática, com isso poderemos valorizar o trabalho dos nossos guias e apresentar nosso estilo técnico, que oferece grandes aventuras aos praticantes. É apenas uma alusão superficial, porém futuramente poderá ser aproveitável. Vamos ter que aguardar…

Deixe seu comentário